Decifrando Os Evangelhos Com O Tanach: Lucas (2)

Ainda estamos no Evangelho de Lucas —mas hoje, de Ein Karem, estamos indo para Nazaré—. Algo de incrível importância está acontecendo bem diante de nossos olhos —no entanto, para desvendar esse mistério, precisaríamos usar nossa chave novamente e nos voltarmos para as Escrituras Hebraicas—.

O EVANGELHO EM GENESIS

Quando lemos sobre o anjo Gabriel aparecendo diante de Maria e contando a ela sobre a concepção e o nascimento milagroso de seu filho, não podemos deixar de lembrar a Divina Anunciação do nascimento miraculoso no livro de Gênesis. Vocês devem se lembrar que Gênesis 18 começa com uma cena muito interessante, onde Deus vem a Abraão na forma de três Hóspedes Celestiais. Um dos principais objetivos desta visita foi a Anunciação —o anúncio do nascimento milagroso de Isaque—. Este paralelo se torna ainda mais impressionante se percebermos que Gênesis 18 inicia a Porção da Torah Vayera —a mesma porção da Torah que termina com Aqedat Izhak, o sacrifício de Isaque—. Neste sentido, o ponto inicial e final do Evangelho de Lucas são muito semelhantes ao ponto inicial e final da Porção da Torah Vayera: ambos começam com a Divina Anunciação do nascimento miraculoso do filho e terminam com o sacrifício deste filho miraculosamente concebido e nascido (chamado pela Escritura, “o único filho”).

Uma análise mais detalhada de ambos os textos revela ainda mais semelhanças entre eles. Para ambas mulheres, a mensagem celestial parecia incrível e impossível —porque, de fato, superava toda compreensão e imaginação humanas—. Portanto, sua primeira reação foi de descrença e dúvida. Em Gênesis 18, quando o Senhor anunciou o nascimento de Isaque, Sara riu com o famoso riso no seu íntimo: “Riu-se, pois,Sara no seu íntimo, dizendo consigo mesma: Depois de velha e velho também o meu senhor, terei ainda prazer?”[1] Quando o anjo anunciou o nascimento de Jesus, “Então disse Maria ao anjo: Como será isto, pois não tenho relação com homem algum?”[2] E, no entanto, ambas agiram com fé e obediência —e a história da humanidade foi mudada por causa de sua fé e obediência—.

A VIRGEM ABENÇOADA… MIRIAM

Agora vamos falar sobre Maria. Enquanto hoje quase todo mundo reconhece o Judaísmo de Yeshua (Jesus), Sua mãe Miriam (Maria), uma mulher de Nazaré  da Galileia do 1º século, parece ter sido totalmente afastada de sua origem Judaica. Ela é mais conhecida pelos títulos Santíssima Virgem ou Nossa Senhora. No entanto, no Novo Testamento —especialmente no Evangelho de Lucas— Miriam é descrita como claramente pertencente ao seu povo.

Por exemplo, é preciso conhecer os costumes do casamento Judaico da época para entender a situação difícil da grávida Miriam. Havia dois estágios do casamento no tempo de Jesus: o noivado e o casamento, e pode haver um ano ou mais entre eles. Uma das principais razões para um período de noivado era assegurar que a noiva não estava grávida. Estar grávida durante este período era um grave pecado e uma grande humilhação. E, no entanto, foi exatamente nessa época, quando Miriam já estava noiva de José e estava aguardando a conclusão do estágio do casamento, que a concepção milagrosa ocorreu.

Miriam sabia que ela estava em uma situação muito difícil. Quem acreditaria na história dela? E aqui vemos esta jovem Judia, que confiou inteiramente a si mesma apenas no Senhor, buscando apoio e encorajamento Nele e Dele. É verdade que ela vai a Elisheva (Elizabeth), à pequena aldeia de Ein Karem, fora de Jerusalém, mas provavelmente no caminho, Miriam entrou em Jerusalém para orar e derramar sua alma diante do Senhor. E parece que Deus consolou Miriam através da história bíblica de Ana —seu sofrimento e humilhação, seu nascimento milagroso e seu louvor—: “O meu coração se regozija no Senhor…me alegro na Tua salvação”[3] —porque quando Miriam cumprimenta Elisheva, ela está cheia de alegria e gratidão e louva ao Senhor com quase as mesmas palavras“A minha alma engrandece ao Senhor, e o meu espírito se alegrou em Deus, meu Salvador”.[4]

