Shanah Tova!

O que é Rosh Hashanah?

 

Rosh Hashanah (Hebraico: רֹאשׁ הַשָּׁנָה‎, “A Cabeça [do] Ano”), o Ano Novo Judaico é uma celebração de dois dias, que começa no primeiro dia do mês Judaico Tishrei (geralmente caindo em setembro). É o primeiro dos Maiores Dias Santos Judaicos (יָמִים נוֹרָאִים‎ Yamim Nora’im, literalmente “Dias [de] Reverência”) especificado em Levítico 23: 23-32. O nome bíblico para este feriado é Yom Teruah (יוֹם תְּרוּעָה‎), literalmente “dia de gritar/explodir”, uma vez que a Torá prescreve o som do shofar em Rosh HaShanah.

No Judaísmo, o dia em que celebramos como Rosh Hashanah —o primeiro dia de Tishrei— não é realmente o aniversário da Criação, é o aniversário do sexto dia da Criação, quando Adão e Eva foram criados. O aniversário do primeiro dia da Criação seria cinco dias antes, no vigésimo quinto dia de Elul; no entanto, de acordo com o entendimento Judaico, é somente quando o homem foi criado que toda a criação tornou-se significativa. “Tudo foi criado anteriormente, mas nada disso era digno de ser chamado o começo da obra de Deus até que o homem abriu os olhos para vê-lo, sua mente para compreendê-lo, seu coração para guiá-lo”.[1]

Na tradição Rabínica, o nascimento da humanidade acrescentou ao universo a possibilidade de Deus ser proclamado Rei. Portanto, a soberania de Deus e a realeza de Deus são os principais temas de Rosh Hashanah e os dez dias do Juízo que com ele se inicia. A oração “Avinu Malkeinu” (Nosso Pai, nosso Rei)  é recitada diariamente de Rosh Hashanah até o Yom Kippur.

Os costumes de Rosh Hashanah incluem participar dos serviços na sinagoga, soar o shofar e recitar liturgia especial—e, claro, desfrutar de refeições festivas e comer alimentos simbólicos, como maçãs mergulhadas no mel— esperando e desejando a todos Shanah Metuka —שנה מתוקה— Um Doce Ano Novo!

A cabeça e não a cauda

Um dos alimentos simbólicos (dificilmente o mais atraente) que é costume comer em Rosh HaShanah é a cabeça de um peixe. Antes de comer a cabeça, a seguinte benção é recitada: Que seja Sua vontade, nosso Deus e o Deus de nossos antepassados, que sejamos como a cabeça e não a cauda.

O que isso significa? Por que dizemos isso? Esta benção vem de Deuteronômio 28:13: “E o Senhor vos fará a cabeça e não a cauda; vocês estarão somente acima, e não estarão abaixo, se prestarem atenção aos mandamentos do Senhor seu Deus, que hoje eu ordeno, e sejam cuidadosos em observá-los”.[2]

Existem diferentes interpretações do significado desta benção. De acordo com Ramban, por exemplo, a bênção se refere ao status político externo da nação de Israel: eles “estarão sempre no topo e nunca no fundo” das outras nações. Por outro lado, havia rabinos que pensavam que a bênção era sobre a qualidade da liderança dentro do  povo de Israel.

A conclusão, no entanto, é que essa bênção se refere a todos. Deus quer que nós transformemos a realidade, para moldá-la, em vez de nos conformarmos e deixando – a nos moldar. O conceito de ‘cabeça’ indica excelência e coragem: a cabeça avança e conduz, enquanto a cauda apenas segue atrás dos outros.

Assim, quando se inicia o Ano Novo, que vocês possam ser a cabeça e não a cauda!

A leitura de Rosh Hashanah

Dois capítulos da Torá são lidos nas sinagogas durante o Rosh Hashanah. No passado, minha atenção sempre foi atraída pelo fato de que Gênesis 22, Akedah Itzhak, é lido a cada Ano Novo Judaico. É altamente significativo que, em cada Rosh Hashanah, cada Ano Novo, seja lida esta parte, Akedah, sobre o sacrifício de Isaque. Como escrevi em meu livro[3]: “o povo de Israel olha essa história com sentimentos mistos de medo e admiração, entendendo que ela de alguma forma tem significado para o destino deles”. Sem dúvida, a maioria dos meus leitores leu este capítulo várias vezes —a história do sacrifício de Isaque, Aqedah Itzhak, é de fato o centro e o auge da vida de Abraão—. Para mim, pessoalmente, Gênesis 22 sempre simbolizou o Sacrifício. O próprio capítulo parecia um ponto alto e solitário de obediência e fé sem precedentes e inimitável. Durante muitos anos, todos os capítulos em torno dele me pareciam muito menos significativos, menos importantes, quase vagos e nebulosos em comparação com esse ponto assustador, claramente visível contra o pano de fundo do céu, uma silhueta acentuada e escarpada com sua exigência assustadoramente clara. Assim, quando escrevi um livro sobre o mistério do sacrifício de Israel, foi baseado em Gênesis 22 e começou com reflexões sobre Gênesis 22.

