Perguntas Difíceis (2)

Gostaria de lembrá-los, meus caros leitores, que ainda não terminamos nossa discussão da alegoria de Paulo de Gálatas. Antes de mais nada, vamos ler novamente o texto de Paulo:

22 «Pois está escrito que Abraão teve dois filhos, um da mulher escrava, e outro da livre.23 Mas o da escrava nasceu segundo a carne, o da livre, mediante a promessa 24 estas coisas são alegóricas: porque estas mulheres são duas alianças: uma na verdade, se refere ao Monte Sinai que gera para escravidão; esta é Hagar. 25 Ora, Hagar é o Monte Sinai na Arábia, e corresponde à Jerusalém atual que está em escravidão com seus filhos. Mas a Jerusalém lá de cima é livre, a qual é nossa  mãe».

Há duas semanas, começamos a abordar as questões difíceis que este texto levanta. Vocês se lembram de nossa resposta à primeira pergunta: Por que e como Hagar simboliza a Aliança do Sinai? A resposta foi baseada na posição completamente única de Hagar: ela é a única mulher na Bíblia com quem o Senhor falou duas vezes! Se sabemos que Hagar não é um símbolo negativo, então a mensagem de Paulo pode ser muito diferente de como é normalmente interpretada. Na verdade, ele pode estar dizendo que, uma vez que Hagar ocupa um lugar tão especial e único na história do Senhor e no coração do Senhor, e uma vez que ela nunca foi substituída por mais ninguém neste lugar, a aliança do Sinai simbolizada por Hagar também ocupa um lugar muito especial e único no plano de Deus, e não deve ser substituída por outra.

No entanto, há outra questão que muitos tropeçam —a questão da escravidão—. Se o próprio Deus redimiu seu povo da escravidão: «Eu sou o SENHOR teu Deus, que te tirei do Egito, da terra da escravidão»,[1] como poderia toda a sua existência sob a Torá ser alegorizada pela escravidão? Esta é a questão que tentaremos responder hoje!

Por que e como a Aliança do Monte Sinai dá origem à «escravidão»?

Continuaremos a explorar a imagem de Hagar porque estou convencida de que Hagar é a chave para a alegoria de Paulo. Lembrem-se de que Paulo (Shaul) foi educado nas Escrituras, ele as estudou toda a sua vida e, portanto, havia coisas que eram óbvias para ele, mas não seriam tão óbvias para o leitor Cristão comum que raramente abre o Antigo Testamento. É claro que, como escrava, Hagar de fato representa escravidão. No entanto, o status de Hagar como escrava não tinha nada a ver com ela como pessoa. Ela era uma imagem positiva, que por acaso estava em uma situação negativa. Sua escravidão não fazia parte de quem ela era, mas sim de suas circunstâncias, parte da situação em que ela se encontrava.

Ao conectar a Aliança do Sinai a Hagar, Paulo parece dizer que, de maneira semelhante, a Aliança do Sinai era algo positivo em uma situação negativa. A escravidão não fazia parte da aliança em si; antes, era parte da situação em que a aliança foi estabelecida. Segundo Paulo, a «escravidão» fazia parte da condição do povo naquele momento (antes de Jesus). Não vou elaborar muito sobre os conceitos de liberdade e escravidão nos escritos de Paulo (muitos livros teológicos escritos sobre o tema e acho que não deveria ou poderia acrescentar algo ao que já foi escrito). No entanto, de uma forma muito simplificada, a «escravidão» para Paulo significa a maneira como vivemos aqui nesta terra —de uma forma não redimida e corrupta—. É a «escravidão» da corrupção, a «escravidão» de nossa carne não redimida. É por isso que, de acordo com Paulo, Deus teve que enviar «seu próprio Filho em semelhança de carne pecaminosa»:[2] para que pudéssemos receber a liberdade, para que nossa carne pudesse ser redimida e libertada desta escravidão. Uma vez que a Aliança do Sinai estava em vigor muito antes da vinda de Jesus, tratava de pessoas não redimidas e carne não redimida, portanto, lidava com pessoas que estavam em escravidão.

