Quem Foi Melquisedeque? (2)

Melquisedeque como um salvador transcendental

Continuamos nossa discussão sobre um dos documentos mais antigos e surpreendentes descobertos em Qumran, o fragmento chamado 11QMelquisedek. Em nosso último artigo, vimos que a própria seleção dos textos bíblicos em 11QMelquisedek testemunhou uma leitura messiânica deste texto. Melquisedeque de 11QMelquisedek certamente pode ser visto como um salvador escatológico e até mesmo o Messias. E, no entanto, aqui também está claro que ele não é um messias terrestre: a característica mais marcante do Melquisedeque de 11QMelquisedek é que ele não é um ser humano comum e mortal —em vez disso, ele é descrito como uma figura celestialmente exaltada e sua natureza transcendente é evidente—. Como sabemos disso?

Em primeiro lugar, várias passagens bíblicas, cujo assunto original é Deus, estão relacionadas aqui a Melquisedeque. O autor de 11QMelquisedek enfatiza a transcendência de Melquisedeque, aplicando essas passagens diretamente a ele. Por exemplo, a linha 9 da segunda coluna cita Isaias 61: 2 de forma bastante incomum. O profeta bíblico falou sobre o “ano da graça de YHWH” , e o autor do nosso pesher substituiu o tetragrama pelo nome de Melquisedeque: “É o tempo do ano da graça de Melquisedeque“.

Além disso, não só o autor de 11QMelquisedek reinterpreta o “ano da graça de YHWH” como o “ano da graça de Melquisedeque” em Isaías 61: 2a, mas, com toda probabilidade, ele entende Melquisedeque como ‘seu Deus’,אלוהיך , em Isaías 52:7: E “o seu Deus é… [Melquisedeque que os liber]ta[rá [da mã]o de Belial… (linhas 23-25)

Além disso, Melchizedeque aqui se opõe a Belial, o líder angélico maligno e na biblioteca de Qumran, os antagonistas de Belial são seres angélicos (ver, por exemplo, 11QS iii 20-21). Nosso texto mostra claramente, no entanto, que o papel de Melquisedeque é maior que o dos anjos. Ele é um líder das tropas angélicas: de acordo com 11QMelquisedek ii 14, ele não age sozinho, mas todos os seres divinos virão em seu auxilio: כול אלי, provavelmente אלי [הצדק]: Em sua ajuda, todos os deuses de [justiça]… ובעזרו כול אלי [הצדק]… Diz-se que ambos Melquisedeque e Belial tem um “grupo” (גורל), ou seja, pessoas pertencendo inseparavelmente a eles —e em toda a biblioteca de Qumran—, somente Deus ou os lideres dos princípios angélicos têm seu próprio “grupo” (1QM xiii 10-11). Não há dúvida, portanto, de que o autor de 11QMelquisedek está enfatizando a natureza celestial e sobrenatural de Melquisedeque: Melquisedeque aqui é o salvador escatológico transcendente.

Ele também é apresentado aqui como um Salvador Oculto? Alguns dos meus leitores devem lembrar que a minha primeira série neste blog foi sobre o Messias Oculto (a propósito, meu novo livro sobre o Messias Oculto, tendo todas essas postagens e muito mais, está finalmente concluído e será publicado em poucas semanas. O título do livro é: As Though Hiding His Face, e em breve estará disponível na minha página:   https://blog.israelbiblicalstudies.com/julia-blum/  ) . Portanto, é claro, estou interessada em ver se talvez os sectários de Qumran também esperavam que o Messias viesse incógnito. Quem foi o Mestre da Justiça dos escritos de Qumran? Como ele morreu? Os sectários pensaram que ele era o Messias? Em caso afirmativo, como eles explicaram o fato de que tão poucos o reconheceram? Ele era um messias não reconhecido? Ele era um messias silencioso? E onde Melquisedeque entra nesta imagem? Certamente, qualquer dogmatismo deve ser excluído aqui: o estado fragmentário dos restos da biblioteca de Qumran nem sempre nos permite uma indicação clara da visão teológica de um documento ou passagem. No entanto, ainda podemos tentar responder a essas perguntas e, ao fazê-lo, tentar entender o que os sectários de Qumran acreditavam sobre o messias secreto.

Melquisedeque como um “Salvador Oculto”

Voltemos novamente para as primeiras linhas restauradas da coluna II. O texto começa com a citação de Levítico 25:13, ao qual a legislação paralela em Deuteronômio 15:2 é trazida lado a lado de uma maneira tipicamente semelhante ao midrash:

2 […] E quanto ao que ele disse: Levítico 25:13 “Neste ano do jubileu, [vocês voltarão, cada um, para a sua respectiva propriedade”, como está escrito: Deuteronômio 15:2 “Isto é]

3 a maneira (de efetuar) a [libertação: todo credor deve liberar o que emprestou [ao seu vizinho. Ele não deve coagir seu próximo ou seu irmão quando] a libertação de Deus [foi proclamada]”.

O ponto de partida do discurso é a liberação de todas as dívidas que a Torá exige no Ano do Jubileu. Para dar o próximo passo, o autor prossegue com seu próprio pesher em Levitico 25. Neste pesher, o autor descobre um significado escatológico da instituição do Ano do Jubileu: “Sua interpretação nos últimos dias diz respeito aos cativos […]” A palavra “cativos” השבויים, sem dúvida, ecoa Isaías 61:1, e através dessa conexão, o autor é capaz de interpretar escatologicamente o Ano do Jubileu e entender a salvação final como o cumprimento da predição da libertação dos cativos anunciada em Isaías 61: 1, e o último ano da libertação. Neste contexto escatológico, o autor menciona repetidamente o nome de Melquisedeque: há cativos que são a herança de Melquisedeque e, no Ano do Jubileu, ele os fará voltar.

Assim, o significado escatológico do Ano do Jubileu adquire aqui uma nova dimensão: o Ano do Jubileu não é apenas o ano de libertação dos cativos, mas também o ano da salvação de Deus, o ano da restauração de sua liberdade —e também—, o ano da revelação de Melquisedeque como seu salvador. Essa interpretação parece ser confirmada pelo uso do Salmo 7:8b-9a nas linhas 10-11. Após a citação do Salmo 82:1 com referência ao papel celestial de Melquisedeque como Deus e Juiz, o escritor continua a citar o Salmo 7: “E sobre ele, ele dis[se: ‘E] acima [disso] nas alturas, retorno: Deus julgará os povos”. A exaltação de Melquisedeque é chamada aqui um retorno: o texto fala da revelação pública e da instalação daquele que existiu, mas não foi revelado antes desse momento. Assim, em 11QMelquisedek vemos a manifestação do salvador escatológico, que foi mantido oculto e agora é revelado para libertar todos os cativos, cumprindo assim a predição da libertação dos cativos anunciada em Isaías 61:1.

 

 

Continua…

About the author

Julia BlumJulia is a teacher and an author of several books on biblical topics. She teaches two biblical courses at the Israel Institute of Biblical Studies, “Discovering the Hebrew Bible” and “Jewish Background of the New Testament”, and writes Hebrew insights for these courses.

You might also be interested in:

Lech Lecha – O Chamado De...

By Julia Blum

Noé – Uma Maravilhosa...

By Julia Blum

Join the conversation (No comments yet)

Deixe uma resposta