Dia Da Independência E O Mistério De Levítico 16

Hoje é o nosso Dia da Independência e é uma grande alegria e privilégio parabenizar meus leitores pelo 74º Aniversário de Israel. A maioria dos meus leitores, por anos ou mesmo décadas, tem intercedido fielmente pela terra e pelo povo tem estado junto com Israel e o Deus de Israel. Portanto, esta também é sua alegria e sua celebração!

Alguns de vocês provavelmente sabem que nosso Dia da Independência começa imediatamente após o nosso Dia da Recordação. Yóm HáZikarón, o Dia da Recordação dos soldados mortos e vítimas do terror, é um dia nacional de luto, e considerando o número desproporcionalmente alto de famílias órfãs, uma contagem quase impossível de entender para um país tão pequeno como o nosso, só podemos imaginar como este dia é de partir o coração. Portanto, uma das experiências mais peculiares que se pode ter em Israel é essa transição incrivelmente chocante do dia mais difícil e trágico do ano para o dia mais alegre e festivo do ano! Já é difícil que esses dois dias se sigam, mas se eu lembrar a vocês que em Israel o dia começa ao pôr do sol, essa transição se torna quase surreal. «E houve tarde e houve manhã» – Yóm HáZikarón, Dia da Recordação, o dia mais difícil do ano de Israel: memórias, cerimônias, sirenes, lágrimas; e depois, mais uma vez: «E houve tarde e houve manhã», e com lágrimas ainda nos olhos, o país mergulha nas festividades do Dia da Independência.

É claro que muitas perguntas poderiam ser feitas nesses dias especiais, todas relacionadas ao relacionamento Israel/Árabe ou Isaque/Ismael. Não deveríamos procurar respostas nas Escrituras? Não deveríamos tentar reconhecer a realidade espiritual baseada na Bíblia na vida cotidiana desses dois povos diferentes, que são incrivelmente próximos e incrivelmente hostis ao mesmo tempo? Escrevi várias vezes que acredito que Deus fala conosco, ainda hoje, por meio de porções semanais da Torá e às vezes, quando a Parashá parece especialmente importante, sinto-me impelida a falar sobre isso. Este é o caso da porção da Torá da semana passada, Ajeréi Mót, e é tendo como pano de fundo os dias da recordação e da independência que abordamos esta porção hoje.

O misterioso Levítico 16 discute o serviço especial de Yóm Kipúr no Tabernáculo e no Templo. O capítulo descreve os destaques deste serviço: o sacrifício de um bode como oferta pelo pecado, a confissão do Sumo Sacerdote em nome de Israel, sua entrada no Santo dos Santos e a expedição do Bode Azazél. Vamos ler esses versículos juntos:

«Também tomará ambos os bodes, e os porá perante o Senhor à porta da tenda da congregação. Lançará sortes sobre os dois bodes: uma  para o Senhor, e a outra para o bode emissário. Arão fará chegar o bode, sobre o qual cair a sorte para o Senhor, e o oferecerá por oferta pelo pecado. Mas o bode sobre o qual cair a sorte para o bode emissário, será apresentado vivo perante o Senhor, para fazer expiação por meio dele e envia-lo ao deserto como bode emissário».[1]

As ofertas pelo pecado e pela culpa eram comuns no antigo Israel, mas esta cerimônia era absolutamente única. Porque isto é assim? Como escreveu Charles Feinberg: «nenhuma verdade mais significativa poderia envolver a mente do crente do que aquelas apresentadas neste capítulo de Levítico». Então, qual é o significado desta cerimônia? E qual é a conexão entre Levítico 16 e nosso Dia da Independência?

Há muitos comentários sobre Levítico 16, tanto Judaicos quanto Cristãos. Hoje, no entanto, quero que vocês vejam a profunda conexão que, por algum motivo, foi ignorada por séculos. Anos atrás, eu estava escrevendo um livro sobre os filhos de Abraão, Isaque e Ismael e para minha grande surpresa, para desvendar o antigo mistério de Abraão e seus dois filhos, Deus me levou à chave bíblica de Levítico 16. Antes desse livro, passei muito tempo contemplando o sacrifício de Isaque em Gênesis 22. No entanto, quando comecei a escrever o livro, comecei a ver Gênesis 21 lado a lado com Gênesis 22. Comecei a perceber que Abraão teve que sacrificar os dois filhos; que na verdade não havia um, mas dois sacrifícios na vida do velho patriarca; que Gênesis 21 —o banimento de Ismael— também foi extremamente torturante e doloroso para Abraão e que se tratava tanto de sacrifício como Gênesis 22. Claro, não há ponto de comparação; não podemos perguntar a Abraão se Gênesis 21 ou 22 foi mais difícil para ele, ou o que mais o devastou. Os dois filhos de Abraão foram escolhidos para dois destinos completamente diferentes e, portanto, esses dois capítulos são muito diferentes. Ainda assim, ambos os capítulos falam sobre sacrifício, e nada torna isso mais claro e convincente do que Levítico 16!

