Retratos Bíblicos: Sara – O Encontro Egípcio

Por causa de Sara

Da última vez, vimos uma mulher estéril obediente e silenciosamente seguindo seu marido errante. Lembramos que Abrão, com 75 anos de idade, fez algo incrível: «quando chamado para ir, ele… obedeceu e foi, mesmo que ele não soubesse onde ele estava indo».[1] Ele esperava algum tipo de recompensa por essa incrível obediência —por essa ação verdadeiramente notável?— Eu suponho que pelo menos sua esposa esperava. Em vez disso, a primeira coisa que os recepcionou em sua chegada foi uma fome. Com todo o respeito à matriarca bíblica, posso imaginar que Sarai perguntou ao marido mais de uma vez: «Por quê? Por favor, lembre-me exatamente por que viemos aqui? Por que deixamos nossa vida confortável e estabelecida em Harã e viemos aqui para morar em tendas, para vagar de lugar em lugar e agora para morrer de fome?» Abrão teve uma revelação pessoal, um chamado pessoal de Deus, e ele tinha uma forte fé; Sarai não teve nada disso, e posso imaginar que, para ela, essas dificuldades que «recompensaram»suas mudanças sem precedentes teriam parecido especialmente despropositadas, mesmo injustas. É preciso ter um relacionamento genuíno com Deus para poder viver pela fé e ter certeza «das coisas não vistas»Sarai precisava experimentar primeiro o amor de Deus; só então ela seria capaz de viver sua vida por amor a Ele. Com toda honestidade, acredito que esta é a principal razão pela qual Deus permitiu que o terrível episódio Egípcio fizesse parte da história de Abraão: por causa de Sara.

Egito

Ao desenhar o retrato bíblico de Abraão, ficamos perplexos quando tentamos entender o comportamento de Abraão durante esse «episódio egípcio». No entanto, ficamos apenas surpresos quando se trata de Sarai. O que aconteceu entre o marido e a esposa no caminho até lá? Por que ela ficou absolutamente passiva durante toda a história? Ela foi informada por Abrão para dizer que ela era sua irmã; ela foi levada para a casa do faraó, e ela claramente se tornou alvo da atenção e flerte do faraó. E ainda assim, durante todo esse tempo, não ouvimos uma única palavra dela. Como ela reagiu quando o marido, o amor de sua vida, por medo de sua própria vida, pediu-lhe para fingir ser sua irmã? Como uma mulher reagiria se um dia seu amado lhe dissesse:

«Ora bem sei que és mulher de formosa aparência; os Egípcios quando te virem, vão dizer: É a mulher dele, e me matarão, deixando-te com vida. Dize, pois que és minha irmã, para que me considerem por amor de ti e, por tua causa, me conservem a vida».[2]

Sarai ficou ofendida? Chateada? Furiosa? Desapontada? Quaisquer que fossem suas emoções, quaisquer que fossem as tempestades que sacudiam seu coração, exteriormente ela permanecia absolutamente silenciosa —não ouvimos nada dela ao longo de toda a história—. Tudo correu exatamente como Abrão havia planejado:

«Tendo Abrão entrado no Egito, viram os Egípcios que a mulher era sobremaneira formosa. Viram-na os príncipes de Faraó e gabaram-na junto dele, e a mulher foi levada para a casa de Faraó. Este, por causa dela, tratou bem a Abrão».[3] 

Não apenas seu marido falhou em protegê-la, ele realmente a usou para salvar sua vida e enriquecer: «Ele veio a ter ovelhas, bois, jumentos, escravos e escravas, jumentas e camelos»Isso seria uma ofensa incrível para qualquer mulher, e acho que deve ter sido uma ofensa incrível para Sara também —ainda mais se nos lembrarmos do significado do nome «Sarai»: minha princesa (שרי)—. Pensem nisso: não só Abrão deixou de proteger «sua princesa», mas ele nunca tentou!

