Pardes, Os Dois Filhos De Abraão E O Yóm Kipúr

Em minha última postagem, prometi mostrar a vocês nas Escrituras a reconciliação dos dois filhos de Abraão. Suponho que vocês saibam tão bem quanto eu que não há cena na Torá descrevendo explicitamente a reconciliação de Isaque e Ismael (ao contrário da reconciliação de Jacó e Esaú, por exemplo, ou José e seus irmãos) —pelo menos não no significado literal simples das Escrituras— no que é chamado Peshát na exegese Judaica PaRDeS.[1] No entanto, quando aplicamos todos os outros níveis deste método —RémezDerásh e Sód— somos capazes de ver algo muito bonito além do texto simples e é isto que quero mostrar a vocês hoje.

Começaremos com Gênesis 22, com o famoso capítulo Aqedát Itzhák. Vocês já notaram que no final deste capítulo, depois que o sacrifício no Monte Moriá acabou, Isaque desapareceu misteriosamente? Diz: «Então voltou Abraão aos seus servos e, juntos, foram para Berseba, onde fixou residência»,[2] ­mas aqui nenhuma palavra é dita de Isaque. Onde ele foi?

Não vemos Isaque novamente até o final do Capítulo 24, onde é descrito seu encontro com Rebeca. Lá, as Escrituras dizem que ele veio do sul (do deserto), do lugar chamado Beér Lahái Roí«Ora, Isaque vinha de caminho de BBeér Lahái Roí, porque habitava na terra do Neguebe».[3] O que era este lugar e o que Isaque estava fazendo lá?

Vocês devem se lembrar que Beér Lahái Roí era um lugar conectado a Hagar —este é o nome que ela deu ao lugar de sua epifania em Gênesis 16—. Em Peshát, Gênesis 21 não diz nada sobre o paradeiro de Hagar e Ismael no deserto depois que eles foram banidos da casa de Abraão e salvos por Deus. No entanto, se aplicarmos (רֶמֶז; Rémez), «sugestão», ou o significado simbólico mais profundo, além do sentido literal —saberemos que eles foram lá—. Teria sido natural para Hagar levar seu filho ao lugar onde ela teve uma experiência tão incrível. Comentários Judaicos dizem que Hagar e Ismael se estabeleceram lá. Mas, mais uma vez, o que Isaque estava fazendo ali?

De acordo com Rashi e alguns midrashím, Isaque foi lá para trazer Hagar para Abraão, para que Abraão se casasse com ela após a morte de Sara. No entanto, acho que Isaque foi lá por um motivo diferente. Eu acredito firmemente (escrevi sobre isso em meu livro) que a expulsão de Ismael foi um trauma terrível para Isaque também porque o pequeno Isaque amava e adorava seu irmão mais velho. Mesmo que por anos Isaque possa nem mesmo ter se lembrado disso (afinal, ele tinha apenas dois ou três anos quando aconteceu), tudo voltou quando ele se deitou no altar do Aqedá no Monte Moriá, enfrentando a morte e esperando a faca de Abraão descer. Quando ele viu aquela terrível angústia no rosto de seu pai, ele percebeu que já tinha visto a mesma expressão antes. Então, tudo voltou à tona: os olhos de seu pai, cheios do mesmo horror e angústia que ele podia ver neles agora; o rosto de seu irmão, distorcido para além do reconhecimento pela amargura e raiva; o vazio monótono em sua vida e a dor sem fim em seu coração depois que Ismael partiu. De repente, ele se lembrou daquela terrível ruptura na família que tanto sofrera; de repente, ele percebeu que aquelas feridas nunca haviam sido curadas. É de se admirar, então, que o primeiro lugar que ele quis ir depois que sua vida foi poupada foi Beér Lahái Roí Ele queria ver seu irmão porque percebeu que o amou durante todos aqueles anos. Ele queria ver seu irmão porque ansiava por curar aquelas feridas e restaurar sua família destruída. Ele provavelmente ficou lá com seu irmão por um tempo: entendemos pelo texto que ele morava em Beér Lahái Roí antes de seu encontro com Rebeca. Se ele tinha trinta e sete anos na época da Aqedá (como os comentários Judaicos atestam, e eu acho que eles estão corretos), e ele tinha quarenta anos quando conheceu e se casou com Rebeca (de acordo com a Torá), ele pode ter ficado com Ismael por três anos.

