O Messias Oculto: Paralelos E ConclusÕes (ii)

Vocês se lembram das lágrimas de José na sala interior –lágrimas que os irmãos não veem, mas nós os leitores sim?–: ele entrou em seu quarto e chorou ali. Vocês lembram também o que José fez quando saiu deste quarto: ele lavou seu rosto, assim suas lágrimas não seriam vistas –assim não haveria nenhum vestígio daquele amor–  e saiu; e ele se conteve…(ויתאפק).[1] Precisamos lembrar desta palavra “contido” –estas lágrimas de amor que José teve que segurar– quando lemos o resto da história. Precisamos saber que o momento virá inevitavelmente quando as lágrimas de amor que são seguradas e escondidas no Capítulo 43, serão reveladas na sua totalidade, porque José não será capaz de se conter…(וְלֹֽא־יָכֹ֙ל יוֹסֵ֜ף לְהִתְאַפֵּ֗ק ) por mais tampo; ele se permitirá chorar em voz alta e finalmente se revelar aos irmãos.

O que significa “conter-se”? ( לְהִתְאַפֵּ֗ק) O profeta Isaías usou a mesma palavra enquanto falava com Deus sobre Israel. “Onde está o Seu zelo e Sua força, o anseio de Seu coração e Suas misericórdias para comigo? Eles estão  contidos?” Para mim o testemunho desta palavra é incalculável: a dramática e surpreendente aparente inconsistência entre o que vemos com nossos olhos e o que se passa na verdadeira, invisível realidade do coração, está condensado nesta palavra. José (revelando o caráter do amor de Deus nisto mais do que em qualquer outra coisa) não pode se revelar aos irmãos até que seu plano esteja completo – –até que a obra de Deus nos corações dos participantes da história esteja finalizada–. Da mesma forma, nós não podemos entender o coração de Deus com base em circunstâncias visíveis. Da mesma forma por causa de Seu plano, Deus contem e retêm o Seu amor e misericórdia, portanto a realidade que vemos com nossos olhos naturais dificilmente corresponde à realidade do Seu coração. É uma realidade “como se” –se vocês lembrarem da nossa Chave Número Três– e esta realidade “como se” é frequentemente usada por Deus para testar corações.

José necessitava do arranjo com Benjamin para que os irmãos se arrependessem e fossem transformados –mas o teste dos irmãos foi possível apenas porque o amor de José por Benjamin estava oculto deles–. Sem exceção, cada irmão tinha de ser mantido no escuro em relação ao amor infinito que este poderoso governador sentia por seu irmão mais novo. Somente fazendo assim a verdadeira atitude deles para com ele poderia ser determinada. Da mesma forma, todos os que receberam a salvação graças a Israel sendo “inimigos por causa (deles)”, hoje estão sendo testados por Israel. A atitude das nações para com Israel pode ser medida, porque, no nível das circunstâncias visíveis, nada as está obrigando a acreditar que Deus ama Seu povo. Nem é preciso dizer que aqueles que sabem que Deus ama Israel podem encontrar confirmações bastante visíveis deste amor. No entanto, os inumeráveis fatos trágicos da nossa história também estão ao serviço daqueles que afirmam que Deus rejeitou Seu povo. Como sempre, Deus dá a todos uma livre escolha: nesse caso, é a liberdade de escolher a atitude de alguém para com Benjamin/Israel.

Paradoxalmente, é por esta atitude que Ele julgará se as atitudes das nações para com Ele são genuínas, e se elas são sinceras em sua adoração a Ele. Vocês se lembram da primeira conversa que José teve com seus irmãos? Os dez irmãos permanecem diante de José, curvando-se até o chão diante dele, e ele lhes diz: “Não, não falarei com vocês até vocês trazerem seu irmão mais novo”. Além disso, justamente por vocês o trazerem com vocês eu descobrirei se há alguma verdade em vocês –se vocês vieram a mim com sinceridade–. Desta forma, vocês serão testados:… tragam seu irmão… que suas palavras podem ser testadas para ver se há alguma verdade em vocês. Talvez os povos em pé diante do Seu trono ouvirão: “Tragam seu irmão –e verei se há alguma verdade em vocês?–”

E agora, voltando à questão mais importante: O que trouxe esta vez “como se” à sua conclusão; por que José não poderia se conter mais? Da última vez, falamos aqui sobre a divisão notável de porções da Torah: Parashat Shavua Miketz termina de repente no meio do capítulo 44, para dar lugar a uma nova Parasha, VeYigash. Assim, o fluxo deste capítulo, completamente ininterrupto nas traduções, quebra no meio do capítulo para um leitor do Hebraico. Há  uma quebra, uma pausa, algo importante está para acontecer –e então lemos a primeira frase da próxima Porção–, VeYigash: Então Judá se aproximou dele[2]  É aqui, na VeYigash, após a mudança de Judá e o discurso de Judá, que José se revela a seus irmãos.

