Desvendando O Mistério Dos Feriados De Outono

Meus queridos leitores, já que agora publico meus artigos apenas uma vez por mês e este é realmente um mês muito especial, vou discutir todos os feriados de Outono neste artigo. Estamos no mês Hebraico de Tishréi, o sétimo mês do calendário Hebraico. Como todos sabem, o número sete é muito importante na Bíblia. O que é o sétimo dia? O shabát, é claro, e assim como o sétimo dia é um símbolo profético do futuro reino messiânico, o sétimo mês também é: a jornada da alma para a alegria do reino messiânico está se revelando gradualmente neste mês especial. Notavelmente, Rósh haShaná é o único feriado no calendário Judaico que cai na Lua Nova, o início do novo mês Judaico, quando a lua, antes escondida de nossos olhos, gradualmente começa a aparecer. Junto com a lua, o mistério de Sua Paternidade e Seu Reino torna-se cada vez mais brilhante à medida que avançamos de um feriado para outro. Hoje, vamos acompanhar a jornada da alma simbolizada e revelada por estes dias especiais.
Claro, começaremos com o primeiro de Tishréi: Rósh haShaná. O termo Rósh haShaná em seu significado atual não aparece na Bíblia. 
Levítico 23:24 refere-se ao festival do primeiro dia do sétimo mês como Zikarón Teru’á  ([um] Memorial [do] toque [das Trombetas]); 
Números 29:1chama o festival de Yóm Teru’á ( «Dia [de] tocar [a Trombeta]»). Assim, o nome Hebraico bíblico para este feriado é (יוֹם תְּרוּעָה‎‎Yóm Teru’á), literalmente «Dia [de] Gritar/Explodir», e geralmente é traduzido como a Festa das Trombetas. O único mandamento que temos na Torá para este dia é de fato o toque (shofár). Por quê?

O toque do shofár é um símbolo de entronização e realeza. Estudiosos sugeriram que o toque do shofár indica a entronização de Deus para o Ano Novo: em Rósh haShaná, Deus criou o mundo, e ao tocar nossos shofár nós O proclamamos como nosso Rei! Ao abrir um novo ano do calendário Judaico, Rósh haShaná comemora o aniversário da criação. No entanto, o dia que celebramos como Rósh haShaná,, o primeiro de Tishréi, não é realmente considerado o aniversário da criação em si é o aniversário do sexto dia da criação, quando Adão e Eva foram criados. O aniversário do primeiro dia da criação seria cinco dias antes, no vigésimo quinto dia de Elúl. Por quê? Porque, de acordo com a compreensão Judaica, é somente quando o homem foi criado que toda a criação se tornou significativa.  Na tradição rabínica, foi apenas o nascimento da humanidade que tornou possível que Deus fosse proclamado Rei. Portanto, quando tocamos o shofár  neste dia, é semelhante a uma coroação: proclamamos a entronização e o reinado de Deus por mais um ano. Assim, chegamos ao tema principal das grandes festas:  Deus é Rei! A Realeza de Deus é o tema principal de Rósh haShaná e dos Dez Dias de Temor que ele inaugura. As orações especiais para estes dias estão cheias de referências a Deus como Rei: lemos a oração Avínu Malkéinu todos os dias durante estes dias especiais.

A este entendimento tradicional, gostaria de acrescentar uma visão pessoal: acredito que o som do shofár é um lembrete para todas as almas (por isso é chamado Yóm Zikarón Teru’á). Cada um de nós tem sua própria história, mas há uma história maior da qual cada um de nós faz parte, estejamos conscientes disso ou não. Zikarón Teru’á é um lembrete de que fazemos parte de Sua história. É um lembrete para cada um de nós que não somos órfãos neste mundo, que temos um verdadeiro Pai e este Pai é Rei. Se lembrarmos também que nas Escrituras a palavra lizkór, «lembrar-se» sempre significa alguma ação —quando lemos «E o Senhor lembrou-se de Noé… Sara… José», sempre há alguma ação seguindo estas palavras— entenderíamos que o despertar da alma é apenas o ponto de partida, após o qual a ação real, o trabalho da alma, deve seguir. Esta obra da alma é o arrependimento que o Senhor espera da alma. O som do shofár desperta a alma em Rósh haShaná, ela se lembra de que tem um Pai e um Rei, e embarca no caminho do respeito e da humildade. Assim, entramos no próximo segmento desta jornada: os Dias de Temor.

