Começos (8): Gênesis 2

E Ele chamou

De nossa discussão sobre Gênesis 1, sabemos que a palavra de Deus era a parte central de todo o processo criativo —e o verbo vayikrá (e Ele chamou) reflete isso—. Deus deu nomes ao que Ele criou e, ao fazer isso, Ele os chamou à existência.

«Chamou Deus à luz Dia, e às trevas, Noite.[1]

E Deus chamou ao firmamento Céus.[2]

A porção seca chamou Deus Terra, e ao ajuntamento das águas, Mares».[3]

À luz disso, é significativo que a primeira coisa que vemos Adám fazendo (não apenas ordenado a fazer, mas realmente fazendo) é dando nomes —vayikrá— a todos os animais:

Deu nome (vayikrá) o homem  a todos os animais domésticos, às aves dos céus, e a todos os animais selváticos».[4]

Por que isso é tão importante? Porque aqui podemos ver uma conexão clara entre esses dois relatos aparentemente contraditórios da criação que discutimos anteriormente: Gênesis Capítulo 1 e Capítulo 2. Sabemos que, enquanto um homem no Capítulo 1 é criado «à imagem de Deus», no Capítulo 2 as Escrituras não dizem nada sobre a criação de um homem à imagem de Deus ou de acordo com sua semelhança. Pode-se pensar facilmente que temos dois Adám diferentes aquí —um criado no Capítulo 1 e um criado no Capítulo 2—. Portanto, esse testemunho da primeira ação que Adám realiza no Capítulo 2 é de importância crucial. Se, de fato, a primeira coisa que Adám fez foi realmente repetir a ação de Deus, sugiro que possamos ver isso como uma prova do fato de que o Adám do Capítulo 2 ainda é o mesmo Adám do Capítulo 1 —criado à Sua imagem e de acordo com Sua semelhança—. Mais uma vez, essas não são duas histórias diferentes e contraditórias, mas duas fotografias diferentes da mesma história e do mesmo homem, mas tiradas de dois ângulos completamente diferentes.

Apenas um assistente?

Decidi começar esta série porque percebo quantos detalhes importantes são perdidos na tradução, especificamente nesses primeiros capítulos de Gênesis. E, no entanto, esses capítulos são absolutamente cruciais; podemos aprender muitas coisas profundas sobre o plano e o projeto de Deus para nossas vidas a partir das palavras Hebraicas originais. Em particular, as palavras usadas para descrever a criação do homem e da mulher são muito importantes e esclarecedoras. Por exemplo, em Gênesis 2:20 , lemos: «mas para Adám não se achava nenhuma ajudante adequada». Qual é o significado das palavras Hebraicas originais por trás da expressão «ajudante adequada»?

Como quase todas as traduções traduzem essas palavras como «ajudante adequada», «ajudante conveniente» ou «ajudante», uma mulher é tradicionalmente entendida como assistente de um homem, como uma espécie de criatura de segunda classe. A maioria das pessoas acredita que Deus criou o homem para alguns papéis e responsabilidades principais, e ele criou a mulher para alguns papéis secundários e auxiliares. É verdade realmente?

A chave para a resposta a esta pergunta é encontrada nas palavras Hebraicas originais עזר כְּנֶגְדּוֹ (ézer kenegdó). O significado básico da palavra néged é «oposto»; assim, «o ajudante» (ézer) deve ser «oposto» ao homem. Essa mesma palavra, kenegdó, significa que a criatura que Deus criou para Adám não será maior ou menor —ao contrário—, será igual, correspondendo perfeitamente a ele.

Vocês podem imaginar? O significado é muito diferente daquele que a maioria de nós aprendeu. Nessas palavras, podemos encontrar não apenas o plano original do Criador para um homem e uma mulher, mas também para sua união. Deus projetou um casamento para ser uma união na qual marido e mulher são iguais e se complementam: ézer kenegdó. Acredito que, para muitos maridos e esposas, o reconhecimento desse projeto original de casamento possa ser revelador e até curador.

Nu ou astuto?

