Mudança Dos Corações: Málaj Panáv

Da última vez, vimos o povo de Israel trazendo doações extremamente generosas para a construção do tabernáculo. Como diz um dos Midrashím, «”eles vieram tanto homens como mulheres”; isto é, em sua ânsia, pressionaram-se um contra o outro. Os homens e mulheres vieram como uma grande multidão quando trouxeram seus presentes …».[1] Questionamos como poderia ser que as mesmas pessoas que tão recentemente expressaram uma terrível falta de fé na história do bezerro de ouro, agora pareciam  estar completamente renovadas, com seus corações doces, abertos e sensíveis. O que aconteceu entre o bezerro de ouro e o tabernáculo? O que tinha mudado o coração do povo de Israel?

Para encontrar uma resposta, temos que entender o que aconteceu entre esses dois episódios, precisamos procurar uma resposta na porção anterior da Torá, Kí Tisá. Muita coisa aconteceu durante esta porção, e ouvimos muito sobre o bezerro de ouro, sobre a ira de Moisés e de Deus, sobre tábuas quebradas. Tudo isso acontece no Capítulo 32. Então entramos no Capítulo 33, que descreve eventos que aconteceram logo depois disso, logo após o incidente do bezerro de ouro e as tábuas quebradas por Moisés. No final do capítulo anterior, vimos Moisés intercedendo pelo povo e conseguindo convencer Deus a perdoar Israel. Já no início deste capítulo, ele recebe a confirmação de Deus: Sim, Ele permitirá que Moisés continue sua missão de conduzir o povo de Israel à terra prometida, a terra que mana leite e mel. No entanto, em suas palavras ainda podemos ouvir o eco de sua ira recente. Enquanto ordena que Moisés e Israel partissem para a terra, Deus diz: «Sobe para uma terra que mana leite e mel; eu não subirei no meio de ti, porque és povo de dura cerviz, para que te não consuma eu no caminho».[2]

Bem, esta parece ser uma afirmação definitiva, completamente clara e esperada, completamente justa depois do terrível pecado que o povo de Israel havia cometido. Na verdade, este é o próprio assunto desta porção da Torá é tudo sobre isso, sobre a santidade de Deus e como Ele e sua presença não podem, de forma alguma, habitar com um povo pecador: «eu não subirei no meio de ti…».

Contudo, quão grande deve ser a surpresa do leitor, quando apenas alguns versículos depois lemos, e Ele disse: «Minha presença irá contigo, e eu te darei descanso».[3] Como poderia ser? Sabemos que «Ele não é um homem para mudar de ideia»[4] então o que pode explicar essa mudança aparentemente contraditória e repentina de sua decisão?

Na maioria das traduções, esses dois versículos aparentemente contraditórios de Êxodo 33 são traduzidos com palavras semelhantes: «Eu não subirei no meio de ti»[5] e «Eu irei com vocês e lhes darei descanso».[6] Mas não é assim em Hebraico: no versículo 3 Deus diz: «Não subirei no meio de ti», enquanto no versículo 14 Ele diz: «Meu rosto irá com você». Se lembrarmos que antes disso, o Senhor prometeu enviar seu anjo: «Enviarei o anjo diante de ti»,[7] e «Eis que eu envio um anjo diante de ti, para que te guarde pelo caminho, e te leve ao lugar que tenho preparado»[8] então chegamos ao anjo de seu rosto —Málaj Panáv—. Quem é esse anjo?

