De Jerusalém A Roma: Paulo

Shaúl foi membro do Sinédrio?

Nosso próximo encontro é com Paulo (Shaúl-Saulo). Quando Estêvão foi apedrejado pelo Sinédrio, Shaúl estava presente: «Enquanto isso, as testemunhas deixaram suas vestes aos pés de um jovem, chamado Shaúl». Esta é a primeira menção de Paulo no Novo Testamento. Todos sabemos que em breve, Shaúl experimentará uma revelação de Jesus e se tornará seu seguidor e apóstolo apaixonado. Enquanto isso, porém, ele está lá, por quê? Ele está lá por causa de seu zelo ou por causa de seu status formal?  

Aqui está o que o Talmúd diz sobre a sentença de apedrejamento durante o tempo do Segundo Templo: «um homem era colocado na porta do tribunal com a bandeira de sinalização na mão, e um homem a cavalo era colocado à distância, mas ainda à sua vista, e então, se alguém diz: “Tenho algo a declarar a seu favor”, o sinalizador agita a bandeira, e o cavaleiro corre e os para».[1]

A bandeira de sinalização era chamada em Hebraico de sudár; esta palavra também pode significar «lenço, xale». David Stern, em seu «Comentário Judaico do Novo Testamento», traz a opinião de que um escritor Grego de Atos (ou um tradutor Grego de Atos de um suposto texto Hebraico original) não entendia o contexto Judaico e, portanto, escreveu sobre colocar túnicas aos pés de Shaúl enquanto Shaúl era, de fato, um membro do Sinédrio segurando o sudár. Se esta interpretação estiver correta, então Atos 7:58 pode ser lido como evidência de Shaúl sendo um membro do Sinédrio antes de sua conversão.

Shaúl na rua Direita 

Então, em Atos 9, lemos sobre um encontro que mudou a vida: Jesus se revela a este Fariseu. Esta revelação vira a vida de Shaúl de cabeça para baixo e dá um novo significado a tudo o que ele sabia e acreditava. Vocês já consideraram o que aconteceu dentro de Shaúl durante seus três dias em Damasco, na rua chamada Direita? O que ele meditou durante sua inatividade forçada, enquanto reavaliava —endireitava— sua vida e crenças?

Talvez ainda hoje, na era das câmeras digitais, alguns de vocês ainda se lembrem de como as fotografias comuns e não digitais eram reveladas no passado (não tão distante). O filme era colocado em uma solução especial —o revelador— e algum tempo depois uma imagem começaria a aparecer. Primeiro, os contornos apareciam, depois os detalhes mais sutis da imagem e, depois de um tempo, toda a imagem emergia. Na verdade, esse é o objetivo do revelador: tornar visível a imagem latente.

Para mim, todo esse processo sempre me pareceu uma espécie de tarefa misteriosa, quase mística. Parece completamente incrível que, por um lado, a imagem já esteja lá —ela já existe em sua totalidade, perfeitamente impressa no filme, o complexo processo químico não muda nada sobre esta imagem e não acrescenta nada a ela— apenas desenvolve, coloca em exibição, e revela o que já estava lá. Mas, por outro lado, embora apenas este passo nos separe de ver o que está impresso na fotografia, sem este passo, sem revelar o filme, nunca descobriremos o que está incorporado nele; até que o revelador faça seu trabalho, a imagem latente permanece invisível. 

Agora podemos entender melhor o que aconteceu com Shaúl. Como sabemos, ele estudou a Torá e as Escrituras a vida toda, mas até que estas Escrituras fossem «reveladas», ele não via Jesus ali. Vamos meditar juntos nesta situação: Paulo não recebeu nenhum texto novo, nenhum rolo do Novo Testamento caiu sobre ele do céu, eram as mesmas Escrituras, os mesmos textos do Tanáj, que ele tinha lido toda a sua vida. Há uma visão Cristã tradicional da conversão de Paulo do Judaísmo, que é mais ou menos assim: «Era uma vez um Judeu bom, mas iludido, que lia zelosamente e tentava cumprir a Torá, mas enquanto isso ele não tinha qualquer relação com o Deus vivo. Então, de repente, ao encontrar Jesus no caminho de Damasco, ele entendeu tudo, fez uma ruptura decisiva com Israel e a Torá, mudou de roupa e tornou-se uma pessoa normal e um Cristão exemplar, precursor da nova religião (Ortodoxa, Católica, Pentecostal dependendo de qual denominação está apresentando estes pontos de vista)». Espero que, para a maioria dos meus leitores, seja perfeitamente óbvio o quão absurdo é o anacronismo dessa imagem tradicional. Ela não resiste à crítica bíblica ou histórica: Shaúl não poderia ter se tornado um Cristão no sentido em que o entendemos hoje, se por nenhuma outra razão que não fosse esta, no momento em que conheceu Jesus, tal palavra nem sequer existia (a primeira vez que este termo aparece é em Atos 11:26).