Estamos indo agora para Gênesis 3 —entrando na história mais dramática de toda a Bíblia, a história da Queda—. Mas onde essa história começa? Vocês sabiam que, para um leitor de Hebraico, o início desta história é diferente? A última frase do capítulo que tratamos até agora, o Capítulo 2, diz que Adám e Eva «estavam nus» e «não tinham vergonha». Passamos então à história da Queda no capítulo 3 e lemos que «a serpente era mais astuta do que qualquer animal do campo». Traduzidos, esses versículos não têm nada em comum, e não há nenhuma conexão entre Adám e Eva estarem nus e a serpente ser astuta. No entanto, é muito diferente quando lido em Hebraico. «Nu» em Hebraico é arúm (aqui temos a palavra plural para «nu», עֲרוּמִּים arumím) e a palabra «astúcia» em Gênesis 3:1 é arúm, portanto, essas palavras vêm basicamente da mesma raiz. Por quê?

Este é mais um exemplo da incrível profundidade da língua Hebraica. À primeira vista, as conexões entre essas palavras podem parecer estranhas e inesperadas; no entanto, após uma profunda reflexão, é possível entender quão profundas e firmes são essas conexões. Primeiro, pode-se perguntar: por que a mesma raiz significaria nu e astuto? Mas, indo de uma haste  (binyán) para outra, podemos descobrir a lógica interna oculta que conecta essas palavras: de «estar nu» para «ficar nu, descobrir»—daí, «ser insolente, rancoroso, astuto»—.

Agora entendemos que não é físico, mas que nudez tem, antes de tudo, significado espiritual —estar fora da cobertura de Deus—. Segundo alguns comentários Judaicos, antes de Adám e Eva pecarem, seus corpos eram revestidos de luz, porque o próprio Deus era sua cobertura. Falaremos mais sobre isso quando entrarmos no Capítulo 3. Os comentários dizem que quando eles pecaram, eles se colocaram do lado de fora da cobertura de Deus e é por isso que eles tiveram que usar roupas de pele —enquanto a serpente estava fora da cobertura de Deus desde o início—.

Assim, para um leitor Hebreu, a palavra «nu» (arumím) em Gênesis 2:25 conecta imediatamente o primeiro casal com a natureza «astuta» (arúm) da serpente. A última frase do Capítulo 2 introduz a história subsequente da desobediência humana —é como uma ponte, uma ponte extremamente importante e profunda—, ligando um capítulo a outro em Hebraico, mas desaparecendo na tradução.

 

 

Se vocês gostam dos artigos deste blog, também podem gostar dos meus livros, podem obtê-los na minha página: https://blog.israelbiblicalstudies.com/julia-blum/  . Além disso, também meu último livro «Unlocking the Scriptures»sobre as percepções Hebraicas da Torá e as percepções Judaicas do Novo Testamento está publicado e está disponível na Amazon. [Versaõ em Inglês]:  https://www.amazon.com/s?k=unlocking+the+scriptures+ por + julia + blum & crid = 2IHYED6W7ZVYI & sprefix = julia + blum +% 2Caps% 2C689 & ref = nb_sb_ss_i_4_11. Vocês também podem encontrar edições em Espanhol de alguns de meus livros, vocês podem obtê-los aqui: https://www.amazon.com/s?k=julia+blum&ref=nb_sb_noss_1

LAs informações que vocês leem nestas páginas são típicas do que compartilhamos com nossos alunos durante as aulas DHB (Discovering the Hebrew Bible – Descobrindo a Bíblia Hebraica) ou WTP (Weekly Torah Portion – Porção Semanal da Torá). Se esses artigos despertam o seu interesse por descobrir os tesouros escondidos da Bíblia Hebraica, ou estudar em profundidade  a Parashat Shavua, juntamente com as abordagens  do Novo Testamento,  eu ficaria feliz em fornecer mais informações (e também um desconto de professor para os novos alunos) em relação aos cursos eTeacher[5] (juliab@eteachergroup.com) .

 

[1] Gênesis 1:5.

[2] Gênesis 1:8.

[3] Gênesis 1:10.

[4] Gênesis 2:20.

[5] No momento, oferecemos apenas o curso WTP em inglês, enquanto o curso DHB existe em espanhol e português.

About the author

Julia BlumJulia is a teacher and an author of several books on biblical topics. She teaches two biblical courses at the Israel Institute of Biblical Studies, “Discovering the Hebrew Bible” and “Jewish Background of the New Testament”, and writes Hebrew insights for these courses.

You might also be interested in:

Join the conversation (No comments yet)

Deixe uma resposta