Fiquei absolutamente chocada quando vi a incrível semelhança entre Levítico 16 e Gênesis 21 e 22. Quão perfeitamente o duplo sacrifício de Abraão se reflete no sacrifício dos dois bodes! Abraão teve que sacrificar dois filhos: um foi enviado ao deserto, o outro oferecido como holocausto. Da mesma forma, o Sumo Sacerdote tinha que sacrificar dois bodes: um era enviado ao deserto, o outro, queimado como oferta.

Como eu sei que essa conexão, entre Gênesis 21-22 e Levítico 16, não é apenas algo forçado pela minha imaginação? Bem, eu tenho provas sólidas desta conexão. Como a maioria de vocês sabe, as Grandes Festas são os pontos fundamentais no ano civil de Israel. Estes dias, começando em Rósh HáShaná e terminando com Yóm Kipúr, são muito importantes para quase todos em Israel e eles são claramente muito importantes para Deus. Portanto, é impossível ignorar o fato surpreendente de que a leitura de Rósh HáShaná consiste em Gênesis 21 e 22, enquanto a leitura de Yóm Kipúr é Levítico 16. Isso torna essa conexão muito clara, não é?

Levítico 16 pode nos ajudar a entender melhor a dinâmica Isaque-Ismael. Um bode expiatório era enviado vivo para o deserto enquanto outro era sacrificado! Neste sentido, Ismael deveria estar feliz por não ser o escolhido para a morteMuitas vezes penso que se Gênesis 22 tivesse vindo antes de Gênesis 21, toda a história da humanidade poderia ter sido completamente diferente: em vez de inveja e ciúme, Ismael teria compaixão por seu irmão e gratidão por seu próprio destino. A terrível hostilidade e tensão que marcaram grande parte do relacionamento Isaque-Ismael pode não ter existido desde o início. No entanto, este não é o caso, e podemos perguntar, por quê? Por que estes capítulos fundamentais são definidos nessa ordem específica?

Eu acredito que esta ordem inversa é parte do mistério que o Senhor quer nos revelar aqui e vocês podem ler meu livro para descobrir esse mistério. Um dos principais temas deste livro é o de restaurar o que foi quebrado e tornando-o inteiro novamente. É por isso que me volto para as Escrituras: precisamos de um raio-X espiritual aqui. Sim, claro, a vida real é muito mais complexa e multifacetada do que uma história bíblica, mas não é assim também com um raio-X? Uma pessoa é muito mais complexa e única do que seus raios X mostram: não vemos características pessoais em um raio X; não podemos reconhecer o indivíduo pelo seu raio-X, e ainda, um raio-X é definitivamente necessário para ver o que deve ser curado: para ver onde está a fratura e o que deve ser feito para curá-la. O quebrado tem que ser curado! «Abraham had two sons»e o retrato da família não estará completo até que ambos estejam neste retrato. Estes são os meus pensamentos sobre o nosso Dia da Independência.

 

[1] Levítico 16:7-10.

Trechos do meu livro «Abraham had two sons»estão incluídos neste artigo, então se vocês gostam do artigo, vocês também podem gostar do livro, vocês podem obtê-lo aqui.

Além disso, se meus artigos despertarem seu interesse por descobrir os tesouros escondidos da Bíblia Hebraica, ou estudar em profundidade a Parashát Shavúa, juntamente com os conhecimentos do Novo Testamento, ficarei feliz em fornecer mais informações (e também um desconto de professor para os novos alunos) sobre os maravilhosos cursos da eTeacher (juliab@eteachergroup.com).

 

About the author

Julia BlumJulia is a teacher and an author of several books on biblical topics. She teaches two biblical courses at the Israel Institute of Biblical Studies, “Discovering the Hebrew Bible” and “Jewish Background of the New Testament”, and writes Hebrew insights for these courses.

You might also be interested in:

Perguntas Difíceis (1)

Por Julia Blum

Isaque E Ismael: A Mudança De...

Por Julia Blum

Join the conversation (No comments yet)

Deixe uma resposta