A HistÓria Do DilÚvio: Sod (segredo) Da Arca De Noe

Estamos discutindo a história do Dilúvio e tocando aqui em temas diferentes, no entanto, eu acho que vocês concordariam que a Arca de Noé está no cerne desta história. Portanto, é a Arca que se torna a mensagem profética de Deus para a humanidade futura. Às vezes as pessoas jogam no mar uma garrafa contendo uma mensagem e anos mais tarde ela é encontrada e a mensagem contida nela é lida. Esta é a imagem que eu tenho para a Arca de Noé: a mensagem profética está dentro dessa história, e é nossa tarefa ‘abri-la’ para entender a mensagem. O próprio Noé provavelmente não percebeu o significado profético de sua própria história (assim como as pessoas que jogam uma garrafa no mar não sabem quando e por quem ela será encontrada) –mas Deus definitivamente sabia–: Ele jogou esta arca selada nas ondas, para que nós a abríssemos e lêssemos. Hoje, quando abrimos esta antiga mensagem, o que encontramos lá?

 

LINHAGEM PURA OU CORAÇÃO PURO?

Em primeiro lugar, quem era Noé? Quem era este homem que foi escolhido para dar um novo começo a toda a humanidade? Por que ele foi escolhido? A Escritura nos diz que Noé encontrou graça aos olhos do Senhor.[1] Uma vez que estamos lidando aqui com o último nível de PARDES –sod, segredo, mistério– temos que perguntar: o que isso tem a ver com Noé? Qual é o segredo dele encontrando graça aos olhos do Senhor?

Depois de tudo o que já discutimos aqui, a primeira e mais óbvia sugestão diz respeito a linhagem de Noé. Vários comentaristas supõem que a expressão “perfeito entre seus contemporâneos”[2] pode ser lida, e até mesmo deve ser lida, no sentido de sua linhagem perfeita: Noé era perfeito em sua genealogia. Sua linhagem era pura, porque era totalmente humana, e essa foi a primeira e mais óbvia razão pela qual Deus o escolheu.

Devemos lembrar, porém, que o Deus da Bíblia é antes de tudo Deus dos corações. É por isso que não tenho dúvidas de que o coração de Noé era puro e que ele realmente era justo diante de Deus. A Escritura nos diz muito claramente que Noé ‘caminhou com Deus’[3] (a propósito, há apenas duas pessoas em toda a Bíblia que são descritas desta maneira: Enoque e Noé). Sim, Noé tinha uma linhagem pura, mas também era justo diante de Deus; na verdade, essas duas coisas estão conectadas e vão juntas: a linhagem de Noé permaneceu incorruptível porque ele era justo. Ele estava completamente separado do mundo pecaminoso e das pessoas pecaminosas (e metade das pessoas) ao seu redor –e por isso ele era perfeito entre seus contemporâneos–. Vocês sabem que em Hebraico a palavra kadosh, קדוש santo, também significa “separado”: as palavras “at mekudeshet lee”, את מקודשת לי, pronunciadas pelo noivo para a noiva na cerimônia de casamento Judaica sob o chuppah, significa simultaneamente “você está separada para mim” e “você é sagrada para mim”. Isto é exatamente o que Deus mais tarde esperaria e exigiria do Seu povo: ser santo e estar separado do pecado deste mundo. Noé, com seu coração puro, foi separado do mundo corrompido e, portanto, transmitido a uma linhagem humana pura, não corrompido pela semente demoníaca. Assim, Noé era um candidato perfeito para o plano de Deus.

 

REDENÇÃO OU EXPIAÇÃO?

No entanto, isso é apenas parte da mensagem que Deus está nos enviando através desta história. O ponto central da história do Dilúvio –Deus se lembrou de Noé–[4] nos lembra que esta mensagem não é apenas sobre o homem, mas também sobre Deus. Então, qual é a segunda parte do mistério que Deus quer que vejamos nesta história?