Vamos dizer algumas palavras sobre Judá: afinal ele tem sido um participante chave ao longo de toda esta história. Sua voz é decisiva toda vez que algo está para acontecer: é de acordo com sua sugestão que José é  vendido para o Egito; é depois de suas palavras que Jacó/Israel libera Benjamin para ir ao Egito; e é depois de seu discurso que José já não pode se conter e revela sua identidade. Entre todos os irmãos, Judá parece ter um papel proeminente e uma autoridade extraordinária. Então quem ele representa?

Todos sabemos que tanto o Rei Davi quanto Jesus eram descendentes de Judá. Você também deve saber que o nome Hebraico de Judá, Yehudah (יהודה), pode ser traduzido literalmente como “ação de graças” ou “louvor”: o verbo lehodot (להודות) significa “agradecer” ou “louvar”, e o nome Hebraico Yehudah é a forma substantiva desta raiz  (ידה). No entanto, poucos estão conscientes de que o verbo lehodot tem ainda outro significado: admitir, confessar. Por exemplo, Vidui, o nome Hebraico de uma prece especial de confissão lida antes e durante o Yom Kippur (Dia da Expiação), vem da mesma raiz. Não há dúvida de que este aspecto de ‘confissão’ de Judá fornece uma importante percepção adicional em nossa história.

Tendo dito tudo isso, deixarei para vocês decidirem quem é representado por Judá no cenário do fim dos tempos. Como na história de José, o  reconhecimento do não reconhecido será possível somente após o teste ser concluído. Todas as nações serão testadas com o que é mais próximo e mais querido ao coração de Deus –como em nossa história–, todos os irmãos têm que estar prontos para retornar com Benjamim e novamente adar por todo o caminho. No entanto, para que José libere suas lágrimas ‘contidas’, deve haver Judá que estará pronto para intervir e aproximar-se de José: Veyigash. Quando Judá, e aqueles que são representados por ele, estão finalmente dispostos a dar suas vidas por este irmão, só então José permite que suas lágrimas contidas fluam –e só então o Messias– filho de José se revela a seus irmãos, caindo sobre o pescoço de “Benjamin” e chorando.[3]

 

 

 

 

 

 

 

 

[1] Gênesis 43:31

[2] Gênesis 44:18

[3] Os paralelos entre a história de José e Benjamin e o plano de Deus com Israel, são explorados no meu livro “If you are Son of God…” Você pode encontrar este livro (e outros livros meus) em meu site readjuliablum.com

About the author

Julia BlumJulia is a teacher and an author of several books on biblical topics. She teaches two biblical courses at the Israel Institute of Biblical Studies, “Discovering the Hebrew Bible” and “Jewish Background of the New Testament”, and writes Hebrew insights for these courses.

You might also be interested in:

Abraão No Egito (lech Lecha -2)

By Julia Blum

Lech Lecha – O Chamado De...

By Julia Blum

Join the conversation (2 comments)

Deixe uma resposta

  1. JOSÉ BARBOSA DE REZENDE

    Porque eu sei que Adonai ama Israel da maneira mais profunda, eu também amo a Israel. Não sou judeu, a nação de Israel é considerada a esposa do Pai, eu pertenço a Igreja que é a noiva do Filho. Sei perfeitamente o quanto Israel entristeceu o coração de Adonai, através de toda a sua história no Primeiro como no Segundo Testamento. Poucas vezes Israel foi fiel a Adonai, culminando com a sua cegueira em não consultar as Escrituras e reconhecer que o Senhor Jesus era o Messias. Sei que Israel é a menina dos olhos de Deus, não adianta ninguém ir contra Israel, Adonai ama Israel. Quero com estas poucas palavras dizer que Israel é Israel, Igreja é Igreja. O ETERNO tem plano para os dois.O que mais me entristece é saber que no final da GT a menor parte do povo judeu vai reconhecer que JESUS é o MESSIAS e somente esses entrarão para o Milênio.SHALOM

    1. Eric de Jesús Rodríguez Mendoza

      BS”D

      Ele fiz dos duos um só pobo, nao esquezer… a igreja tem um nome e o nome é Israel.