Perdido Na Tradução: Deus Pensou Bem

«Eu é que sei que pensamentos tenho a vosso respeito».[1]

Em nossa última porção, VeYigásh, testemunhamos o clímax da saga de José, quando José «não conseguiu se conter» e revelou sua identidade a seus irmãos, um final muito feliz para uma história muito dramática. Parece que a história acabou agora, então por que ainda temos mais alguns capítulos em Gênesis? Por que temos outra porção da Torá? Vocês já fizeram esta pergunta? Eu certamente fiz!

Claro, há muitas coisas que podemos dizer sobre Vayejí (como sobre cada porção da Torá). No entanto, quero apontar alguns detalhes que responderam a essa pergunta para mim e espero que forneçam uma resposta para vocês também. Quero começar com as palavras maravilhosas que José disse a seus irmãos após a morte de seu pai. Lemos que «quando os irmãos de José viram que seu pai estava morto, disseram: “Talvez José nos odeie e possa realmente nos retribuir por todo o mal que lhe fizemos”».[2]  Eles enviaram uma mensagem a José, implorando-lhe novamente que os perdoasse, e «José chorou enquanto lhe falavam». Então «José disse-lhes: “Não temais, acaso estou eu em lugar de Deus? Vós, na verdade, intentastes o mal contra mim; porém Deus o tornou em bem”».[3]

As palavras em negrito são maravilhosas, não são? Bem no final deste livro, como um selo na história de José, no livro de Gênesis e também neste ano que está prestes a terminar em nossas vidas,  ouvimos: «Deus o tornou em bem». Incluso na tradução, essas palavras são profundamente significativas; entretanto, quando as lemos em Hebraico, seu significado simples e direto é simplesmente impressionante! Literalmente, José está dizendo: «vocês pensaram mal, Deus pensou bem». É tão simples e tão profundo ao mesmo tempo! Tanto na Bíblia quanto em nossas vidas, Deus sempre executa seu plano: não apenas por meio da força e da fé das pessoas, mas também por meio de suas fraquezas e erros. É um sentimento maravilhoso quando se pode olhar para trás, para o ano que está prestes a terminar, ver todos os erros e más ações que cada um de nós cometeu ou experimentou neste ano, olhar para o próximo ano e confiar que o Senhor pode trabalhar seu bem até mesmo de nossos erros: «Deus pensou bem».

«A tua salvação espero, ó Senhor!».[4]

Gostaria de chamar sua atenção para outro detalhe interessante nesta porção, mas para entender o significado desse detalhe, preciso citar o Novo Testamento. No Evangelho de Lucas, depois da volta dos discípulos, que se alegram porque os demônios estão sujeitos a eles, Jesus agradece ao Pai e diz aos discípulos: «Bem-aventurados os olhos que veem as cousas que vós vedes! Pois eu vos afirmo que muitos profetas e reis quiseram ver o que vedes, e não viram, e ouvir o que ouvis, e não o ouviram».[5]

O que exatamente ele quis dizer? O que eles desejavam ver e ouvir estes reis e profetas? Podemos afirmar que muitos Judeus no primeiro século acreditavam que alguns de seus ancestrais desejavam ver os Dias do Messias?

Para responder a esta pergunta, vamos usar aqui alguns targumím. Os targumím são versões livres em Aramaico do Antigo Testamento para uso na sinagoga, e apesar das datas tardias da redação final dos textos, eles geralmente representam a tradição interpretativa do Judaísmo do Segundo Templo. É realmente interessante ver como os contemporâneos de Jesus leram esses últimos capítulos de Gênesis.

Em Gênesis 49:1, lemos que «Jacó chamou seus filhos e disse: “Ajuntai-vos, e eu vos farei saber o que vos há de acontecer nos dias vindouros”». A tradição Judaica frequentemente comenta sobre a tentativa de Jacó de revelar «o fim» (kétz). O targúm Palestiniano diz que a visão dos Dias do Messias foi desejada por Jacó, mas foi negada a ele. No targúm Pseudo-Jonathan, 49.1, lemos que Jacó chamou seus filhos e disse-lhes: «Purifiquem-se da impureza, e eu lhes direi os segredos ocultos, os tempos ocultosa recompensa dos justos, o castigo dos ímpios e qual será a felicidade do Éden. As doze tribos de Israel estavam reunidas em torno do leito de ouro em que ele estava deitado, mas assim que a glória da shejiná do Senhor foi revelada, o tempo em que o Rei Messias estava destinado a vir foi escondido dele». Mais uma vez, o targúm Neofiti o parafraseia ligeiramente: «Assim que o fim foi revelado a ele, o mistério foi escondido dele… Assim que o mistério foi revelado a ele, foi escondido dele e assim que a porta foi aberta para ele, ela foi fechada para ele».

Agora podemos ver as palavras de Jesus em seu contexto Judaico adequado. «Jesus ensinou no meio do Judaísmo primitivo e, portanto… ele empregou uma linguagem religiosa deste meio que seria familiar para o público Judeu não especializado a que se dirigia».[6] Voltando-se para seus discípulos, em seu discurso em Lucas 10:21-24 Jesus usa a linguagem comum e se refere à ideia comum: todos vocês sabem o que os reis e os profetas (começando pelo Patriarca Jacó, como acabamos de ver) estavam esperando —eles estavam esperando pelos dias do Messias—. Agora, estes dias tão esperados estão acontecendo bem diante de seus olhos: o Messias chegou!

