Retratos BÍblicos: O Que Sara Viu?

Dinâmica familiar

Enquanto Isaque crescia, a estrutura complicada de sua família começou a se tornar uma realidade em seu mundo: ele percebeu que seus velhos pais, tão amáveis e amorosos como eram, não podiam brincar com ele. É neste ponto que ele provavelmente voltou sua atenção para seu irmão realmente interessante (ele não sabia e não se importava com a diferença entre um irmão e um meio-irmão), que era o único jovem na família. Ismael estava sempre pronto para brincar com ele, era um arqueiro excelente e pode ter prometido ensinar a disparar um arco assim que ele fosse grande o suficiente para segurar um.

Em minha opinião, não só Isaque amava Ismael, ele absolutamente admirava seu irmão mais velho (como a maioria dos irmãos mais jovens fazem). Eu acho que foi precisamente o grande amor de Isaque por seu irmão e a enorme influência de Ismael sobre Isaque que se tornou a principal razão para a preocupação de Sara (e de Deus). Pensem nisso: se a razão para a reação de Sara em nossa famosa cena tivesse sido a má atitude de Ismael para com seu irmão mais novo, esse confronto teria acontecido muito antes, quando Isaque ainda era um bebê indefeso. Ismael poderia ter expressado sua má atitude em muitas ocasiões antes dessa. No entanto, a história só aconteceu depois que Isaque se tornou uma criança pequena, depois que seu relacionamento com Ismael tornou-se mútuo e Sara podia ver com seus próprios olhos que seu filho tinha um enorme amor por Ismael e que a influência de Ismael representava um grande problema.

O que Sara viu?

«E Sara viu o filho de Hagar, a Egípcia… caçoando».[1]

E agora chegamos novamente àquela cena dramática, à «dinâmica familiar» de Gênesis 21. Isaque tem cerca de dois ou três anos de idade e ele acaba de ser desmamado. Nesta ocasião é dada uma grande festa. Provavelmente durante a festa, ou em torno deste tempo, Sara vê Ismael, agora um adolescente de 16 ou 17 anos de idade, metzajek —«rindo» ou «brincando» ou «caçoando»—. Ela fica enfurecida e diz «a Abraão: “rejeita essa  escrava e seu filho; porque o filho dessa escrava não será herdeiro com Isaque, meu filho”».[2] Porquê? O que Sara viu?

A palavra Hebraica metzajektem significados diferentes, e ninguém sabe exatamente o que significa aqui. Alguns comentários sugerem uma conotação sexual. Afinal, esta é a mesma palavra que encontramos em Gênesis 26, onde se refere à Isaque e Rebeca, sem dúvida com um significado sexual: «Isaque estava brincando (metzajek) Rebeca sua esposa».[3] Tem o mesmo significado aqui? Ismael estava molestando sexualmente Isaque? E foi por causa desse abuso sexual que Sara ficou tão enfurecida? Em Gênesis 26 está bastante claro, Isaque metzajek com Rebeca; enquanto no nosso caso, com base no próprio texto, não é sequer claro que Ismael estava interagindo com Isaque quando Sara o viu —Isaque não é sequer mencionado nesta sentença—. Então, o que Sara viu e por que sua reação foi tão turbulenta? E ainda mais importante: por que Deus apoiou Sara?

 

 

Por que Deus apoiou Sara?

Por que Deus apoiou Sara? Por que Deus apoiou completamente o que parecia ser uma reação muito exagerada de uma mãe enfurecida e ciumenta? Sara poderia ter cometido um erro; nós a vimos cometer erros enormes antes. Então, eu não ficaria surpresa se toda a situação pudesse ser explicada apenas como uma reação exagerada de Sara: é quase assustador descobrir como facilmente e rapidamente perdemos nossa paz interior quando nossos filhos estão envolvidos. Imagino que se Abraão tivesse pensado que esse pedido terrível era apenas uma reação exagerada de Sara, ele não teria ficado tão perturbado. No entanto, para a grande surpresa e desagrado de Abraão, Deus apoiou completamente Sara neste pedido. Porque?

