A Segunda Revelação: Mais Uma Vez Va’era

Desde o último post tenho contemplado esta incrível «segunda revelação» que vemos bem no início da porção Va’erá da Torá, em Êxodo 6 . Existem alguns detalhes crucialmente importantes nesta revelação e, quanto mais eu pensava sobre isso, mais percebia que não poderia e não deveria simplesmente ignorá-los. Portanto, ainda estamos na Parashát Va’erá, e de agora em diante, discutiremos as porções da Torá aqui apenas alguns dias «depois» de ser lida nas sinagogas de todo o mundo (em vez de alguns dias antes).

Eu conheço você? 

Primeiro, quero falar sobre a palavra Hebraica «conhecer». Vocês devem se lembrar da pergunta que fiz no post anterior (e muitos fizeram antes de mim): os Patriarcas conheciam o nome sagrado de Deus —(יהיה; YHVH)—antes de Deus revelá-lo a Moisés? Em Êxodo 6:2-3 , Deus diz a Moisés: «Eu sou o Senhor. Apareci a Abraão, a Isaque e a Jacó, como o Deus Todo-Poderoso; mas pelo meu nome, o Senhor não lhes fui conhecido». Falamos sobre a alegada contradição entre esta declaração e a ocorrência frequente do nome YHVH em Gênesis. Eu compartilhei com você alguns comentários Judaicos e então escrevi que a explicação desta «contradição» deve ser buscada no Hebraico: a maioria dos estudiosos Cristãos da Bíblia não consegue entender o significado do verbo Hebraico «conhecer» (Yadá). Quando alguém lê este versículo como uma indicação de que o nome de YHVH não era conhecido antes de Moisés, ele simplesmente não entende a profundidade deste verbo. Nas Escrituras Hebraicas Yadá é uma palavra muito profunda e hoje vamos examiná-la mais profundamente.

A raiz Hebraica yadá (geralmente traduzida como «conhecer») aparece mais de 900 vezes na Bíblia Hebraica. A ideia de «conhecer» no Hebraico Bíblico é muito mais pessoal e íntima do que nosso entendimento moderno de conhecimento.[1] Nas Escrituras Hebraicas, «conhecer» significa não apenas estar intelectualmente informado, mas experimentar a realidade. O conhecimento não é a posse de informações: é uma experiência. «Conhecer a Deus» na Bíblia não é «saber sobre ele» de alguma maneira abstrata e impessoal, não compreender filosoficamente sua existência eterna, mas reconhecer e experimentar Sua realidade e obedecer à Sua vontade.

Nesse sentido, vemos uma conexão muito clara entre o versículo que acabamos de citar, onde Deus revela Seu nome a Moisés (Êxodo 6:3), e o versículo 7 do mesmo capítulo, onde Deus continua a falar com Moisés e diz: «Tomar-te-ei por meu povo, e serei vosso Deus, e sabereis que eu sou o Senhor vosso Deus, que vos tiro de debaixo das cargas do Egito». Vocês se lembram que mesmo antes desta segunda revelação, Moisés deveria dizer ao povo de Israel o nome do Senhor —esta foi uma comissão que ele recebeu em Êxodo 3, na «sarça ardente»?—. Porém prestem muita atenção Deus não espera que os Israelitas conheçam a Ele e Seu nome depois que Moisés lhes disse esse nome, entre Êxodo 3 e Êxodo 6. Só depois de experimentar a realidade do Êxodo —a realidade de Sua fidelidade, Sua compaixão e Seu poder— eles o conhecerão. Não é de se admirar que Ele «não foi conhecido» assim pelas gerações anteriores, por Abraão, por Isaque e por Jacó, porque eles não o tinham experimentado assim.

É notável que também no Novo Testamento, as palavras Gregas geralmente traduzidas como «conhecer» foram influenciadas pelo mesmo significado de yadá que encontramos no Hebraico Bíblico. Aqui também, conhecer a Deus não é simplesmente uma contemplação intelectual e filosófica, mas sim uma resposta de fé e obediência. Tanto nas Escrituras Hebraicas quanto no Novo Testamento, não é a ignorância que é o oposto do conhecimento, mas a rebelião.

