Shavuót: Anseio Por Um Raio-x Espiritual

Enquanto preparava meu artigo sobre o Shavuót, a situação em Israel está se tornando cada vez mais grave. Portanto, em vez de um artigo normal de Shavuót, fui levada a publicar hoje aqui um trecho do meu livro sobre Isaque e Ismael, «Abraham had two sons».

Existe um ditado famoso: «Ore como se tudo dependesse de Deus. Trabalhe como se tudo dependesse de você». Consequentemente, há duas coisas que precisamos fazer. Primeiro, precisamos orar como «se tudo dependesse de Deus» porque, no final, tudo depende de Deus. É por isso que quero apelar a Ele aqui:

«Querido Pai Celestial, Você sabe o quanto precisamos de você nesta situação. Você vê toda a dor e todas as feridas em ambos os lados. Nada menos que um milagre nos ajudará aqui, e Você é o único que pode realizar esse milagre. Mesmo se pedirmos perdão por nossa parte, nada de bom poderia resultar disso se essas fossem apenas palavras humanas. Precisamos verdadeiramente do Seu Espírito para agir por meio dessas palavras, para tocar corações e almas e curar essas feridas terríveis que parecem tão incuráveis agora. Por favor nos ajude! Por favor, cure esta separação! Nossa esperança está somente em Ti, e Te damos todos os agradecimentos e toda a glória! Amém!».

Então, há a nossa parte, o nosso trabalho, «como se tudo dependesse de nós». Aqui, quero assumir o meu próprio desafio e dizer aos meus irmãos e irmãs Árabes: «Lamento sinceramente o que aconteceu há tanto tempo! Lamento sinceramente por todos os erros, fraquezas e pecados de minha família, que se tornaram parte da história de Ismael e talvez também tenham feito parte de sua história pessoal. Desde o seu nascimento até o seu banimento, Ismael foi uma vítima na minha família, e peço-lhe que me perdoe, como filha de Isaque, por toda a dor e todo o sofrimento que os descendentes de Ismael (e você pessoalmente) experimentaram como resultado dessa rejeição e banimento. Por favor, me perdoe!».

Faço um apelo a todos os meus irmãos e irmãs Árabes, todos os descendentes de Ismael, com este pedido de perdão, embora esteja bem ciente do fato de que muitos Árabes não se consideram descendentes de Ismael. Depois dessa jornada que iniciei, acredito mais fortemente do que nunca que existe uma base bíblica e uma realidade espiritual além de nossa complicada realidade visível. Precisamos aprender a reconhecer essa realidade espiritual baseada na Bíblia na vida cotidiana dessas duas pessoas diferentes que são incrivelmente próximas e hostis ao mesmo tempo.

Vocês podem dizer, é claro, que a vida real é muito mais complicada e multifacetada do que uma história bíblica, mas não é sempre assim? Uma pessoa é muito mais complicada e única do que seu raio-X mostra: vocês não veem características pessoais em um raio-X; vocês não conseguem reconhecer as qualidades especiais desse indivíduo. E, no entanto, um raio-X mostra as partes essenciais, as coisas internas e vitalmente importantes sobre essa pessoa. Um raio-X é definitivamente necessário para ver o que deve ser curado: para ver onde está a fratura e o que deve ser feito para curá-la.

Em uma de minhas cenas favoritas nas «Crônicas de Nárnia», Aslan diz a uma garota a quem ele está enviando a Nárnia: «Estou te avisando. Aqui na montanha, o ar está limpo e sua mente está limpa; conforme você desce em Nárnia, o ar fica mais espesso. Tome muito cuidado para não confundir sua mente».[1] É muito fácil ficar totalmente confuso quando você entra no Oriente Médio, especialmente em Israel: o ar é muito denso aqui, de fato: denso com emoções e mágoa. Nenhum de nós pode ver claramente aqui, porque todos vivemos em meio a esse ar denso: todos nós somos inundados por nossas emoções, oprimidos por nossos pensamentos, confusos por nossas circunstâncias e acima de tudo, cegos por nossa dor. Portanto, devemos ter muito cuidado para não ficar confusos e devemos aprender a ver nossa situação através das lentes bíblicas. Precisamos desesperadamente de um raio-X espiritual de nossa situação, para que todas as coisas externas e visíveis se tornem invisíveis, e apenas as coisas internas, essenciais e invisíveis sejam vistas. Então, seremos capazes de ver onde está a fratura e como ela deve ser curada.

