Três Mais Quatro: Sara

Queridos amigos, estamos de volta à nossa série «Três mais Quatro» e agora estamos indo para a Parte Quatro: as matriarcas. Vocês sabem, quando comecei a escrever esta série, o título simplesmente «apareceu» na minha cabeça, aparentemente aleatoriamente. No entanto, quanto mais eu pensava sobre isto durante estes últimos meses, mais significativa e profunda esta combinação de «três – quatro» me parecia. Vocês provavelmente concordariam que de todos os números simbólicos nas Escrituras, não há nenhum com significado tão certo e óbvio quanto os números três, quatro e sete. «Três é o número de Deus, como na tríplice bênção que o Sumo Sacerdote pronunciava, o tríplice “santo” no cântico dos serafins e em várias passagens».[1] «O número quatro é evidentemente o número do mundo, das múltiplas relações comuns da criação em sua plenitude e variedade. Este simbolismo encontra sua expressão na natureza —as quatro direções no espaço, os quatro cantos da terra, os quatro ventos—».[2] Assim, esta combinação aparentemente estranha e até curiosa —«três pais e quatro mães»— torna-se uma expressão significativa e profunda do plano de Deus com o povo Judeu. Enquanto nossos três pais representavam Deus e o céu, nossas quatro mães conectaram o céu e a terra dando à luz os filhos e por meio destes filhos, o plano celestial e os propósitos de Deus continuariam a se desenrolar na terra.

A história da cura

A primeira das quatro, claro, é Sara, a esposa de Abraão. Sara é altamente reverenciada na tradição Judaica. De acordo com comentários Judaicos, Sara era perfeita e «inteiramente livre do pecado». No entanto, acho difícil aceitar este ponto de vista. Talvez, no caminho, depois de todo o trabalho de cura que ela havia experimentado, Sara realmente se tornou quase perfeita, mas os primeiros capítulos de sua jornada na terra nos mostram uma mulher com muita dor, às vezes agindo de forma parcial e injustamente por causa desta dor. Eu vejo a história de Sara como uma história de cura: antes que ela pudesse se tornar a mãe e a matriarca, ela precisava ser curada por dentro. Antes que as circunstâncias mudassem, e para que mudassem, a cura interior do coração tinha que acontecer. É verdade em nossas vidas e também foi verdade na vida de Sara.

Por que ela precisava de cura? O que quero dizer? Bem, a primeira coisa que aprendemos sobre Sara é o fato de que ela era estéril: «Sarai era estéril; não tinha filhos».[3] Esta pequena nota fala muito: em sua sociedade, o valor de uma mulher era medido pela fertilidade, foi nessa mesma sociedade que «aconteceu» de Sara ser estéril! A dor da inadequação, vergonha e culpa era algo que Sarai viveu e lutou por muitos, muitos anos desde os primeiros anos de seu longo casamento. E por muitos longos anos, ela tinha sido obediente e completamente silenciosa. As primeiras palavras que ouvimos de Sarai (Sara) iniciam a história de Hagar e Ismael: «Sarai disse a Abrão: “Eis que o Senhor me tem impedido de dar à luz filhos; toma, pois, a minha serva, e assim me edificarei com filhos por meio dela”».[4] ¿Vocês podem imaginar a enorme dor emocional destas palavras, quando Sarai finalmente teve que admitir que o «Senhor a impediu de ter filhos» e ela decidiu dar sua serva ao marido? Todos aqueles anos, desde o momento em que deixaram Harã, o eco de suas promessas magníficas manteve Sara, através da fome e peregrinação sem fim, e da humilhação Egípcia. Ela conseguiu passar por tudo isso porque acreditava firmemente que um dia daria à luz um filho e, finalmente, tudo o que Deus prometeu ao marido seria cumprido. No entanto, os anos se passaram e nada aconteceu. Não foi depois de dois ou três ou mesmo cinco anos que ela perdeu a esperança, mas depois de dez anos de espera agonizante e esperanças desvanecidas: «Sarai… tomou Hagar sua empregada, a Egípcia, e deu-a a seu marido Abrão para ser sua esposa».[5]

Mais uma vez, acho difícil entender como as fontes Judaicas podem afirmar que Sara era «completamente livre do pecado», quando o Capítulo 16 descreve tão claramente os erros de Sara em relação a Hagar. Provavelmente, o comportamento de Hagar não foi fácil para começar, mas em certo sentido, isso não importa: Hagar não enganou Abrão em infidelidade, todo o cenário foi obra de Sarai, e sendo uma mulher muito sábia, ela deveria estar pronta para as consequências. Mas ela não estava pronta, nenhum de nós está totalmente pronto para enfrentar as consequências de nossos próprios planos ou ações.

Há três pessoas envolvidas nesta história e, definitivamente, das três, Sarai é a que se sentiu «deixada para trás» quase desde o primeiro momento. Ela estava sofrendo terrivelmente, a dor estava dilacerando seu coração e, pior do que qualquer outra coisa, ela estava completamente sozinha neste sofrimento, pela primeira vez em todos os seus longos anos de casamento. Embora Abrão tentasse ser sensível e compassivo, ele estava absolutamente feliz porque estava esperando um bebê e acreditava de todo o coração que todas as promessas de Deus repousariam sobre esta criança!

