De Jerusalém A Roma: O Messias Oculto

Agora sabemos o que Pedro revelou: o grande mistério do Evangelho, «as coisas secretas que o Pai escondeu… dos sábios e entendidos e revelou aos pequeninos», é a messianidade de Jesus. No Evangelho de Lucas, esse segredo está escondido e oculto de Israel; em Atos, Pedro está compartilhando esse segredo com «toda a casa de Israel». Esse contraste entre o Evangelho e Atos é dramático. Nenhuma palavra pode descrever melhor esta mudança abrupta na atmosfera do Evangelho para Atos do que este versículo do próprio Lucas: «o que dissestes aos ouvidos no interior da casa, será proclamado dos eirados».[1] Comparativamente, no Evangelho o segredo da dignidade messiânica de Jesus está oculto, escondido, apenas revelado «no ouvido», e em Atos há uma proclamação aberta de sua messianidade. Não apenas neste primeiro discurso, mas em seus três primeiros discursos públicos —nos Capítulos 2, 3, 4 de Atos— Pedro proclama em voz alta, quase literalmente «nos telhados, que Jesus de Nazaré é o Messias. Esteja absolutamente certa, pois, toda a casa de Israel de que a este Jesus que vós crucificastesDeus o fez Senhor e Cristo (Messias – JB)».[2] «tomai conhecimento vós todos e todo o povo de Israel…».[3] De repente, o conhecimento secreto e esotérico do Evangelho se torna uma mensagem amplamente difundida em Atos. Porque? Por que razão vemos Jesus consistentemente escondendo sua messianidade no Evangelho, e até mesmo ordenando a seus discípulos que se calassem? E por que razão sua messianidade cede à proclamação pública em Atos? Por que essa diferença drástica entre «antes» e «depois»?

O «Salvador oculto» no Judaísmo do período do Segundo Templo

 Jesus era Judeu e, sem dúvida, foi influenciado pelas ideias Judaicas contemporâneas —por sua educação Judaica e pelo contexto completamente Judaico de sua vida—. Podemos encontrar uma explicação para esse dilema do Novo Testamento no pensamento Judaico contemporâneo da época? Na verdade, nós podemos!

A literatura e as evidências históricas provam que quase todas as tendências do Judaísmo do período do Segundo Templo mantinham algumas crenças a respeito do Messias oculto. Claro, diferentes padrões podem ser discernidos em relação a esse incógnito messiânico. Existem alguns textos, principalmente apocalípticos, mas também Targumím (Targumím são versões gratuitas em Aramaico do Antigo Testamento para uso nas sinagogas), referindo-se a um Salvador «oculto» propriamente dito; para aquele que estava oculto desde o início e será revelado somente quando chegar o tempo determinado. Os textos do segundo grupo são construídos em torno do tema «não reconhecido»: o Messias, quando vier, seria difícil de identificar; ele estaria «escondido, sem estima, desconhecido, seu segredo selado».[4] Este tema está presente até certo ponto em alguns textos de Qumran e torna-se especialmente claro na literatura rabínica posterior. Em qualquer caso, se o Messias não deveria ser reconhecido, isso significa que ele precisaria permanecer em silêncio sobre sua condição messiânica, e não seria reconhecido até que Deus o tornasse manifesto. O pensamento de que o Messias precisava permanecer oculto e silencioso e não poderia revelar quem ele era, tornou-se a ideia prevalecente no pensamento religioso Judaico no inicio da nova era.

A profecia oculta

Para resumir, podemos dizer que referir-se ao Messias como «oculto e revelado» pode ser tomado como representativo do Judaísmo do período do Segundo Templo. Podemos agora fazer nossa próxima pergunta: como e por que esse paradigma do «salvador oculto» foi desenvolvido no pensamento Judaico? Uma vez que todos os textos Judaicos foram moldados e influenciados pelas Escrituras, provavelmente precisamos nos voltar para o Tanáj (Antigo Testamento) para tentar encontrar o «Messias oculto» lá.

