Teologia Do Logos (verbo Ou Palavra) No Judaísmo Pré-cristão (joão 1:1-3)

“1 No princípio era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus. 2 Ele estava no princípio com Deus. 3 Todas as coisas foram feitas por ele, e sem ele nada do que foi feito se fez. O que veio a ser … “

É absolutamente verdadeiro que autor original deste Evangelho, em seu prólogo “midrashic” [1] para o livro, estabelece que existe uma entidade chamada de “Deus”, bem como uma entidade referida como a “Palavra de Deus”. Tanto Deus como sua Palavra, na mente do evangelista são divinos e existiram eternamente. Se a teologia permite tal interpretação ou não, é irrelevante. Esta é, afinal, a teologia do Evangelho de João e é assim que o autor vê Deus. É aceitar ou largar.

Algumas pessoas diriam que a retórica da “diferença e igualdade” entre Deus e Sua Palavra começa com a literatura cristã, e particularmente nestes primeiros versículos do Evangelho de João, enquanto outras pessoas podem se opor a isto uma vez que esta é a linguagem usada na criação em Gênesis. Ele criou tudo pelo poder de Sua Palavra. Entretanto, ambas as idéias são inadequadas. É verdade, que Deus falou (ou chamou) tudo à existência, mas em nenhum lugar (pelo menos não em Gênesis) isto implica que Deus e a sua Palavra eram “distintas e ainda iguais” em sua natureza, e, portanto, poder e glória. Assim, enquanto Gênesis 1 não contradiz esta idéia, também não a confirma.

As Escrituras da Bíblia Hebraica [2] não foram os únicos livros lidos e ouvidos pelas pessoas do passado em suas leituras comunitárias religiosas. Eles também tiveram contato com uma grande variedade de textos judaicos que se pensava ter valor espiritual e muitas vezes também eram considerados sagrados. (Lembrar que durante este tempo, o Canon (tanto judaico como cristão) ainda não estava firmemente estabelecido, a idéia aproximada do que viria a ser o Canon estava apenas emergindo).

Nos tratados judaicos de Philo e outros, escritos em grego, também está presente um conceito muito semelhante, se não for o mesmo. É referido pelo uso da palavra grega Logos assim como nos Evangelhos ( Heir 205-6 ), enquanto em textos aramaicos / sirios / hebreus judaicos a mesma idéia (ou muito similar) é, muitas vezes, embora nem sempre, representada pela palavra Memra (Targum Neofiti em Gen.3.13 ). Uma vez que um estudante da história da religião começa examinando idéias judaicas pré-cristãs sobre a Palavra de Deus em literatura para-bíblica, anterior ou contemporânea ao Evangelho de João, o aluno rapidamente começa a compreender que até este ponto (João 1: 3 ) o autor do Evangelho ainda não introduziu nenhuma idéia nova (e certamente nada estranha) ao que se pensava no mundo judaico do primeiro século.

Isso mudará drasticamente no versículo 14, com a introdução da idéia totalmente inesperada da Palavra de Deus vindo em forma de carne humana e unindo eternamente sua natureza divina à frágil humanidade da qual ele mesmo, na tradição cristã, foi o criador. [3]

________________________________________

[1] Midrash é uma forma de interpretar histórias bíblicas que vai além do simples significado. São preenchidas lacunas deixadas na narrativa bíblica a respeito dos eventos e personalidades que são apenas insinuados no texto.

[2] Os Judeus chamam a Bíblia Hebraica de Tanach – um acrônimo para Torah (cinco livros de Moisés), Neviim (Profetas) e Kituvim (Escritos), enquanto que na tradição cristã é costume referir-se ao mesmo conjunto das Escrituras como Antigo Testamento.

[3] Para uma explicação mais detalhada da teologia do logos no Judaísmo pré-cristão, por favor, ver o ensaio do Prof Daniel Boyarin “Logos, uma palavra judaica: prólogo de João como Midrash”, no Novo Testamento Judaico Anotado, pg. 546-549.

About the author

Dr. Eli Lizorkin-EyzenbergTo secure your spot in our new course “The Jewish Background of New Testament” - CLICK HERE NOW

You might also be interested in:

Lech Lecha – O Chamado De...

By Julia Blum

Noé – Uma Maravilhosa...

By Julia Blum

Join the conversation (11 comments)