No entanto, é indubitável que, após o seu encontro na Estrada de Damasco, ocorreu uma mudança, não só no coração, mas também na cabeça deste Fariseu. Mais uma vez, o que estava acontecendo dentro de Shaúl durante aqueles três dias que ele passou, chocado e cego, em jejum e oração em Damasco na rua Direita, antes de Ananias ser enviado a ele? O que ele pensou durante sua paralisação imposta, enquanto repensava  —endireitando— sua vida e suas convicções, sem a capacidade de ler fisicamente e, portanto, folheando mentalmente as Escrituras nas quais foi nutrido? Seguindo a analogia com o revelador, podemos dizer que essas Escrituras começaram a ser «reveladas», para serem vistas, compreendidas e lidas sob uma luz completamente nova. Elas sempre foram sua vida, o significado e a base de sua existência, mas agora, para sua incrível perplexidade, Aquele que há três dias atrás tinha estado perfeitamente confiante não estava lá —simplesmente não poderia estar lá— começou a aparecer nestas páginas, confirmando nada «além daquelas coisas que os profetas e Moisés disseram».[2]

O Rabino desconhecido

A Igreja sempre afirmou que Shaúl desistiu de seu antigo nome e adotou um novo nome Cristão para se identificar não mais como Judeu, mas como Cristão. Certa vez, presenciei uma cena interessante. Um pastor Cristão assistiu a uma conferência Messiânica —uma grande reunião de Judeus que acreditam em Jesus— e estava ouvindo atentamente um pregador Messiânico. Em algum momento, o pregador disse: «Rav Shaúl escreveu» e citou algumas palavras famosas do Apóstolo Paulo. Nesse momento, o pastor deu um pulo na cadeira: «Como ele se atreve? Estas são as palavras do Apóstolo Paulo, não de Shaúl! De quem ele está falando?».

Então, ele era Paulo ou Saulo (Shaúl)? O Apóstolo Paulo era cidadão Romano e, como tal, tinha que ter um nome Latino. No entanto, seu nome Hebraico original era Shaúl, provavelmente depois do primeiro rei de Israel, que também era da tribo de Benjamim. É muito significativo que, no caminho de Damasco, Jesus o tenha chamado pelo seu nome Hebraico: «Shaúl, Shaúl, por que me persegues?». Mais tarde, quando Ananias de Damasco veio orar por ele, chamou-o de «Irmão Shaúl».

Em Atos 13:9Shaúl é chamado pela primeira vez de «Paulo». Lucas indica que os nomes eram intercambiáveis: «Shaúl, que também se chama Paulo». Deste ponto em diante, o Novo Testamento o chama de Paulo (Pavlos em Grego). No entanto, isso não significa que Shaúl desistiu de seu antigo nome. Na verdade, também encontramos provas abundantes de sua identidade Judaica depois que ele se tornou um seguidor de Jesus (com certeza falaremos mais sobre isso em posts futuros). Era típico dos Judeus da diáspora da época terem dois nomes, um Hebreu e um Gentio (aliás, essa prática ainda existe hoje). Shaúl usava seu nome Hebraico com seus «irmãos segundo a carne» e seu nome Gentio enquanto alcançava os Gentios.

[1] Sinédrio 42b.

[2] Atos 26:22.

 

Gostaria de lembrá-los, queridos amigosque oferecemos um curso maravilhoso, «Contexto Judaico do Novo Testamento». Como sempre, vocês podem entrar em contato comigo para obter mais informações. Além disso, se vocês gostam dos artigos deste blog, vocês também podem gostar dos meus livros, vocês podem obtê-los aqui.

About the author

Julia BlumJulia is a teacher and an author of several books on biblical topics. She teaches two biblical courses at the Israel Institute of Biblical Studies, “Discovering the Hebrew Bible” and “Jewish Background of the New Testament”, and writes Hebrew insights for these courses.

You might also be interested in:

Perguntas Difíceis (1)

Por Julia Blum

Isaque E Ismael: A Mudança De...

Por Julia Blum

Join the conversation (No comments yet)

Deixe uma resposta