Sarai se torna Sara

O dia tão temido chegou quando o bebê nasceu. A alegria de Abraão não tinha limites. Hagar também estava extremamente feliz. Claramente, foi apenas Sara que não compartilhou desta alegria. A essa altura, ela deve ter se sentido «deixada para trás» completamente, excluída de tudo. E mesmo que não saibamos muito sobre os 13 anos que se passaram entre o último versículo do Capítulo 16 e o primeiro versículo do Capítulo 17, sabemos que durante todos esses anos, Abraão acreditou apaixonadamente que Ismael era o filho da promessa.  Ele havia acreditado até o momento em que o Senhor lhe anunciou que teria outro filho —de Sara—. Todos esses anos, ele estava absolutamente confiante de que Ismael era o filho da aliança e que todas as promessas e planos de Deus repousariam sobre ele.

Eu não consigo começar a pensar em todas as consequências desta situação. Se Abraão acreditasse que a aliança e as promessas de Deus seriam baseadas em Ismael, Sara teria se sentido excluída não apenas da maternidade, não apenas da alegria de ser mãe —a alegria que seu marido estava experimentando a cada momento agora— mas também da aliança eterna, de tudo o que Deus havia prometido a Abraão, sua família e seus descendentes. Este sentimento deve ter sido absolutamente devastador. As Escrituras não nos dizem exatamente o que se passou no coração de Sara durante aqueles anos; não sabemos nada sobre seu relacionamento com Ismael quando ele era o único filho de Abraão. No entanto, com base nos fatos de que ela tinha começado a tentar se livrar dele quando ele ainda estava no ventre da sua mãe e que ela acabou por conseguir bani-lo de Abraão quando ele era adolescente, podemos adivinhar que ela nunca tinha tido sentimentos particularmente ternos por ele.

No entanto, escrevi que esta história tinha que ser uma história de cura: Sarai não seria capaz de se tornar Sara, não seria capaz de se tornar mãe e matriarca se seu coração não fosse curado, se ela não alcançasse a paz, se ela não se reconciliasse com suas circunstâncias e sua vida. Sim, aqueles treze anos foram anos de contínua humilhação e dor para Sara, mas obviamente, através desta dor, Deus estava lidando com ela e curando-a. Mais uma vez, não sabemos quase nada sobre esses anos: eles são como um túnel, e não podemos ver o que está acontecendo lá dentro. Uma mulher triste, amarga e cansada entrou neste túnel de 13 anos, e não a vemos lá dentro. Não sabemos quantas lágrimas ela derramou ou quantas horas ela passou chorando desesperadamente diante do Senhor, pedindo a Ele que limpasse seu coração da inveja e do ciúme, para fortalecê-la, e dar-lhe paz. No entanto, a velha que saiu daquele túnel depois de todos aqueles anos, depois de todas aquelas lágrimas e orações, não só estava completamente curada, mas pela primeira vez, ela estava realmente se tornando a matriarca Sara, cheia de paz e dignidade, que seria honrada e reverenciada por milênios. Quase consigo ver o Senhor olhando para ela com o sorriso amoroso e aprovador do Pai: Ela está pronta!

E só então, quando Sara foi completamente mudada interiormente, vem o Capítulo 17, onde Deus aparece a Abrão depois de 13 anos de silêncio e traz uma promessa incrível: que Abrão teria um filho através de Sarai. Encontramos aqui várias mudanças cruciais e uma delas é uma mudança no nome de Sarai. Deus diz a Abraão que Sarai, sua esposa, seria chamada de «Sara» e lhe dará um filho. Rashi, um renomado comentarista medieval, explica: «você não deve chamá-la pelo nome de Sarai» que significa «minha princesa» «mas Sara será o nome dela», e ela será uma princesa acima de tudo. A mudança é pequena, é apenas uma letra ה, mas o significado desta mudança não pode ser superestimado: a partir de agora, os nomes de Abraão e Sara indicam que o plano de Deus abrange toda a multidão de seus descendentes. Quando Deus dá um novo nome, seu plano está contido neste nome. E é neste plano que Sara, a mãe e a matriarca, teria um papel central.

 

[1] A. Saphir, The Lord’s prayer, Keren Ahvah Meshihit, Jerusalem, 2001, p.60.

[2] Ibid.

[3] Gênesis 11:30.

[4] Gênesis 16:2.

[5] Gênesis 16:3.

Trechos do meu livro «Abraão teve dois filhos» estão incluídos nesta série, vocês podem gostar deste livro e de meus outros livros, todos eles são baseados na Bíblia e têm muitas perspectivas Hebraicas, vocês podem obtê-los aqui.

Se esses artigos despertarem seu interesse por descobrir os tesouros escondidos da Bíblia Hebraica, ficaria feliz em fornecer mais informações (e também um desconto de professor para os novos alunos) em relação aos nossos maravilhosos cursos (juliab@eteachergroup.com).

About the author

Julia BlumJulia is a teacher and an author of several books on biblical topics. She teaches two biblical courses at the Israel Institute of Biblical Studies, “Discovering the Hebrew Bible” and “Jewish Background of the New Testament”, and writes Hebrew insights for these courses.

You might also be interested in:

Três Mais Quatro: Sara

Por Julia Blum

Desvendando O Mistério Dos...

Por Julia Blum

Join the conversation (No comments yet)

Deixe uma resposta