De volta a Hagar e Ismael: Agora estamos prontos para descobrir coisas ainda mais surpreendentes através desta alegoria. Ismael foi o primogênito de Abraão. Para Abraão ter um filho aos 86 anos foi, por si só, absolutamente incrível; e, no entanto, isso era apenas o começo. Deus tinha que continuar com seu plano. Quando Isaque nasceu, em certo sentido ele completou o processo de redenção de Ismael: Ismael foi libertado de sua escravidão. Ismael tornou-se um homem livre somente depois que Isaque nasceu. Por mais paradoxal e inesperado que pareça para quem conhece a história, Hagar e Ismael deixaram de ser escravos somente «após» eles saíram de casa —eles só receberam a liberdade depois de serem banidos—. Pensem nisso: para se tornarem livres, Hagar e Ismael precisavam que Sara e Abraão os deixassem ir. Não aconteceu através das circunstâncias mais agradáveis ou fáceis, mas, no entanto, aconteceu: Hagar e Ismael ficaram livres. Deus os trouxe para sua liberdade, para a plenitude do destino deles, somente após o nascimento de Isaque.

Assim, quando Paulo cita as palavras de Sara: «Expulsa a escrava e seu filho», essas palavras, em certo sentido, também podem ser lidas como «liberta-os», porque Hagar e Ismael ficaram livres somente depois que foram expulsos. Eles não se tornariam livres se tivessem permanecido. Nesse sentido, mandá-los embora foi liberá-los para a liberdade —para seu verdadeiro destino—. O verbo Grego, ekballo, que Paulo usa aqui, entre suas outras definições, pode significar isso: «fazer uma coisa se mover diretamente em direção ao seu objetivo pretendido». Por exemplo, a mesma palavra ocorre em Marcos 1:12 e se refere à ida de Jesus para o deserto: «Imediatamente o Espírito o levou ao deserto». O Espírito o move diretamente para o objetivo pretendido. Acho que é exatamente isto que Paulo quer dizer aqui: «Mande-os embora para o seu objetivo pretendido», para que possam ser livres, para que possam se tornar quem eles sempre estiveram destinados a se tornar.

Vamos resumir agora: a chegada de Isaque fez com que Hagar e Ismael deixassem de ser escravos e entrassem na liberdade; eles ainda eram os mesmos Hagar e Ismael, mas agora estavam livres.

De acordo com essa alegoria, a chegada de Jesus significava que a Aliança do Sinai poderia se mover «diretamente ao seu objetivo pretendido». Por muito tempo, Ismael era apenas um filho na família de Abraão —e por muito tempo a Aliança do Sinai era a única aliança que existia— mas sabemos que a história tinha que continuar. Sabemos que, desde o início, Deus previu tanto Isaque nascendo na família de Abraão, quanto Jesus nascendo neste mundo, não para substituir, mas para ajudar o mais velho a entrar em seu verdadeiro destino!

 

[1] Êxodo 20:2.

[2] Romanos 8:3.

 

Trechos do meu livro «Abraham had two sons» estão incluídos neste artigo, então se vocês gostarem do artigo, vocês também podem gostar do livro, vocês podem obtê-lo aqui.

Além disso, se este blog despertar seu interesse por aprender mais sobre suas raízes Judaicas, gostaria de lembrá-los que oferecemos um curso maravilhoso, «Antecedentes Judaicos do Novo Testamento». Como sempre, ficaria feliz em fornecer mais informações (e também um desconto de professor para os novos alunos) em relação aos maravilhosos cursos da eTeacher (juliab@eteachergroup.com).

 

About the author

Julia BlumJulia is a teacher and an author of several books on biblical topics. She teaches two biblical courses at the Israel Institute of Biblical Studies, “Discovering the Hebrew Bible” and “Jewish Background of the New Testament”, and writes Hebrew insights for these courses.

You might also be interested in:

De Jerusalém A Roma: Paulo E O...

Por Julia Blum

De Jerusalém A Roma: Judeus E...

Por Julia Blum

Join the conversation (No comments yet)

Deixe uma resposta