O Nome 

O Nome Divino revelado a Moisés —(יהיה; YHVH)— é amplamente transliterado nas Bíblias Cristãs como Jeová. Esta pronúncia está correta? Qual foi a vocalização original deste nome? A pronúncia original provavelmente era Yahvé, no entanto, tenho que admitir que não temos dados suficientes para fazer qualquer declaração definitiva. Sabemos que, no início, sua pronúncia era restrita apenas ao serviço do Templo; mais tarde, para o Sumo Sacerdote apenas, e no Dia da Expiação apenas; finalmente, após a destruição do Templo, recebeu uma pronúncia substituta: tornou-se costume dizer a palavra Adonái («meu Senhor») ao ler יהוה.

Então, como vamos obter Jeová daqui? Vocês podem se surpreender com a explicação. Os Massoretas que vocalizaram as Escrituras Hebraicas tomaram as vogais da palavra Adonái e vocalizaram com essas vogais a palavra יהוה —como um lembrete ao leitor de que ele precisa substituir—. Os tradutores Cristãos que não sabiam disso, transliteraram a palavra יהוה de acordo com essa vocalização substitutiva e assim o nome Jeová entrou nas Bíblias Cristãs.

Vocês provavelmente sabem que no primeiro capítulo de Gênesis, o Criador é chamado de Deus (Elohím), e no segundo capítulo, ele é referido como «Senhor Deus» (Adonái Elohím). Aqui, pela primeira vez, encontramos o mesmo nome que foi revelado a Moisés em Êxodo 6 e, supostamente, não era conhecido antes disso. Então, como os dois nomes de Deus se relacionam e se correlacionam um com o outro?

A tradição Judaica interpreta os nomes Elohím e Adonái  como a explicação dos dois lados da natureza de Deus: Sua Justiça e Sua misericórdia. Essa compreensão dos diferentes nomes de Deus explica também esses dois relatos diferentes da criação —Gênesis 1 e Gênesis 2—. O Midrásh diz que Deus criou o mundo originalmente como Elohím (Gênesis 1), mas que depois Ele é chamado de Adonái Elohím (Gênesis 2) porque viu que sem Sua misericórdia Sua criação não sobreviveria.

Tendo isso em mente, vamos reler a «segunda revelação». Ela começa dizendo: «Elohím falou a Moisés», e então continua dizendo: «Eu sou YHVH». Não é muitas vezes assim? Primeiro, Deus se revela a si mesmo como um Deus de justiça maravilhoso e temível, mas então vocês levantam os olhos e sentem que há lágrimas nos olhos dele. Ele ouve o gemido dos Israelitas. Ele ouve seus gemidos. Em Gênesis 22, foi Elohím quem ordenou a Abraão que sacrificasse Isaque. No entanto, foi o anjo do Senhor quem interrompeu, no final, a mão de Abraão. Ele é YHVH —Deus de compaixão e misericórdia—.

[1] Por favor, lembrem-se: estamos falando sobre o Hebraico Bíblico; no Hebraico Moderno, esse verbo corresponde mais ou menos ao «conhecer» comum do Português.

Gostaria de lembrar a vocês, queridos amigos, que a eTeacher oferece um curso maravilhoso, onde vocês podem aprender com os comentários da Parashát Shavúa junto com sua interpretação do Novo Testamento. Como sempre, sintam-se à vontade para entrar em contato comigo para obter mais informações. Além disso, se vocês gostarem dos artigos neste blog, também poderão gostar dos meus livros. Vocês podem obtê-los aqui

About the author

Julia BlumJulia is a teacher and an author of several books on biblical topics. She teaches two biblical courses at the Israel Institute of Biblical Studies, “Discovering the Hebrew Bible” and “Jewish Background of the New Testament”, and writes Hebrew insights for these courses.

You might also be interested in:

Porção Da Torá Trumá –...

Por Julia Blum

As Profundas Lições De Megilát...

Por Julia Blum

Join the conversation (No comments yet)

Deixe uma resposta