O clímax da história Egípcia acontece quando o próprio Deus salva Sarai do faraó: «Porém o Senhor puniu faraó e sua casa com grandes pragas, por causa de Sarai, mulher de Abrão».[4] Este versículo curto e vago representa um convite aberto para o preenchimento, e de fato, não há escassez de comentários midrashic sobre este versículo. No entanto, a própria Escritura não especifica o que aconteceu lá, ou exatamente como o faraó percebeu que todas aquelas «grandes pragas eram por causa de Sara, a esposa de Abrão»Tudo o que sabemos é que, de alguma forma, provavelmente pela intervenção direta e revelação de Deus em um sonho, o faraó percebeu: «Chamou, pois, Faraó a Abrão e lhe disse: “Que é isto que me fizeste? Por que não me disseste que era ela tua mulher? E me disseste ser tua irmã? Por isso a tomei para ser minha mulher. Agora pois, eis a tua mulher, toma-a e vai-te”».[5]

Eu pessoalmente acredito que a partir deste momento, Deus se torna a principal paixão da vida de Sarai. Sua fé, sua confiança e sua crença em Sua compaixão e Sua onipotência —tudo isso nasceu de seu sofrimento no Egito, quando o próprio Deus intercedeu por ela—. Quando falamos de Abrão, dissemos que o «episódio Egípcio» foi incalculável porque aprendemos muitas coisas importantes sobre Abraão. A história é ainda mais incomensurável em relação a Sarai, quando consideramos o que aprendemos sobre ela. Eu acredito que a fé de Sarai nasceu no Egito. Eu acho que quando ela seguiu Abrão no capítulo 12, ela estava apenas agindo como uma esposa obediente (tanto mais que se sentia culpada, humilhada e envergonhada por causa de sua esterilidade), mas eu acredito que no Egito, pela primeira vez em sua vida, ela teve um encontro pessoal com Deus. Ela experimentou por si mesma a verdade que o próprio Deus protege aqueles que são deixados sem a proteção humana, que «o Senhor executa retidão e justiça para todos os que são oprimidos».[6] Ele mesmo a salvou, e a gratidão, a esmagadora sensação de segurança e proteção, e o profundo conhecimento interior de que ela sempre poderia confiar nele, permaneceriam com ela para sempre. Daquele momento em diante, ela sabia que podia confiar em Deus completamente. Seu marido podia falhar com ela, como aconteceu no Egito, mas o Senhor nunca iria falhar com ela. É por isso que mais tarde, ela poderia dizer a Abraão: «Julgue o Senhor entre mim e ti»[7] porque ela sabia que poderia sempre confiar no seu julgamento. E de fato, repetidamente, o Senhor a apoiou em seus argumentos com Abraão, como veremos em breve.

[1] Hebreus 11:8.

[2] Gênesis 12:11-13.

[3] Gênesis 12:14-16.

[4] Gênesis 12:17.

[5] Gênesis 12:18,19.

[6] Salmos 103:6.

[7] Gênesis 16:5.

Trechos do meu  livro «Abraham had two sons» estão incluídos nesta série, vocês podem obter este livro e meus outros livros da minha página neste blog:   https://blog.israelbiblicalstudies.com/julia-blum/   . Além disso, meu novo livro «Unlocking the Scriptures» está disponível na Amazon: https://www.amazon.com/s?k=unlocking+the+scriptures+by+julia+blum&crid=2IHYED6W7ZVYI&sprefix=julia+blum+%2Caps%2C689&ref = nb_sb_ss_i_4_11

Se esses artigos despertarem seu interesse por descobrir os tesouros ocultos da Bíblia Hebraica, eu ficaria feliz em fornecer mais informações (e também um desconto de professor para novos alunos) em relação aos nossos maravilhosos cursos  (juliab@eteachergroup.com).

 

 

About the author

Julia BlumJulia is a teacher and an author of several books on biblical topics. She teaches two biblical courses at the Israel Institute of Biblical Studies, “Discovering the Hebrew Bible” and “Jewish Background of the New Testament”, and writes Hebrew insights for these courses.

You might also be interested in:

Retratos BÍblicos: Sara – O...

By Julia Blum

Retratos Bíblicos: Sara –...

By Julia Blum

Join the conversation (No comments yet)

Deixe uma resposta