As Profundas Lições De Megilát Ester

Após estes Eventos

Meus caros leitores, há quase cinco anos conduzo este blog, e isso significa que estou escrevendo aqui um artigo sobre Purím pela quinta vez. Em anos anteriores, eu falei sobre muitas coisas diferentes e contei a vocês muitas histórias diferentes relacionadas a Purím (aqui estão os links para alguns posts anteriores sobre Purím): https://blog.israelbiblicalstudies.com/jewish-studies/miracle-purim-reversal-evil/, https://blog.israelbiblicalstudies.com/jewish-studies/the-book-and-the-festival-1/ , https://blog.israelbiblicalstudies.com/jewish-studies/purim-the-question-and-the-answer/ ). Achei que a essa altura já havia esgotado completamente o assunto. No entanto, enquanto estava lendo o livro de Ester em preparação para este post, fiquei impressionada com algo que não tinha visto antes —e esta é a primeira coisa que gostaria de compartilhar com vocês hoje—.

Os dois primeiros capítulos deste livro maravilhoso nos contam como uma moça Judia chamada Ester se tornou rainha do Império Persa e só depois disto lemos, no primeiro versículo do terceiro capítulo: «Depois destas coisas, o Rei Assuero engrandeceu a Hamã, o filho de Hamedata, o Agagita, e o exaltou, e lhe pôs o trono acima de todos os príncipes que estavam com ele».[1] Depois destas coisas. Pensem nisso: foi somente depois que o remédio estava pronto para a salvação de Israel que Hamã foi autorizado a ser promovido.

Aqui chegamos a um ponto de grande importância. Vocês provavelmente já ouviram que o livro de Ester não contém o nome de Deus? Em primeiro lugar, ao longo dos séculos, nem uma  vez se levantou a questão, sobre por que este livro foi incluído no cânon.

Acredito que possamos encontrar uma resposta nestas três palavras simples: «Depois destas coisas» אַחַ֣ר | הַדְּבָרִ֣ים הָאֵ֗לֶּה O livro de Ester foi incluído no cânon porque, na verdade, «é todo sobre Deus». O mal aqui é derrotado por uma série de eventos orquestrados por Deus e é assim «como» Deus se revela ao seu povo. Sim, a palavra «Deus» não aparece abertamente neste livro, porque muitas vezes Deus permanece escondido em nossas vidas —até nós o reconhecermos e sua caligrafia nas circunstâncias e eventos que se desenrolam—. Claro, às vezes acontece que a salvação de Deus vem como um milagre, desafiando as leis naturais (como no livro de Daniel, por exemplo). Na maioria das vezes, porém, a salvação divina está «disfarçada» em eventos comuns —«escondida» no que pode ser percebido como uma série de «coincidências»— como o que acontece aqui no livro de Ester.

O próprio título deste livro —Megilát Ester (o Pergaminho de Ester)— é extremamente profundo. Já escrevi sobre isso antes, mas acho que vale a pena mencionar novamente: a incrível dinâmica entre «oculto» e «revelado» se reflete neste título. O  nome (אסתר; Ester) está relacionado com a palavra nistár: «oculto», «escondido»; enquanto a palavra Megilát  está relacionada com a palavra megalé: «revelar». Portanto, as palavras Megilát Estér podem ser traduzidas literalmente como «A Revelação do Oculto» e esta é a mensagem deste livro maravilhoso. A mão de Deus está trabalhando, mesmo quando Ele está escondido e não o «vemos» agindo em nossas vidas e isto será revelado. E essa mensagem pareceu tão importante para nossos sábios que, de acordo com o Talmúd, Ester está sugerida e «escondida» na Torá, embora a história de Purím tenha acontecido muitos séculos depois. Aqui está o que o Talmúd diz: «Onde ouvimos falar de Ester na Torá?». Diz em Deuteronômio 31:18: «E eu me esconderei, realmente escondo o meu rosto deles».[2]

 

Descendentes de Raquel versus Descendentes de Amaleque

Nos comentários Judaicos, encontramos uma observação muito interessante:

«Raquel sempre foi destinada a ser a esposa de Jacó, ao contrário de Lia, que estava inicialmente destinada a se casar com Esau. Como resultado, seus descendentes (de Lia) não têm a força necessária para ser o inimigo espiritual de Esau».[3]