Acredito que estes dez dias simbolizam o caminho da alma desperta. Este é o caminho da alma, que primeiro percebe que seu Pai é o Rei, e se regozija e estremece de felicidade, mas aos poucos compreende que Ele também é seu Rei, e se humilha sob este conhecimento: Ele é meu Rei, Ele é meu Mestre, Ele é meu Senhor. É a mesma progressão que vemos no Cântico dos Cânticos, desde o júbilo inicial: Meu Amado pertence a mim, até o humilde entendimento: Eu pertenço ao meu Amado. E assim, chegamos ao Yóm Kipúrr, quando nos é dito para «humilhar nossas almas».

Na época de Yóm Kipúrr, a lua está quase cheia (mas ainda não completamente cheia). O mistério continua a se desvendar. Se lermos Levítico 16, o texto principal do Yóm Kipúr, entenderemos que no Yóm Kipúrr outra verdade muito importante é revelada: temos um Redentor, Aquele que Ele próprio redime e purifica. Não importa quão impuros possamos ser quando vamos a ele, o próprio Rei purifica e redime. Ele é nosso Redentor e nosso Sumo Sacerdote. Ele nos redime e nos toma como seus filhos  e isto é jatimá tová!

E então, no dia 15  de Tishréi, chegamos à lua cheia e à plena revelação do mistério de Tishréi. O feriado de Sucót  começa cinco dias após o Dia da Expiação, no dia 15 do mês de Tishréi,  (טו’ בתשרי; tét-váv be-Tishréi), na lua cheia. Qual é o significado de Sucót  e por que, na Bíblia, Sucót  às vezes é simplesmente chamado de «A Festa» ( 1 Reis 8:2 ) ou «A Festa do Senhor» ( Levítico 23:39 ). O que há de tão especial em Sucót?

De acordo com a tradição Judaica, no Yóm Kipúr, Deus perdoou Seu povo após o terrível pecado do Bezerro de Ouro, e Moisés voltou com o segundo conjunto de tábuas. No entanto, é somente em Sucót que a presença de Deus voltou a habitar entre Seu povo; é somente em Sucót que essas nuvens divinas cobrem as barracas feitas à mão. É por isso que Sucót é de fato o feriado da intimidade divina e da presença divina! É por isso que Sucót é o mais alegre dos festivais Bíblicos. Se Pésaj  é chamado de «época de nossa libertação», e Shavuót é chamado de «época de entrega de nossa Torá», Sucót é chamado zmán simjatéinu, a «época da nossa alegria»—porque Deus, em Sua misericórdia, veio ao tabernáculo com Seu povo. Esta é a alegria de Sucót, a alegria da presença de Deus e assim, o mistério de Tishréi  é desvendado e revelado. Somos despertados pelo shofar e lembrados de nosso Pai e nosso Rei em Rósh haShaná; nos humilhamos perante Ele durante os Dias de Temor; Ele nos redime e purifica no Yóm Kipúr; e, finalmente, em Sucót entramos na alegria plena de Sua presença e em nossa comunhão renovada com Ele. A lua cheia nos revela a verdade profética e profunda do Reino Messiânico que tanto Judeus como Cristãos esperam com os corações trêmulos: um dia, não precisaremos nem de sol nem de lua, porque Ele mesmo será nossa Luz.

 

Se estes artigos despertarem seu interesse por descobrir os tesouros escondidos da Bíblia Hebraica, ficarei feliz em fornecer mais informações (e também um desconto de professor para os  novos alunos) em relação aos maravilhosos cursos da eTeacher (juliab@eteachergroup.com). Vocês também podem gostar dos meus livros, todos eles são baseados na Bíblia e têm muitas perspectivas Hebraicas, vocês podem obtê-los aquí.

 

 

 

 

 

 

 

About the author

Julia BlumJulia is a teacher and an author of several books on biblical topics. She teaches two biblical courses at the Israel Institute of Biblical Studies, “Discovering the Hebrew Bible” and “Jewish Background of the New Testament”, and writes Hebrew insights for these courses.

You might also be interested in:

Três Mais Quatro: Sara

Por Julia Blum

Desvendando O Mistério Dos...

Por Julia Blum

Join the conversation (No comments yet)

Deixe uma resposta