Retratos BÍblicos: Rebeca (5)

A questão

No último post, falamos sobre a frase:  שְׁנֵי גֹיִים בְּבִטְנֵךְ —Duas nações estão em seu ventre— da profecia que o Senhor deu à Rebeca quando ela ainda estava grávida.Eu mencionei que esta frase tem sido usada várias vezes em nossa história para definir a relação do povo de Israel com as nações ao seu redor. Israel Yuval, um Professor da Universidade Hebraica (e meu antigo professor, a propósito) escreveu um livro intitulado: “Duas nações estão em seu ventre”, sobre as percepções dos Judeus e Cristãos na Antiguidade Tardia e Idade Média —e recomendo imensamente este livro muito interessante—.

Já sabemos que, mesmo entre os patriarcas, a família de Isaque e Rebeca parece se destacar: Isaque foi o único patriarca monogâmico, fomos informados que ele amava sua esposa e orou por ela; além disso, este é o único caso de todas as três esposas estéreis onde a Escritura nos informa que Rebeca concebeu porque o Senhor respondeu a oração de Isaque, então eles pareciam ser um casal muito terno e amoroso, especialmente durante a primeira parte do seu casamento.

No entanto, todos conhecemos a história sobre o conflito de Jacó com seu irmão Esaú —e também sabemos que toda a história da vida de Jacó foi muito afetada, talvez até definida e determinada por esse conflito—. Além disso, mesmo que o exemplo dos dois irmãos percorra todo o livro de Gênesis, Jacó e Esaú —ao contrário de Isaque e Ismael, por exemplo, ou José e seus irmãos— tinham os mesmos pais (e pais amorosos, como já vimos). Então, como aconteceu esta terrível divisão entre os irmãos?

A Torá não fornece qualquer julgamento ou explicação sobre este conflito. Ela não justifica, não desculpa, não fornece nenhum comentário; apenas afirma os fatos: Isaque amava Esaú… mas Rebeca amava a Jacó [1] e resta-nos perguntar se esse favoritismo dos pais era a fonte original do conflito ou se os irmãos não vinham se dando bem mesmo antes de se tornar óbvio . É claro, no entanto, que o favoritismo dos pais desempenhou um papel muito importante no conflito dos irmãos —de outra forma a Escritura não nos informaria sobre isso—. Então vamos tentar responder a pergunta: por que esse favoritismo aconteceu e como começou? Por que Isaque ama Esaú? Por que Rebeca ama Jacó?

As origens diferentes

Já mencionei um maravilhoso livro de Israel Yuval. Entre outras coisas, suas respostas a essas questões e suas análises sobre as personalidades de Isaque e Rebeca são muito diferentes e para mim, pessoalmente, tornaram-se realmente reveladoras. Eu usarei algumas de suas análises aqui neste artigo.

Para entender a história dos gêmeos, falemos por um momento sobre a origem dos pais —de Isaque e Rebeca—. Antes de tudo, Isaque é “sabra”, como se diria hoje: ele nasceu na Terra, e ele é o único dos patriarcas que nunca esteve fora da Terra (nunca foi bahul, como se diria em Hebraico hoje). Ele passeia pouco, e seguindo o mandamento de Deus não deixa a terra mesmo em tempo de fome.[2] Ele pertence a esta Terra e nisso, ele difere muito de sua mãe e seu pai: como sabemos, ambos vieram para a Terra em obediência ao chamado de Deus, o que significa que ambos eram imigrantes.

Isaque não somente nasceu na Terra e está completamente ligado à Terra, ele também trabalha na terra! Ele tenta algo que seu pai não tentou, e se torna o primeiro agricultor em sua família: ele semeia e colhe e é extremamente abençoado nisso.  “Então Isaque semeou naquela terra e colheu no mesmo ano a cem por um; e o SENHOR o abençoou”. [3] Isaque sempre foi “o homem da Terra” —mas, depois disso—, ele realmente se torna “o homem do campo“.

Rebeca, por outro lado, é uma imigrante nesta Terra, proveniente de uma cultura e origem completamente diferentes. Além disso, o mesmo versículo que nos informa sobre o amor de Isaque por Rebeca, também diz que “Isaque trouxe-a para a tenda de sua mãe Sara”.[4]  A partir daquele momento, o lugar de Rebeca foi na tenda de sua falecida sogra.

Como Israel Yuval escreve, essa tensão entre Isaque, o homem do campo, e Rebeca, oculta na tenda, é uma metáfora para o dualismo entre dois personagens e dois símbolos. “O campo é um cenário de quem vive e age na natureza, ao ar livre, enquanto a tenda é um símbolo de tranquilidade e isolamento. Assim, a diferença entre os pais define a cena para a diferença entre as crianças, os gêmeos que lutam um com o outro”.[5]

Para prosseguir, precisaremos aqui de algum Hebraico. Enquanto a maioria das traduções Inglesas chamam Esaú “um homem do ar livre“, o texto Hebraico o chama de “um homem do campo“: “Esaú era um caçador habilidoso, um homem do campo”.[6] É por isso que Isaque amava Esaú: embora eles provavelmente não tivessem personalidades muito parecidas, ambos eram “homens do campo“: ambos amavam estar na natureza e é muito provável que eles passassem muito tempo juntos ao ar livre. “Oh , o cheiro de meu filho é como o cheiro de um campo que o SENHOR abençoou”.[7]

Por outro lado, a mãe, que ficava sentada na tenda, provavelmente passava muito tempo com Jacó, que era “um homem tranquilo, morando em tendas”.[8] Assim, Isaque teve esse vínculo especial com Esaú, enquanto Rebeca estava muito mais ligada com Jacó. “Isaque amava Esaú… mas Rebeca amava Jacó”. [9] As Escrituras se referem a Esaú como o “filho mais velho” de Isaque,[10] enquanto Jacó simplesmente é chamado de “filho” de Rebeca.[11]

Da próxima vez, vamos discutir a famosa história da trama de Rebeca e “a bênção roubada” e, assim, concluiremos esta série. Eu realmente espero que esses artigos tenham ajudado vocês a entenderem melhor esta notável mulher de fé.

Continua…

[1] Gênesis 25:28
[2] Gênesis 26:2
[3] Gênesis 26:12
[4] Gênesis 24:67
[5] Israel Yuval, Two nations in your womb, p. 32
[6] Gênesis 25:27
[7] Gênesis 27:27
[8] Gênesis 25:27
[9] Gênesis 25:28
[10] Gênesis 27:1
[11] Gênesis 27:6

 

About the author

Julia BlumJulia is a teacher and an author of several books on biblical topics. She teaches two biblical courses at the Israel Institute of Biblical Studies, “Discovering the Hebrew Bible” and “Jewish Background of the New Testament”, and writes Hebrew insights for these courses.

You might also be interested in:

Lech Lecha – O Chamado De...

By Julia Blum

Noé – Uma Maravilhosa...

By Julia Blum

Join the conversation (No comments yet)

Deixe uma resposta