Estas palavras comentam o fato de que toda vez que o povo Judeu luta contra seu grande inimigo Amaleque (que era neto de Esaú), a batalha é liderada por um descendente de José ou Benjamim, os filhos de Raquel. Parece que os filhos de Raquel e seus descendentes estão destinados a lutar contra Amaleque ao longo da história de Israel. A primeira batalha com Amaleque, depois que Israel deixa o Egito,[4] foi travada por Josué, que era da tribo de Efraim, filho de José. Na segunda vez que Israel enfrentou Amaleque, a batalha foi travada pelo rei Saul, filho de Quis, da tribo de Benjamim:[5]

«Samuel também disse a Saul… Agora vá e ataque Amaleque, e destrua totalmente tudo o que eles têm, e não os poupe… E Saul atacou os Amalequitas, de Havilá até Sur… Mas Saul e o povo pouparam Agague e as melhores ovelhas… e foram relutantes em destruí-los totalmente».

Na história de Purím, Ester e Mordecai, da tribo de Benjamim, confrontam Hamã, o Amalequita:

Ester 3:1 «Depois destas coisas, o Rei Assuero engrandeceu a Hamã, filho de Hamedata, o Agagita».

Ester 2:5 «Em Susã, a cidadela, havia um certo Judeu cujo nome era Mordecai, filho de Jair, filho de Simei, filho de Quis, um Benjamita».

De hecho, podemos ver la historia de Ester y Mordejai como una continuación de esa historia que sucedió seiscientos años antes, con el Rey Saúl y Agag.

Na verdade, podemos ver a história de Ester e Mordecai como uma continuação daquela história que aconteceu seiscentos anos antes, com o Rei Saul e Agague. Aqui podemos traçar uma daquelas incríveis leis espirituais sobre as quais a Bíblia nos fala: Agague tinha que ser destruido e parece que sua destruição era muito importante aos olhos de Deus, já que primeiro Saul foi ordenado a destruir «totalmente» Agague, e então ele foi rejeitado como rei logo após tê-lo poupado. Além disso, seu fracasso em destruir Agague quase resultou na matança dos Judeus por um Agagita seis séculos depois: Hamã era um descendente de Agague; Mordecai era descendente de Quis e Benjamin; a linha de Agague e a linha de Quis tiveram que se encontrar novamente. De acordo com a tradição Judaica, Mordecai tinha que destruir o descendente de Agague, Hamã, porque Saul não destruiu Agague. Assim, a historia de Purím começa seis séculos antes de Ester, com Saul e Agague —mas este foi um inicio «escondido»—. Este, talvez, seja um dos mais brilhantes exemplos bíblicos da responsabilidade espiritual que cada um de nós carrega: cada um de nós é obrigado a lembrar que o que fizemos ou deixamos de fazer durante nossa vida pode, da maneira mais inesperada, vir à tona na vida de nossos descendentes. E esta é outra lição profunda deste livro maravilhoso.

¡JÁG PURÍM SAMÉAJ MIS QUERIDOS LECTORES!

[1] Ester 3:1.

[2] Talmúd – Chullin 139b.

[3] Breishit Rabba 73:5.

[4] Êxodo 17:9.

[5] 1 Samuel 15:1-3.

 

Os conhecimentos que vocês leem nessas páginas são típicos do que compartilhamos com nossos alunos durante as aulas DHB (Discovering the Hebrew Bible /Descobrindo a Bíblia Hebraica) ou WTP (Weekly Torah Portion /Porção Semanal da Torá). Se esses artigos despertarem seu interesse por descobrir os tesouros escondidos da Bíblia Hebraica, ou estudar em profundidade a Parashát Shavúa, junto com os conhecimentos do Novo Testamentoficaria feliz em fornecer mais informações (e também um desconto de professor para os novos alunos) em relação aos cursos da eTeacher (juliab@eteachergroup.com). Além disso, se vocês gostam dos artigos neste blog, vocês podem gostar também dos meus livros, vocês podem obtê-los aqui.

About the author

Julia BlumJulia is a teacher and an author of several books on biblical topics. She teaches two biblical courses at the Israel Institute of Biblical Studies, “Discovering the Hebrew Bible” and “Jewish Background of the New Testament”, and writes Hebrew insights for these courses.

You might also be interested in:

Dia Da Independência: Para Um...

Por Julia Blum

A Última Semana De Jesus No...

Por Julia Blum

Join the conversation (No comments yet)

Deixe uma resposta