Chukat: A Substituição Divina

Meus queridos leitores, embora eu ame escrever sobre Abraão e espero que vocês gostem de ler sobre ele— eu ainda assim decidi parar aqui, a fim de compartilhar com vocês os comentários sobre uma das mais importantes e interessantes porções da Torá Parashat Shavua Chukat— que lemos neste shabbat.

A novilha vermelha: A substituição sacra  

A primeira coisa que torna essa porção da Torá muito especial é o simples fato de que houve um salto de 38 anos desde a última porção. Até agora, temos lidado com os dois primeiros anos da peregrinação de Israel no deserto; Chukat é a primeira porção que inicia o movimento real das pessoas em direção à Terra. E qual é a primeira coisa que Deus trata quando o povo de Israel está prestes a entrar na Terra? Ele fala sobre a divisão muito clara entre a vida e a morte.

Esta porção começa com a lei da novilha vermelha uma das leis sacrificiais menos compreendidas no Antigo Testamento—. Esta lei foi dada aos filhos de Israel para a purificação daqueles que se tornam ritualmente impuros pelo contato com um cadáver a mais alta forma de impureza ritual—. Assim, o propósito desta lei era «tirar a impureza da morte que existia entre Deus e o homem» [1] e não é interessante que esta seja a primeira lei que Deus dá ao seu povo quando eles começam a se mover em direção a terra?

No Novo Testamento, a novilha vermelha é mencionada apenas uma vez, em Hebreus 9:13-14. Como outros sacrifícios do Antigo Testamento, a lei da novilha vermelha é vista como um modelo e sombra da expiação de Jesus Cristo. O escritor de Hebreus deixa claro que, se as cinzas da novilha vermelha purificaram os filhos de Israel da contaminação de cadáveres, «quanto mais» o sangue de Cristo purificará seus seguidores das «obras mortas».

No entanto, há um aspecto profundo adicional deste sacrifício que é muitas vezes negligenciado pelos intérpretes Cristãos: diz respeito à «ironia deste sacrifício, desde que aqueles que uma vez eram impuros tornam-se puros, enquanto aqueles que eram puros no inicio (o sacerdote e os participantes) tornam-se impuros participando do ritual».[2]  O sacerdote se torna impuro para que o povo seja purificado; ele toma sobre si as impurezas rituais do homem e assim  torna impuro a si mesmo: «o sacerdote permanecerá impuro até a tarde» —e, ao fazê-lo—, ele pode ser visto como um modelo de Jesus Cristo no Novo Testamento, que sendo puro e sem pecado, tomou sobre si a impureza e os pecados das pessoas, para que as pessoas se tornassem limpas.

A serpente de bronze

A história da Serpente de Bronze é uma das histórias mais ilustrativas e expressivas da Torá. O começo desta história é muito tradicional. Até aqui, estamos acostumados, até cansados, das infindáveis ​​rebeliões no deserto e ficamos um tanto surpresos e decepcionados que depois desses 38 anos, a nova geração, como seus pais, também «falou contra Deus e contra Moisés, e disse: “Por que nos fizestes subir do Egito, para que morramos neste deserto, onde não há pão nem água?”».[3]  Em resposta, Deus enviou cobras venenosas entre as pessoas, e muitos morreram de suas mordidas. Então as pessoas vieram a Moisés e disseram: «Havemos pecado, porque temos falado contra o SENHOR e contra ti; ora ao SENHOR que tire de nós as serpentes».[4]

Foi o pedido deles e o desejo deles um desejo natural e compreensível, eu diria— de que o Senhor os salvasse das cobras. E o Senhor os salvou das cobras, mas Sua salvação veio de uma forma completamente inesperada. Vocês não esperariam que Ele simplesmente tirasse as cobras se Ele perdoasse as pessoas e decidisse salvá-las de qualquer maneira? Em vez disso, Ele dá a Moisés uma ordem extremamente estranha: «Faze uma serpente abrasadora, põe-na sobre uma haste… Fez Moisés uma serpente de bronze, e a pôs sobre uma haste».[5]

A Torá é como um raio-X espiritual: o que é invisível no nível da superfície, torna-se visível aqui. Com nossas mentes racionais, podemos nos perguntar por quê. Por que todos esses preparativos estranhos? Por que todo esse trabalho em bronze, em vez de apenas tirar as cobras? No entanto, esta história nos mostra, da maneira mais ilustrativa possível, um dos princípios básicos da vida espiritual: quando pecamos, quando escolhemos nos afastar de Deus, nossa escolha tem consequências muito reais e inevitáveis. Ela muda e distorce a realidade, seja dentro ou fora de nós (muitas vezes ambas), embora essas mudanças nem sempre sejam tão visíveis quanto em nossa história da Torá. Mais tarde, quando as consequências de nossos pecados inevitavelmente começam a «nos morder», começamos a clamar ao Senhor, implorando a Ele para nos salvar —para tirar as cobras, para tirar as consequências—. Entretanto, nem o próprio Deus restaura as coisas simplesmente como se nossas escolhas pecaminosas nunca tivessem acontecido; nem mesmo Ele próprio simplesmente ignora nossos pecados e o mal que eles causaram.