Deixe uma resposta

  1. Antonio gumercino santana

    não queira entender a trindade basta somente crer

  2. alexandre duarte ferreira da costa

    Essa é a primeira parte do comentário acima que não saiu. A primeira parte é o final:
    Ouve oh Israel: YHWH, vosso Deus, é um só YHWH. Não diz o texto que ele são três em Um. A doutrina de que Jesus é o Mesmo Pai não é bíblica, mas pagã. Fica estabelecida em 325 EC, no concílio de Nicéia. E a trindade, como nós a conhecemos hoje, ainda demorou mais tempo para ser formulada. Se Jesus fosse Deus Filho (o que ele nunca afirmou ser, pois dizia ser Filho de Deus, o que é diferente), as palavras seguintes em Isaías 45:5 seriam falsas: “Eu sou Jeová, e não há outro. ALÉM DE MIM NÃO HÁ DEUS…” Concorda o chamado “Novo Testamento” com essas palavras? Veja o que um Apóstolo do próprio Cristo disse: “para nós há realmente um só DEUS, O PAI, de quem procedem todas as coisa, e nós existimos para ele; e HÁ UM SÓ SENHOR, JESUS CRISTO, por meio de quem são todas as coisas, e nós existimos por meio dele” – 1 Coríntios 8:6 (é bom ler os versículos 5 e 6). Quando fala de Deus, Paulo, Apóstolo de Jesus Cristo, só menciona o Pai. Se Jesus e o Espírito Santo também são partes de um mesmo Deus, por que o Apóstolo diz que Deus é só um, o Pai? Quando fala de Jesus Cristo, Paulo não o chama de Deus, mas sim de Senhor, que participou na Criação de Todas as coisas junto com o seu Pai. Em Gênesis 1:26 Deus disse: “FAÇAMOS o homem a NOSSA imagem”, o que mostra que ele não estava sozinho, mas como descobrimos depois, estava com seu Filho unigênito. Jesus chama o Pai de seu Deus, tanto pouco depois de sua Ressurreição, como alguns anos mais tarde, já no céu. – João 20:17 e Apocalipse 3:2. Quando o chamaram de BOM Instrutor, por que Jesus disse que Bom era só UM, DEUS? (Marcos 10:18). Se ele também era Deus, por que disse isso? Se Jesus era Deus, por que ele disse que nem ele nem os Anjos sabiam o Dia e a hora, mas somente o Pai sabia. Não seriam eles parte de Um só Deus? Como um sabe e o outro não?

    1. MAURILIO SILVA CARDOSO

      Pois é Alexandre. Eu penso da mesma forma que você. Antigamente não, porque tinha medo de blasfêmia, mas, analisando a Bíblia e conhecendo a verdade (ou pelo menos o que minha interpretação reconhece como verdade) fiquei liberto deste paradigma.
      Até mais.

      1. Alexandre Duarte

        Maurilio, você foi na raiz do problema quando o assunto é Trindade: as pessoas têm medo de cometer blasflêmia ao mencionarem que Jesus não é Deus. Mas importa é a verdade e a verdade nunca é uma blasfêmia. Jesus mesmo nos disse: “e conhecereis a verdade e a verdade vos libertará!” Sabermos a verdade nesse assunto é essencial, pois se trata do Deus a quem adoramos. E Jesus é o maior defensor desse Deus. Como vimos na passagem em que o chamam de BOM, Jesus não quer atenção indevida. Com certeza ele fica muito triste em se desvirtuar o verdadeiro papel dele, como nosso Salvador e Messias, o Cristo de Deus. Satanás desviou as pessoas de seguir a Deus no primeiro século, por as fazerem rejeitar o Salvador Jesus. Quando já não tinha mais como esconder essa verdade, ele fez de Jesus um Deus, para que as pessoas pudessem desagradar ao Pai de Jesus de outra forma. Os Trinitaristas tentam nos fazer acreditar que não são politeistas, mas qualquer pessoa, principalmente um Judeu, sabe que se adorar a três pessoas é politeismo. Tentam desfarçar isso dizendo que as três pessoas são um Deus só. Como? – perguntamos. ” Ah! Isso é mistério de Deus!” Os Judeus não aceitam Jesus como Messias em grande parte por culpa da Cristandade!

  3. jose amancio

    me tirem uma duvida,jesus teve irmãos biologicos,a biblia fala nus irmãos de jesus,nos católicos aprendemos que jesus é filho único de Maria,como entender isso?

    1. Eric de Jesús Rodríguez Mendoza

      BS”D

      Shalom José!

      Obrigado por tua visita e comentário.

      Biblicamente nao é posibel dizer se foram filhos de Maria, o eram filhos de José, más nao é probléma que Mariam tivera outros filhos. Igual ela está esperando a resurrecçao dos mortos.

  4. jose amancio

    o que eu pude entender,é que no inicio Deus,usava os profetas para falar de si(que dizer dele)e agora enviou seu própio filho,(que dizer o verbo que se fez carne)isto é muito interesante,shalon a todos.

  5. ricardo angelo billo

    a paz do senhor,ebassamento biblico sobre consulta a palavra,tanto no velho testamento,quanto no novo testamento fique na paz

  6. Pr. Enéas

    É um máximo essa meditação, esclarecedor entendi um pouco mais sobre a relação entre Deus e sua palavra encarnada.

  7. donizete moraes

    ….mas como tal O LOGOS ou MEmRA pode ser adorado…sem cometermos idolatria?

    1. Eric de Jesús Rodríguez Mendoza

      BS”D

      Shalom Donizete!

      Bem venido.

      A relaçao entre o Meymra’ e o pai, é como a relaçao entre o gelo e agua. Nao tem coisa extranha, nao é idolatría.