Assim como Aslam avisou, quando a garota se encontrou em Nárnia, nada era tão claro quanto naquela montanha quando ele estava falando com ela. Em algum ponto, os três personagens principais do livro enfrentam uma situação muito difícil: para obedecer aos comandos de Aslan, eles devem tomar uma decisão que não apenas parece completamente ilógica e absurda, mas na verdade ameaça suas vidas. Há três deles lá, duas crianças e um adulto de Nárnia, e todos eles estão assustados e hesitantes. Tremendo, a menina está dizendo: «Ah, se soubéssemos!». Embora o adulto esteja tão assustado quanto ela, ele responde: «Acho que sabemos!»«Quer dizer que você acha que tudo vai dar certo se o fizermos?» pergunta a terceira pessoa, o menino. O adulto responde: «Não sei disso. Aslan não disse (a ela)… o que aconteceria. Ele apenas disse (a ela)… o que fazer». Da mesma forma, Deus não nos diz o que acontecerá depois que dermos o passo certo. Suas promessas são sempre baseadas em quem Ele é; Ele não nos dá nenhuma promessa com base no que fazemos. Ele apenas nos diz o que fazer. Pode ser necessário toda a nossa coragem e confiança para fazê-lo, e podemos estar com medo ou relutantes, podemos tentar evitá-lo ou mesmo escapar, mas no final, vamos admitir que foi a única coisa certa a fazer.

Do fundo do meu coração, acredito que o Senhor quer curar. Para curar aquela fratura torturante que começou quase 4.000 anos atrás e tem emanado dor e sofrimento sem fim desde então. Para curar uma fratura, você precisa de um raio-X dela. Eu acredito que por meio deste livro, por meio desses quatro níveis pelos quais o Senhor nos guiou, Ele nos deu um raio-X espiritual claro de nossa situação incrivelmente complicada. Mais uma vez, é muito fácil ficar confuso aqui; o ar em Israel está carregado de emoção. Portanto, em qualquer situação, precisamos ter certeza de que vemos a realidade espiritual além de nossa vida cotidiana. Ele quer que vejamos o invisível através do visível e, para isso, Ele nos deu este raio-X.

Eu gostaria de terminar este artigo com alguns comentários sobre a leitura da Torá de Shavuót. Como seria de se esperar, as leituras da sinagoga para este feriado incluem Êxodo 19-20 : a ascensão de Moisés ao Monte Sinai e os Dez Mandamentos. No entanto, há uma leitura especial adicional para o Shavuót: o livro de Rute, Megilát Rut, também é lido durante este Festival. Por quê? Existem várias explicações diferentes, eu gostaria de acrescentar algumas perspectivas Hebraicas a todas essas explicações que parecem ser muito relevantes hoje. recem ser muito relevantes hoje.

Todos nós conhecemos as famosas palavras de Rute: «aonde quer que fores, irei eu, e aonde quer que pousares, ali pousarei eu; o teu povo é o meu povo, o teu Deus é o meu Deus». Ela fala essas palavras logo no primeiro capítulo do livro, quando decidiu continuar com Noemi, enquanto a segunda nora, Orfa, voltou atrás. A palavra Hebraica que quero mostrar a vocês aqui explica a diferença entre essas duas mulheres, entre a que foi e a que não foi.

Rute 1:18 diz: «Vendo, pois, Noemi que de todo estava resolvida a ir com ela, deixou de instar com ela». Este «resolvida» (às vezes traduzido como «determinada») traduz a palavra Hebraica מִתְאַמֶּ֥צֶת —fazer um esforço—. Nas Escrituras Hebraicas, bem como em algumas outras versões, ouvimos a mesma palavra de Jesus em Lucas 13:24: «Esforçai-vos por entrar pela porta estreita». Escolher o povo de Deus, trilhar o caminho de Deus, requer um esforço consciente e Rute fez esse esforço, enquanto Orfa, com todas as suas boas intenções, não. É por isso que temos o livro de Rute, e não o livro de Orfa, em nossas Bíblias.

Que verdade séria e solene para ser lembrada, especialmente nestes dias! Às vezes parece realmente que a única coisa que pode salvar este país é Sua intervenção e Seu milagre: todos ansiamos por experimentar um Céu aberto; todos desejamos ouvir a voz de Deus; todos nós desejamos ter um encontro Divino. Mas não se enganem: não é o Céu aberto, não é o que Ele revela que nos define é como respondemos ao que Ele revela; é como respondemos ao Céu aberto nesta terra! Não é o encontro Divino que molda nosso destino é o que fazemos depois desse encontro. Nossas decisões e nossos esforços. Como Rute. É por isso que lemos o livro de Rute no Shavuót.

 

 

[1] Lewis C.S., The Silver Chair

 

Meu livro «Abraham had two sons», assim como meus outros livros, podem ser obtidos aqui. Além disso, como sempre, ficaria feliz em fornecer mais informações (e também um desconto de professor para os novos alunos) em relação aos cursos eTeacher (juliab@eteachergroup.com).

 

JÁG SHAVUÓT SAMÉAJ, MEUS CAROS LEITORES!

About the author

Julia BlumJulia is a teacher and an author of several books on biblical topics. She teaches two biblical courses at the Israel Institute of Biblical Studies, “Discovering the Hebrew Bible” and “Jewish Background of the New Testament”, and writes Hebrew insights for these courses.

You might also be interested in:

Visível E Invisível

Por Julia Blum

Da Prisão Ao Palácio: Os...

Por Julia Blum

Join the conversation (No comments yet)

Deixe uma resposta