Se fôssemos ler nosso texto em Hebraico, ficaríamos maravilhados com a abundância de sons de sussurros, assobios: Nashaj (morder), Nejash (cobra), Nejoshet (bronze)… como se de fato o assobio das cobras preenchessem esses versículos. Não é por acaso que existem cobras nesta história: o primeiro pecado que entrou no mundo através da cobra —a serpente— e que outro aspecto, se não o pecado —rastejante, sibilante e mordendo— é representado por estas cobras na nossa porção da Torá? E não é suficiente apenas tirar as cobras, o veneno já está funcionando e, portanto, Deus tem que trazer um remédio —de modo que todos os que foram mordidos vivam—.

Qual é esse remédio? Esta é a parte mais surpreendente desta história. Vocês não esperariam um remédio inteiramente prático para curar picadas de cobra: algum remédio, tratamento, pomada. Em vez disso, os filhos de Israel são simplesmente instruídos a olhar para a cobra de bronze —apenas olhar, para viver—. Eles não precisavam se aproximar, tocá-la ou fazer qualquer coisa com ela, só precisavam olhar para ela. «Sendo alguém mordido por alguma serpente, se olhava para a de bronze, sarava». A substituição aconteceu de novo.

Provavelmente, alguns deles duvidaram, até resmungaram: «Que bem pode fazer, se eu apenas olhar para esta serpente?» Mas este é exatamente o ponto desta história: não importa se o remédio atende às nossas expectativas. Vocês se lembram de Naamã, comandante do exército Sírio, que era leproso? Ele foi ao profeta Eliseu para ser curado, mas ficou furioso e quase foi embora depois que o conselho de Eliseu não atendeu às suas expectativas. Ele disse: «Eis que pensava eu…» e quase perdeu sua própria cura, só porque ele pensava que deveria ser realizada de uma maneira diferente! Quantas vezes perdemos algo que Deus está fazendo, só porque achamos que deveria ser feito de forma diferente: «Eis que pensava eu…».

Lá, no deserto, Deus ofereceu sua cura a todos. Por mais estranho e inesperado que pudesse parecer, era a única maneira de ser salvo. Aqueles que escolheram olhar para a serpente de bronze viveram —todos os outros morreram—. Provavelmente, nenhum deles entendeu. Suponho que o próprio Moisés estava intrigado e não conseguia entender por que ele precisava fazê-lo, mas isso é exatamente o que a fé significa: obedecer ao Senhor, mesmo quando não entendemos. E esta é a principal lição da porção da Torá Chukat.

Gostaria de lembrar a vocês, meus queridos leitores e seguidores, que temos um curso maravilhoso na eTeacher, onde vocês podem aprender com os comentários da Parashat Shavua, juntamente com sua  interpretação do Novo Testamento. Como sempre, vocês estão convidados a entrar em contato comigo para mais informações. Meu email é juliab@eteachergroup.com

Trechos de meus livros estão incluídos em muitos posts deste blog, vocês podem obter os meus livros de minha página:  https://blog.israelbiblicalstudies.com/julia-blum/ . 

Além disso, meu novo livro «Unlocking the Scriptures» já está publicado e disponível na Amazon. [Por o momento somente esta em inglês]: https://www.amazon.com/s?k=unlocking+the+scriptures+by+julia+blum&crid=2IHYED6W7ZVYI&sprefix=julia+blum+%2Caps%2C689&ref=nb_sb_ss_i_4_11 

[1] Studia Antiqua Volume 4 | Number 1 Article 4 April 2005 , Mélbourne O’Banion The Law of the Red Heifer: A Type and Shadow of Jesus Christ,  p. 33

[2] Ibid. , p. 35

[3] Números 21:4

[4] Números 21:7

[5] Números 21:8,9

 

About the author

Julia BlumJulia is a teacher and an author of several books on biblical topics. She teaches two biblical courses at the Israel Institute of Biblical Studies, “Discovering the Hebrew Bible” and “Jewish Background of the New Testament”, and writes Hebrew insights for these courses.

You might also be interested in:

Reflexões Do Novo Testamento:...

Por Julia Blum

Reflexões Do Novo Testamento:...

Por Julia Blum

Join the conversation (No comments yet)

Deixe uma resposta