Passemos ao Hebraico para a resposta. Se vocês conhecem letras Hebraicas, vocês vão reconhecer que a palavra metzajek, מצחק, tem a mesma raiz de Itzjak: יצחק. Portanto, ela pode ser lida como um verbo formado a partir da raiz, «Isaque». Sara viu que Ismael estava «Isaqueando» —o que quer que isso possa significar. Ismael provavelmente estava tentando tomar o lugar de Isaque— talvez na família de Abraão, talvez no plano de Deus, talvez em ambos. Em minha opinião, esta explicação inesperada e somente visível no Hebraico, pode explicar, não somente a reação intempestiva de Sara, mas também a ordem de Deus para banir Ismael do acampamento de Abraão.

Independentemente do que Sara viu, Ismael era um filho natural, feito pelo homem. Ele tinha sido concebido e nascido naturalmente, —ao contrário de Isaque—, que era o filho de um milagre, concebido e nascido de uma forma totalmente sobrenatural. Ismael estava «Isaqueando», tentando tomar o lugar de Isaque —e se os meninos continuassem a viver juntos—, nada viria do plano de Deus para fazer da família de Abraão Seu próprio povo particular. Deus queria separar o filho «que não nasceu do sangue, nem da vontade da carne, nem da vontade do homem, mas de Deus»,[4] do filho que nasceu de forma natural e estava destinado a fazer parte do mundo natural. Isaque devia pertencer a Ele completamente. O primeiro mandamento diz: «EU SOU O SENHOR TEU DEUS… não terás outros deuses diante de nim».[5] No caso de Abraão, o Senhor pessoalmente vê que sua família e seu filho guardarão esse mandamento.

Assim, estamos começando a entender que para Isaque crescer na aliança de Deus e como um testemunho de Deus, ele teve que ser tirado da influência de Ismael, e é por isso que os meninos tiveram que ser separados. É por isso que Ismael teve que ser mandado embora. De alguma forma, Sara, em seu amor por Deus, entendeu isso. Sempre me surpreende ver que Deus ainda realiza sua vontade e seu plano através dos erros das pessoas e das reações emocionais. Suponho que a maioria dos meus leitores conheça a história de José e seus irmãos no final do livro de Gênesis. Nessa história, por meio de todas as coisas ruins que os irmãos fizeram a José, Deus ainda realizou Seu plano —para José e para Israel—. O mesmo acontece aqui: como Sara estava emocionalmente envolvida nesta história, ainda parece que ela não estava agindo somente por sua raiva, mas também fora de seu dom profético (exatamente como alguns capítulos mais tarde, na história de Esaú e Jacó, onde foi Rebeca, não Isaque, que viu o plano de Deus e o coração de Deus). Embora a reação dela tenha sido muito emocional e, evidentemente exagerada, separando Isaque de Ismael e conduzindo a ambos para destinos completamente diferentes,  em primeiro lugar, era plano de Deus.

[1] Gênesis 21:9.

[2]Gênesis 21:9,10.

[3] Génesis 26:8.

[4] João 1:13.

[5] Êxodo 20:2-3.

Trechos do meu  livro «Abraham had two sons» estão incluídos nesta série, vocês podem obter este livro e meus outros livros da minha página neste blog:   https://blog.israelbiblicalstudies.com/julia-blum/   . Além disso, meu novo livro «Unlocking the Scriptures» está disponível na Amazon: https://www.amazon.com/s?k=unlocking+the+scriptures+by+julia+blum&crid=2IHYED6W7ZVYI&sprefix=julia+blum+%2Caps%2C689&ref = nb_sb_ss_i_4_11

Se esses artigos despertarem seu interesse por descobrir os tesouros ocultos da Bíblia Hebraicaeu ficaria feliz em fornecer mais informações (e também um desconto de professor para novos alunos) em relação aos nossos maravilhosos cursos  (juliab@eteachergroup.com).

 

About the author

Julia BlumJulia is a teacher and an author of several books on biblical topics. She teaches two biblical courses at the Israel Institute of Biblical Studies, “Discovering the Hebrew Bible” and “Jewish Background of the New Testament”, and writes Hebrew insights for these courses.

You might also be interested in:

TabernÁculos No Novo Testamento

By Julia Blum

Yom Kippur: De Gênesis A...

By Julia Blum

Join the conversation (No comments yet)

Deixe uma resposta