Para a maioria dos Cristãos de hoje, é o Capítulo 53 de Isaías, que apresenta um programa profético Messiânico que Jesus realmente cumpriu ao pé da letra. No entanto, vocês podem dizer que não há nada sobre um Messias oculto neste capítulo e eu concordaria. Não há nada sobre um Messias oculto lá agora, depois de todas as traduções que o texto passou; mas é neste Capítulo que descobriremos uma «profecia oculta» que se perdeu completamente na tradução e que explica por que Jesus, se quisesse cumprir este programa, precisava se calar sobre Seu status messiânico.

O que eu quero dizer? Uma tradução literal do texto Hebraico de Isaías 53:3 seria assim: «Ele foi desprezado e rejeitado pelos homens, um homem de dores e conhecendo a doença. E como (como se) aquele que esconde seu rosto, ele foi desprezado e não o consideramos». Porém, em vez de «como aquele que esconde seu rosto» (ação que se refere ao próprio Servo Sofredor), nas traduções, lemos: «E dele escondemos os nossos rostos»Assim, o Servo Sofredor passa de objeto a sujeito desta ação: não é mais sua ação, mas algo que as pessoas ao seu redor fizeram. Não vou entrar em detalhes mostrando como isso aconteceu, vocês precisariam saber um pouco de Hebraico para que eu explicasse corretamente (mais uma vez, os interessados podem ler meu livro). O resultado, claro, é muito diferente: O significado original deste versículo«como se escondesse seu rosto de nós…» implica que o Servo Sofredor escondeu seu status, mas esta parte do programa Messiânico se perdeu completamente na tradução e a própria profecia se tornou a «profecia oculta».

Se soubermos que, de acordo com Isaías 53:3, «esconder o rosto» tinha que se tornar um passo importante no programa Messiânico, entenderíamos que provavelmente, o tema «Messias oculto» na literatura Judaica do período do Segundo Templo foi desenvolvido sob a forte influência deste versículo. Além disso, se um homem se considerava o messias, ele tinha que ficar em silêncio sobre sua messianidade até o tempo determinado. Jesus teve que cumprir cada passo deste programa messiânico e, portanto, «esconder o rosto» em Isaías 53:3b continha a principal razão para ele esconder sua messianidade: Ele deveria «esconder o rosto»seu status messiânico tinha para ser escondido durante sua vida e ministério. Assim, chegamos a uma compreensão nova e mais profunda (e bastante inesperada, eu diria) do Segredo Messiânico: o silêncio de Jesus sobre seu status messiânico era exatamente o que se esperava do Messias quando veio. O segredo de sua messianidade seria revelado no Dia da Revelação, naquele glorioso dia de Shavuót em Jerusalém que agora testemunhamos em Atos 2!

Assim, os dois volumes de Lucas, se lidos à luz desta «profecia oculta» e à luz do paradigma do «salvador oculto», mostram claramente que Lucas descreve a vida e o ministério de Jesus em termos de um Messias «oculto e revelado», oculto até a hora marcada para ser revelado. Esta é a transição poderosa e drástica que é marcada pelo discurso de Pedro: do Messias visível, mas oculto e não reconhecido, para o Messias revelado, reconhecido, mas invisível. Precisamos realmente estar cientes dessa dinâmica se quisermos entender o livro de Atos.

 

 

 [1] Lucas 12:3.

[2] Atos 2:36.

[3] Atos 4:10.

[4] 1QH xi 11

 

Se vocês estiverem interessados em aprender mais sobre o Messias Oculto, podem ler meu livro «As Though Hiding His Face», que discute a fundo esse assunto. Para obter este e meus outros livros, cliquem aquiAlém disso, gostaria de lembrá-los de que oferecemos cursos maravilhosos, e aqueles interessados em estudar em profundidade a Parashát Shavúa, junto com os conhecimentos do Novo Testamento, ou explorar o contexto Judaico do Novo Testamento, podem entrar em contato comigo (juliab@eteachergroup.compara mais informações e para o desconto para os novos alunos. 

 

About the author

Julia BlumJulia is a teacher and an author of several books on biblical topics. She teaches two biblical courses at the Israel Institute of Biblical Studies, “Discovering the Hebrew Bible” and “Jewish Background of the New Testament”, and writes Hebrew insights for these courses.

You might also be interested in:

Pardes, Os Dois Filhos De Abraão...

Por Julia Blum

Leitura Da Torá De Rósh...

Por Julia Blum

Join the conversation (No comments yet)

Deixe uma resposta