Na íntegra, este nome ocorre em apenas um lugar, no livro de Isaías: «Em toda angustia deles foi ele angustiado, e o anjo da sua presença (Málaj Panáv) os salvou: pelo seu amor, e pela sua compaixão ele os remiu, os tomou  e os conduziu todos os dias da antiguidade».[9] No entanto, existem vários casos na Bíblia Hebraica onde vemos este anjo especial da presença de Deus, que fala em nome de Deus e entrega sua mensagem. Este anjo fala na primeira pessoa como se fosse Deus; apresenta-se perante o povo na forma de um homem, e depois de conhecê-lo, as pessoas percebem que viram a Deus, mas suas vidas foram poupadas. Nós o vemos em Gênesis 18 falando com Abraão, em Gênesis 22 parando Abraão no Monte Moriá, e em Gênesis 32 lutando com Jacó em Peniél; no livro de Josué, ele é o comandante do exército do Senhor que encarrega Josué para travar as batalhas pela terra; nós o vemos conversando com Gideão e aparecendo diante dos pais de Sansão. «O anjo do SENHOR» cumpre os deveres sacerdotais de reconciliação. «O anjo do SENHOR» tem autoridade até para perdoar pecados.[10] E é ele que encontramos aqui também, Deus está enviando o anjo de seu rosto para liderar Israel!

Historicamente, a tradição Cristã tem entendido principalmente este anjo como o Jesus pré-encarnado. Por outro lado, o Judaísmo Rabínico deu a este anjo um nome Judaico-Grego, «Metatrón» (מֵטַטְרוֹןMetatrón), que significa «o próximo ao trono» (compilado de duas palavras Gregas (μετὰ; meta) y (θρóνος; thronos). Os sábios Judeus explicam: «Este é [o anjo] Metatrón, cujo nome é como o nome de seu Mestre: O valor numérico de מֵטַטְרוֹן [314] é igual ao de שַׁדַּי [314][11]. O fato importante, no entanto, é que o que quer que pensemos sobre esse anjo do Senhor, ele liderando Israel, tornou-se um divisor de águas, como diríamos hoje. Sua presença mudou completamente os corações do povo de Israel! Somente sua presença pode explicar a incrível transformação que testemunhamos entre as porções da Torá, Kí Tisá e Vayakhél, quando as pessoas que recentemente mostraram uma terrível falta de fé, foram completamente renovadas e mudadas. Somente sua presença pode explicar esta incrível transformação do bezerro de ouro para o mishkán e acredito que este seja um dos mistérios mais profundos e esquecidos de Israel.

Não posso terminar este artigo sobre Málaj Panáv sem dizer uma última coisa: esta promessa incrível de sua presença foi dada a Israel, em primeiro lugar. O anjo especial foi enviado com seu povo, e desde então sua presença tem ido com Israel. Vocês percebem o que isso realmente significa? Ao longo de todos estes séculos, através de toda a dor e sofrimento que suportamos, os pogroms, guetos, campos de concentração, todos aqueles horríveis períodos de completa solidão e miséria, quando para todos, incluindo nós mesmos, parecíamos estar totalmente abandonados, na realidade, não estávamos sozinhos, o Senhor tem caminhado conosco! «Em toda angustia deles foi Ele angustiado, e o anjo da sua presença (Málaj Panáv) os salvou». 

[1] Tanchuma, P’kudei 11:2

[2] Êxodo 33:3.

[3] Êxodo 33:14.

[4] 1 Samuel 15:29.

[5] Êxodo 33:3.

[6] Êxodo 33:14.

[7] Êxodo33:2.

[8] Êxodo 23:20.

[9] Isaias  63:9.

[10] Êxodo 23:20-21.

[11] Sanh. 38b

 

Gostaria de lembrá-los, queridos amigosque oferecemos cursos maravilhosos e os convidamos a estudar juntos as Escrituras Hebraicas ou o Contexto Judaico do Novo Testamento. Como sempre, vocês podem entrar em contato comigo para obter mais informações. Além disso, trechos de meus livros estão incluídos neste artigo (e muitos artigos neste blog), então se 
vocês gostarem do artigo, poderão gostar também dos livros, vocês podem obtê-los aqui.

 

About the author

Julia BlumJulia is a teacher and an author of several books on biblical topics. She teaches two biblical courses at the Israel Institute of Biblical Studies, “Discovering the Hebrew Bible” and “Jewish Background of the New Testament”, and writes Hebrew insights for these courses.

You might also be interested in:

De Jerusalém A Roma: Paulo E O...

Por Julia Blum

De Jerusalém A Roma: Judeus E...

Por Julia Blum

Join the conversation (No comments yet)

Deixe uma resposta