SEU NOME É MARAVILHOSO

De acordo com Lucas 1:31, Maria teve que chamar seu filho Yeshua. Encontramos uma explicação deste nome em Mateus: “porque  ele  salvará o  seu povo dos  pecados deles“.[5] Em Português (ou qualquer outra tradução), nenhuma conexão pode ser vista entre o nome de Jesus e Ele salvando as pessoas. No entanto, para a língua Hebraica, essa conexão é bastante clara: vocês provavelmente sabem que o nome Hebraico original de Jesus, Yeshua, significa salvação. Há mais alguma coisa nesse nome, alguma mensagem adicional perdida na tradução?

Yeshua é uma forma abreviada do nome Yehoshua (“Josué”). Yehoshua é um nome composto que consiste em duas partes: A primeira parte —Yeho— é a forma “prefixo” do Tetragrama —o nome de quatro letras de Deus—: YHVH. A segunda parte vem do verbo Hebraico yasha que significa “entregar”, “salvar”. Assim, em primeiro lugar, o nome Yehoshua/Yeshua transmite a ideia de que Deus (YHVH) salva —e era um nome Judaico muito popular na época de Yeshua—.

No entanto, o Dicionário de Hebraico Bíblico fornece um significado surpreendente adicional do verbo yasha: conceder a essência da existência. Assim, o nome Yeshua estaria intimamente ligado ao tetragrama, YHVH, muitas vezes traduzido como “Aquele que faz existir”. Alguns até sugeriram que o nome Yeshua esteja oculto dentro de YHVH, como “Yeshua HaNazarei Vemelekh HaYehudim” (Hebraico, “Jesus de Nazaré, Rei dos Judeus” —o mesmo que a inscrição em Latim na cruz—).

Através de múltiplas traduções e mudanças na pronúncia, a tradição de chama-lo “Jesus” obscureceu tanto Seu nome como Sua mensagem. Seu nome Hebraico Yeshua, no entanto, faz perfeito sentido: Ele é Aquele que salva e Aquele que concede a “essência da existência”.

DO VENTRE DE MINHA MÃE

Às vezes as pessoas perguntam: ‘Se Jesus é o Messias, por que não encontramos o Seu nome no Tanach (Escrituras Hebraicas)?’ Podemos encontrar uma resposta surpreendente àquela no capítulo 49 do livro de Isaías, descrevendo o chamado e a missão do Servo Sofredor: “O Senhor me chamou desde o meu nascimento, desde o ventre de minha mãe fez menção do meu nome”. Qual é o significado dessa profecia? Isso significa que, embora muitos dos títulos que descrevem o caráter e a missão do Messias, tenham sido revelados no Tanach: “Emanuel”, “Maravilhoso”, “Conselheiro”, “Deus Poderoso”, “Pai da Eternidade”, “Príncipe da Paz” —Seu nome pessoal somente deveria ser anunciado pouco antes do tempo de  Seu nascimento— “do ventre de sua mãe”. Notavelmente, isso acontece bem diante de nossos olhos quando Gabriel diz a Maria: “Eis que tu conceberás em teu ventre, e darás à luz um filho e Seu nome será Yeshua”.

 

Trechos de meus livros estão incluídos neste artigo (e muitos outros posts aqui), então se vocês gostam dos artigos deste blog, vocês podem gostar também dos meus livros, vocês podem obtê-los da minha página: https: //blog.israelbiblicalstudies. com / julia-blum /    Além disso, gostaria de lembrar que oferecemos um curso sobre  Jewish Background  of the New Testament: Contexto Judaico do Novo Testamento e que são bem-vindos a entrar em contato comigo (juliab@eteachergroup.com) para obter mais informações e para o desconto.

 

 

[1] Gênesis 18:12

[2] Lucas 1:34

[3] I Samuel 2:1

[4] Lucas 1:46,47

[5] Mateus 1:21

About the author

Julia BlumJulia is a teacher and an author of several books on biblical topics. She teaches two biblical courses at the Israel Institute of Biblical Studies, “Discovering the Hebrew Bible” and “Jewish Background of the New Testament”, and writes Hebrew insights for these courses.

You might also be interested in:

O Livro E A Festa (2)

By Julia Blum

O Livro E A Festa (1)

By Julia Blum

Join the conversation (No comments yet)

Deixe uma resposta