Mas, há alguns anos atrás, quando escrevi outro livro, meu coração foi transpassado por uma percepção súbita: pela primeira vez eu percebi —embora, claro, na minha cabeça, eu sabia disso o tempo todo— que cada Ano Novo, também lemos Gênesis 21. No primeiro dia de Rosh Hashanah, antes da leitura de Isaque, lemos o capítulo anterior: Gênesis 21, a história do banimento de Ismael. O feriado de Rosh Hashanah consiste em dois dias, como alguns dos meus leitores devem saber, e estes dois capítulos são lidos, lado a lado, todos os anos. Na verdade, este é o único feriado Judaico que é celebrado durante dois dias tanto em Israel como fora de Israel, como se fosse dividido precisamente por esse motivo: um dia para cada capítulo. E, como sempre acontece, uma vez que vi, tornou-se tão claro: uma vez que foi feito, não poderia ser desfeito. De repente, o auge solitário de Gênesis 22 já não estava mais sozinho. O Auge de Gênesis 21 cresceu ao lado dele, quase tão alto e assustador quanto o Auge de Gênesis 22. Há duas histórias de sacrifício na vida de Abraão, não uma. Há dois sacrifícios no livro de Gênesis, não um, e hoje, em retrospectiva, reescreveria as frases que acabei de citar do meu livro: “É altamente significativo que em cada Rosh Hashanah cada Ano Novo, essas porções… sejam lidas”. Todos os anos, nosso povo olha de novo para aquelas histórias com sentimentos renovados de medo e admiração, “entendendo que de alguma forma têm significado para o destino deles”. Não tenho absolutamente nenhuma dúvida de que, de fato, ambos os capítulos e as duas histórias têm significado para o destino de Israel —e este é o mistério que somos lembrados a cada Rosh Hashanah, enquanto estamos entrando em um novo ano de nossas vidas—.

Se vocês estão interessados em aprender mais sobre este mistério e sobre o significado de ambas as histórias para o destino de Israel, vocês podem se interessar em ler meus livros com base nesses capítulos: ”If you are Son of God” (Gênesis 22) e “Abraham had two Sons” (Gênesis 21).  Vocês podem obter os livros da minha página:  https://blog.israelbiblicalstudies.com/julia-blum/

Como o povo de Israel está prestes a mergulhar em maçãs e mel e refeições festivas, em sinagogas, orações e shofars, eu gostaria de usar esta maravilhosa oportunidade para desejar a todos um Ano muito abençoado! Rosh Hashanah apresenta uma oportunidade especial para celebrar com o nosso Rei e crescer nos nossos esforços para permanecer perto dEle durante o próximo ano. Eu sei, este é o desejo de seus corações, e agradeço o Senhor por cada um de vocês. Tem sido uma alegria e um privilégio ter leitores tão apreciadores —chegar a conhecê-los e atendê-los—.

Gostaria de te abençoar, meu querido leitor com esta maravilhosa canção de Rosh Hashanah que um amigo, um cantor profissional, gravou especialmente para meus leitores. É tudo sobre Rosh Hashanah: sobre maçãs e mel, sobre a cabeça do peixe, sobre as bençãos. Aproveite! https://youtu.be/7B6u3kt-fzc    

Que vocês tenham um abençoado Ano Novo Judaico! L’Shanah Tovah!

[1] Rosh Hashanah, ArtScroll Mesorah Series, Mesora,Publications, 1983 – p.  16

[2] Deuteronômio 28:13

[3] If You Be the Son of God, Come Down From the Cross, p.3

About the author

Julia BlumJulia is a teacher and an author of several books on biblical topics. She teaches two biblical courses at the Israel Institute of Biblical Studies, “Discovering the Hebrew Bible” and “Jewish Background of the New Testament”, and writes Hebrew insights for these courses.

You might also be interested in:

Lech Lecha – O Chamado De...

By Julia Blum

Noé – Uma Maravilhosa...

By Julia Blum

Join the conversation (No comments yet)

Deixe uma resposta