Reflexões Do Novo Testamento:vayishláj

Na porção da Torá anterior, vimos Jacó fugindo da ira de seu irmão. Agora o vemos retornando à terra mas, para assegurar o futuro, Jacó precisa enfrentar o passado: ele deve se reconciliar com Esaú. Vinte anos se passaram, muitas coisas mudaram e todas as circunstâncias externas da vida de Jacó foram dramaticamente transformadas, mas parece que a transformação mais importante aos olhos de Deus é a transformação do seu coração, e o critério mais claro para essa transformação é o sua reconciliação com seu irmão assim como no Novo Testamento: «Pois quem não ama a seu irmão e irmã, a quem viu, não pode amar a Deus, a quem não viu».[1] É extremamente significativo, portanto, que, como Jacó vai enfrentar esse maior desafio de sua vida, ele também tenha a intervenção mais importante de Deus em sua vida. O encontro que Jacó teve em Peniel é uma cena absolutamente única em toda a Bíblia, e é durante esse encontro que Jacó se torna Israel. Somente após esse encontro Jacó poderá obter uma verdadeira reconciliação com seu irmão —«Primeiro, reconcilie-se com seu irmão e depois venha e ofereça a sua oferta»—.[2]

Essa conexão com a ênfase do Novo Testamento na reconciliação se torna ainda mais evidente quando lemos esta porção em Hebraico. Em Gênesis 33, após o incrível encontro  com seu irmão Esaú o encontro que foi muito melhor do que todos esperavamJacó diz palavras estranhas a Esaú, indicando que, para ele, ver a cara de Esaú era «como ver a cara  de Deus» רָאִיתִי פָנֶיךָ כִּרְאֹת פְּנֵי אֱלֹהִים. Essa frase vem no final do encontro deles, quando o perigo está claramente acabado, e deixa um leitor confuso e perplexo: Por que Jacó diria isso? É pura bajulação, ou há mais do que isso?

Em Português, essas palavras vem meio inesperadamente. No entanto, em Hebraico, a ideia de paním  («cara») é certamente um dos principais motivos de toda a narrativa do retorno de Jacó à terra. A raiz פָּנִים  (paním) e as palavras derivadas dessa raiz aparecem muitas vezes nos versículos Hebraicos que precedem o encontro dos irmãos ( Gênesis 32: 17-21 ). Para entender a diferença entre os textos Hebraico e Português, leiam, por exemplo, Gênesis 32:20 «…Ele pensou: “Eu o aplacarei com esses presentes que enviarei na frente; mais tarde, quando  eu o ver, talvez ele me receberá”». A palabra «cara» não é usada nesta tradução[3] nim uma vez (e em muitas outras tampouco), enquanto em Hebraico, somente neste versículo, a palavra paním  aparece 4 vezes. Isso cria uma questão e nos prepara para o nome Peniel   (פְּנִיאֵל) —«cara de Deus»—, o lugar da luta de Jacó e do encontro com Deus. Foi lá, em Peniel, que Jacó viu Deus «cara a cara» (daí o nome do lugar); e foi lá, em Peniel, que não somente o nome de Jacó, mas também seu coração, foi mudado. É por isso que esse encontro fatídico entre os irmãos foi completamente diferente de como todos pensavam que seria: «Então  Esaú correu-lhe ao encontro e o abraçou; arrojou-se-lhe ao pescoço, e o beijou; e choraram».[4] Há pouca dúvida de que este não era o plano original de Esaú. Ele estava se aproximando de Jacó com 400 homens —o que certamente não comunicava intenções pacíficas—; ele não precisava de 400 homens para chorar no pescoço do irmão. No entanto, tudo mudou em um instante —e essa mudança aconteceu porque foi Israel, não Jacó, que Esaú encontrou—. Esaú esperava ver o irmão arrogante e autoconfiante que sempre o desprezava; em vez disso, viu um homem humilde e arrependido, mancando e curvando-se humildemente diante dele. A mudança foi dramática, e Esaú sentiu essa mudança imediatamente e correu para beijar esse novo irmão.

Mas há algo mais que podemos ver na história de Jacó quando a lemos em Hebraico. Vocês provavelmente se lembram da «Escada de Jacó» da última porção da Torá, e de seu sonho no caminho de Beer-Sheba para Harã. Se voltarmos a Gênesis 28 e lermos este capítulo em Hebraico, descobriremos que, quase tantas vezes quantas a palabra «cara» aparece no capítulo 33, o termo מָקוֹם (makóm) «lugar» aparece aqui, no capítulo 28. Lembrem-se que aqui Jacó estava a caminho do exílio e prestes a deixar a terra. Esse encontro com Deus no sonho provavelmente aconteceu durante sua última noite na terra e, até onde sabemos, foi a primeira vez que Deus falou pessoalmente a Jacó. Quando ele acordou do sono, pensou: «Certamente o SENHOR está neste lugar, e eu não estava ciente disso. Ele ficou com medo e disse: “Quão incrível é este lugar. Este não é outro lugar senão a casa de Deus; este é o portão do céu”».[5] Portanto, vemos claramente que, neste ponto, todo o novo conceito de Deus de Jacó se liga a «esse lugar».

Vinte anos se passaram muitas coisas aconteceram e muitas mudanças ocorreram durante esses anos. Jacó agora é um grande homem que é abençoado por Deus com as bênçãos de Abraão: ele é o pai de uma família numerosa e agora está retornando à terra. No final do capítulo 32, ele está prestes a entrar novamente na terra e então, em sua última noite fora da terra, ele tem um incrível encontro de «luta» com Deus (a propósito, como em seu sonho, vinte anos antes, esse encontro é absolutamente único em toda a Bíblia). De manhã, «Jacó chamou o lugar de Peniel, dizendo: “É porque vi Deus cara a cara, e ainda assim minha vida foi poupada».[6]

Esses dois encontros com Deus quando Jacó está deixando a terra e quando está retornandoformam um «inclusio» literário peculiar: tudo o que acontece com ele no exílio acontece entre esses encontros. No entanto, não é apenas uma linha reta entre esses encontros: dentro desses «colchetes» divinos, vemos uma linda progressão que não queremos perder a progressão da fé de Jacó, a progressão de seu conhecimento de Deus, a progressão da revelaçãodo lugar de Deus para a cara de Deus! Jacó levou vinte anos e, sem dúvida, ele esteve mudando ao longo desses anos; no entanto, foi somente quando viu o cara de Deus em Peniel que ele foi completamente transformado e se tornou verdadeiramente humilde e arrependido. Só então ele foi capaz de se reconciliar com seu inimigo/irmão, porque somente depois disso ele pôde ver a cara de Deus em Esaú: «Eu vejo sua cara como alguém vê a cara de Deus».

 

 

 

[1] 1 João 4:20.

[2] Mateus 5:24.

[3] Nova Versão Internacional.

[4] Gênesis 33:4.

[5] Gênesis 28:16,17.

[6] Gênesis 32:31.

About the author

Julia BlumJulia is a teacher and an author of several books on biblical topics. She teaches two biblical courses at the Israel Institute of Biblical Studies, “Discovering the Hebrew Bible” and “Jewish Background of the New Testament”, and writes Hebrew insights for these courses.

You might also be interested in:

E A Praga Foi Interrompida…

Por Julia Blum

Começos (10): Gênesis 3

Por Julia Blum

Join the conversation (No comments yet)

Deixe uma resposta