Encontraremos a segunda pista na própria Arca. Vocês se lembram que, quando Deus deu instruções a Noé sobre como construir a arca, Ele ordenou que a revestisse de piche por dentro e por fora.[5] Em Inglês, soa como uma mera descrição técnica, e você pode nunca ter pensado muito sobre este versículo. No entanto, quando lemos em Hebraico, descobrimos aqui a raiz כפר  (kafar: kaf- pei-reish) : vehafarta ota mibait umihutz  bekofer. Você provavelmente está familiarizado com Yom Kippur –esta é a mesma raiz que temos na palavra “Kippur”–. Yom Kippur significa o Dia da Expiação, portanto o significado deste verbo tem que ser: “expiar”. Sabemos, no entanto, que Yom Kippur, bem como todo o conceito de expiação, só será introduzido muito mais tarde. Por que, então, esse verbo seria usado aqui, na história de Noé? Não encontramos a palavra “expiação”, ou qualquer coisa que pertença à expiação, em nossos textos traduzidos, qualquer que seja a linguagem que leiamos. Então o que está acontecendo aqui? Por que essa incrível palavra raiz ocorre aqui no texto Hebraico –e por que então desaparece na tradução?– Essa palavra é muito significativa, muito profunda, muito importante por todos os seus significados redentores futuros e, portanto, não pode ser ignorada.

Este é um belo exemplo de quão profunda e multifacetada é a língua Hebraica. Vamos comigo a um dicionário, e vocês ficarão impressionados (como eu fiquei, e tenho ficado desde então) pela incrível profundidade de Sua palavra. Uma vez que o Hebraico é uma língua baseada em raiz, a maioria das palavras são formadas a partir de uma raiz de três consoantes pela mudança de vogais e pela adição de diferentes prefixos e sufixos. Assim, encontramos no dicionário dois verbos da mesma raiz, com dois significados completamente diferentes:

(qal):  כפר  (kafar)  – revestir algo com piche; e

(piel) כיפר (kiper) – redimir, perdoar

Vocês podem imaginar? Esta ordem muito técnica –você deve revesti-la com piche por dentro e por fora– em Hebraico, isso soa quase como uma declaração teológica. Todos sabemos, claro, que o Dilúvio e a Arca são grandes símbolos de castigo dos ímpios e salvação dos justos; no entanto, sem o Hebraico, perdemos completamente algo que é óbvio no texto original: mesmo fonéticamente, a história de Noé é a história da redenção e da expiação, a palavra “expiar” sendo realmente incorporada no texto original.

Vocês veem o que está acontecendo aqui? A linguagem da Torá é dada por Deus, e, portanto, é diferente de qualquer outra linguagem humana: os significados que ainda estão por vir são mostrados aqui através dos significados regulares das palavras. Com frequência as palavras da Torá estão pejadas desses significados futuros –com algo que ainda está para vir–, que não foi visto pelo homem, mas foi instalado lá por Deus. Aqui encontramos o Sod, o Segredo que Deus quer que vejamos na história de Noé: Sim, um homem tem que estar separado do mundo corrompido e andar com Deus –e mesmo assim– aqueles dentro da arca de Noé não eram ‘perfeitos’ e ainda precisavam ser “redimidos ” por Deus: dentro e fora. Do interior e do exterior.

 

[1] Gênesis 6:8

[2] Gênesis 6:9

[3] Gênesis 6:9

[4] Gênesis 8:1b

[5] Gênesis 6:14

 

Se esses artigos estimularem seu apetite por descobrir os tesouros escondidos da Bíblia Hebraica, ficaria feliz em fornecer mais informações (e também um desconto) em relação aos cursos do eTeacher. Eu também os incentivo a ler meu livro, Abraham had two sons: este é o único livro Messiânico que é escrito de acordo com os níveis de significado PARDES (clique aqui para os meus livroshttp://readjuliablum.com)

About the author

Julia BlumJulia is a teacher and an author of several books on biblical topics. She teaches two biblical courses at the Israel Institute of Biblical Studies, “Discovering the Hebrew Bible” and “Jewish Background of the New Testament”, and writes Hebrew insights for these courses.

You might also be interested in:

Lech Lecha – O Chamado De...

By Julia Blum

Noé – Uma Maravilhosa...

By Julia Blum

Join the conversation (4 comments)

Deixe uma resposta

  1. Rosa Cunha

    Eu até gostaria de ler seu livro se ele fosse traduzido para o português. Não sei inglês. Uma pena.

  2. Carlos Alberto P Ferreira

    Texto muito elucidativo e profundo.
    Gostei muito

  3. Mário José Lemos

    Eu ministrei na célula esta mensagem, foi um a bênção.

  4. marino paparotti

    gostaria de receber mais informações a respeito da arca de noé. muito interessante.