Tudo isso podemos coletar do nível Rémez, com base na pista de Beér Lahái Roí. No entanto, precisaríamos do próximo nível para entender o que exatamente aconteceu entre os irmãos quando Isaque veio para Beér Lahái RoíÉ chamado Derásh em Hebraico  (דְּרַשׁDerásh) —do Hebraico darásh—: «inquirir» e «buscar» ou o significado comparativo: «um significado mais profundo obtido de uma passagem comparando suas palavras e conteúdo com passagens semelhantes em outros lugares». A passagem que usaremos aqui descreve uma cena que ocorre anos depois, quando os irmãos enterram seu pai: «Sepultaram-no Isaque e Ismael, seus filhos, na caverna de Macpela».[4] Prestem muita atenção, a ordem está invertida aqui; os nomes seguem a ordem de Deus e o plano de Deus. Em algum ponto, Ismael se reconciliou completamente com a ordem de Deus e o plano de Deus. Quando? Acredito que tenha acontecido durante aquele encontro: quando, abalado e oprimido, Isaque veio a Beér Lahái Roí após a Aqedá, Ismael percebeu, talvez pela primeira vez, o quão difícil e doloroso era o chamado de Isaque. Ele percebeu —pela primeira vez na vida— que, na verdade, havia sido mandado embora para ser poupado do difícil destino de Isaque, e que deveria estar feliz e agradecido por, afinal, este não ter sido o seu chamado. Deus realmente o preservou para outro destino, outro chamado —o salvou do caminho do sacrifício de Isaque—. Foi então que Ismael se reconciliou completamente com onde ele estava e quem ele era e isso é o que podemos ver comparando os versículos, em Derásh.

No entanto, há ainda outro último nível de PaRDeS: «Segredo», «mistério», (סוֹד; Sód), ou o significado das Escrituras revelado por inspiração ou revelação. Antes de entrarmos neste mistério, preciso dizer algo. Esta postagem deveria ser publicada por volta do Yóm Kipúr e, por um tempo, me perguntei por que continuei escrevendo sobre todo esse assunto em vez de escrever um artigo regular sobre o Yóm Kipúr até que percebi: esta é minha postagem do Yóm Kipúr  deste ano! Yóm Kipúr tem tudo a ver com pedir perdão, e se esse encontro entre os irmãos realmente aconteceu, o que vocês acham que teria sido a primeira coisa que Isaque teria dito a seu irmão? Vocês não acham que ele teria dito: «Ouça, irmão, eu sinto muito. Eu realmente sinto muito pelo que aconteceu e por todo o sofrimento que você teve que passar». Mesmo que o banimento de Hagar e Ismael não tenha sido culpa de Isaque —sabemos tão bem quanto Ismael que Isaque era apenas uma criança na época em que aconteceu e não teve absolutamente nenhuma parte nisso— eu sinceramente acredito que essas teriam sido as primeiras palavras de Isaque ao encontrar Ismael depois de todos aqueles anos. Essas palavras teriam aberto a porta para sua reconciliação. Este é o Sód desta história.

Claro, não temos como saber se isso realmente aconteceu. As Escrituras não nos dizem, talvez porque não tenha acontecido, talvez porque a cura de uma família em particular naquela época ainda não tivesse acontecido para todos os parentes. Ainda não vemos paz entre os descendentes de Isaque e Ismael hoje, e todos estamos dolorosamente cientes disso. «Abraão teve dois filhos» —e a foto da família não estará completa até que ambos sejam representados—. Portanto, ao nos aproximarmos do Yóm Kipúr, me pergunto se talvez tenha chegado a hora de nós, descendentes de Isaque, dizermos as mesmas palavras aos descendentes de Ismael. Mesmo que no início nos vejamos inocentes em relação a alguns pecados, quando nos colocamos diante de Deus e abrimos nossos corações aos raios de sua luz, Ele traz as coisas à tona e a confissão se torna verdadeiramente profunda. Qual dia poderia ser melhor para isso do que o Yóm Kipúr? Se levarmos isso a sério, se estivermos prontos para sair do nosso caminho a fim de encontrar Ismael, como Isaque fez depois do Monte Moriá, se formos sinceros em nossas desculpas, então pode chegar o dia em que realmente experimentaremos este encontro de Beér Lahái Roí. «Naquele dia, você não vai me perguntar nada» e é «esse dia» que todos aguardamos ansiosamente.

 

[1] Escrevi várias vezes neste blog sobre o método ParDeS; vocês também podem ler sobre isso em meu livro «Abraham had Two Sons».

[2] Gênesis 22:19.

[3] Gênesis 24:62.

[4] Gênesis 25:9.

About the author

Julia BlumJulia is a teacher and an author of several books on biblical topics. She teaches two biblical courses at the Israel Institute of Biblical Studies, “Discovering the Hebrew Bible” and “Jewish Background of the New Testament”, and writes Hebrew insights for these courses.

You might also be interested in:

Perdido Na Tradução: Bereshít

Por Julia Blum

Sucót No Novo Testamento

Por Julia Blum

Join the conversation (No comments yet)

Deixe uma resposta