 A porção de Torá de Natal

Então, em certo sentido, esta porção da Torá é um ajuste perfeito para o Natal que se aproxima —Porção da Torá de Natal—Eu sei, alguns dos meus leitores sorririam ceticamente com este título: a afirmação de que «o Natal é um feriado pagão» é tão popular hoje em dia que muitas pessoas preferem não ter nada a ver com o Natal, e definitivamente não esperariam que o Natal fosse mencionado em um blog de estudos Bíblicos Israelense. Sim, não há o que discutir, o Natal é um festival estabelecido pelos homens, mas o ciclo de leitura da Torá também é, não é? Ainda assim, eu acredito que as porções semanais da Torá são divinamente ordenadas e que Deus fala ao seu povo, e a cada um de nós pessoalmente, por meio dessas porções das Escrituras: as Parashót Shavúa. Da mesma forma, através deste feriado de Natal humanamente estabelecido, aqueles que têm ouvidos podem ouvir a mensagem de Deus! Então, vamos ouvir a mensagem do Natal em nossa porção da Torá!

Mais uma vez, estamos em Gênesis 49, onde Jacó pronuncia bênçãos (ou melhor, palavras proféticas, porque nem todas as suas palavras foram uma bênção) sobre cada um de seus filhos. Quando ele abençoou Judá: ele disse: «seus irmãos o louvarão». Temos falado muito sobre Judá nestas páginas, sobre o fato de que, no final do livro, a história de «José e seus irmãos» se torna a história de «Judá e seus irmãos». Também falamos sobre a incrível autoridade que vemos em Judá ao longo de toda esta história (começando no Capítulo 37, onde mesmo em meio ao terrível crime dos irmãos, a voz de Judá é decisiva), e, portanto, não devemos ser ficar surpresos ao ouvir Jacó descrever a autoridade de Judá como dada diretamente por Deus. Mas então, ele declarou que Judá seria um leão, poderoso e forte para destruir seus inimigos, e também um filhote que imaginaríamos como fraco e indefeso. Como vamos conciliar estas duas imagens?

Gostaria de lembrá-los de uma cena incrível do Capítulo 5 do livro do Apocalipse, onde João, que está chorando sobre o livro selado, é informado: «Não chores. Eis que o leão da tribo de Judá, a raiz de Davi, venceu para abrir o livro e os seus sete selos»Ouvindo isso, ele se vira, esperando ver o leão vitorioso, e de repente, em vez de um leão, ele vê «um cordeiro como se tivesse sido morto»Vocês podem imaginar? Vocês estão esperando ver um leão: forte, poderoso e vitorioso, mas em vez de um leão, vocês veem um cordeiro: manso, inocente, indefeso e como «se tivesse sido morto» naquele momento. Esta é uma substituição tão incrível que somente Ele mesmo pode confirmar que este cordeiro foi realmente enviado por Ele e que é o próprio leão. As palavras de Jacó aqui são muito semelhantes, seu significado profético é o mesmo: Judá seria o filhote e o leão.

Comentando essas palavras, Rashi escreve: «Ele profetizou sobre Davi, que a princípio era como um filhote, e no final um leão, quando o fizeram rei sobre eles». No entanto, há outra dica na profecia de Jacó que torna possível que essas palavras vão além do Rei Davi:

«O cetro não se arredará de Judá,
nem o bastão de entre seus pés,
até que venha Siló;
E a Ele obedecerão os povos».

O que é Siló? Ou quem é Siló? Em todo o Tanáj (Antigo Testamento), essa palavra ocorre apenas uma vez, aqui, neste versículo, e o significado da palavra, bem como sua origem, não é claro. Vocês provavelmente conhecem a interpretação Cristã, mas deixe-me compartilhar com vocês o que os comentaristas Judeus escreveram sobre Siló.

Rashi: «[Isto se refere ao] Rei Messias, a quem pertence o reino (שֶׁלוֹ), e assim o fez Onkelos: [até que venha o Messias, a quem pertence o reino]. De acordo com a MidráshAgadá, [Silo é uma combinação de]  לוֹ שַׁי, um presente para ele, como é dito: “tragam presentes todos os que o rodeiam, àquele que deve ser temido”» (Salmo 76:12).

Vocês podem ver agora por que podemos chamar esta Parashá de «porção da Torá de Natal»? Jacó está profetizando sobre a vinda do Messias, que será um filhote e um leão e a quem «será a obediência do povo». Não é esta a mensagem do Natal?

 

Feliz Natal a todos os meus queridos leitores!

Que seus corações e suas casas sejam preenchidos com Sua Alegria e Sua Luz!

 

As percepções que vocês leem nessas páginas são típicas do que compartilhamos com nossos alunos durante os cursos DHB (Discovering the Hebrew Bible/Descobrindo a Bíblia Hebraica) ou WTP (Weekly Torah Portion/Porção Semanal da Torá). Se esses artigos despertarem seu interesse por descobrir os tesouros escondidos da Bíblia Hebraica ou estudar em profundidade a Parashat Shavua, junto com os conhecimentos do Novo Testamentoficaria feliz em fornecer mais informações (e também um desconto de professor paras os novos alunos) em relação aos cursos da eTeacher (juliab@eteachergroup.com).

 

Se vocês gostam dos artigos deste blog, talvez gostem também dos meus livros, vocês podem obtê-los aqui.

 

[1] Jeremías 29:11.

[2] Gênesis 50:16.

[3] Gênesis 50:20.

[4] Gênesis 49:18.

[5] Lucas 10.24.

[6] Bruce Chilton, A Galilean Rabbi and His Bible, 35.

About the author

Julia BlumJulia is a teacher and an author of several books on biblical topics. She teaches two biblical courses at the Israel Institute of Biblical Studies, “Discovering the Hebrew Bible” and “Jewish Background of the New Testament”, and writes Hebrew insights for these courses.

You might also be interested in:

Três Mais Quatro

Por Julia Blum

Join the conversation (No comments yet)

Deixe uma resposta