Rosh Hashaná: Feliz Aniversário, Humanidade!

Shalóm y Jág Saméaj, queridos amigos! Vocês provavelmente sabem que aqui em Israel, estamos entrando em uma época chamada Jagím: Festas ou Feriados. Há duas palavras Hebraicas que geralmente se ouvem durante esta época: Ajeréi Hajagím —depois dos feriados—. Tudo está «congelado», adiado, postergado para este momento mas com a firme confiança de que Acherey Hachagim —depois dos feriados— tudo voltará ao normal. No entanto, está tudo muito diferente este ano, e vamos falar sobre isso, mas primeiro, algumas informações básicas.

O que é Rosh HaShaná?

Rósh HaShaná é celebrado no primeiro dia do mês de Tishréi (רֹאשׁ הַשָּׁנָה). Rósh é a palavra Hebraica para «cabeza», shaná significa «año»: portanto, Rósh HaShaná significa Cabeça [do] Ano, referindo-se ao Ano Novo Judaico. Este termo não aparece na Torá. Levítico 23:24  refere-se ao festival como Zikhrón Teru’á  ([um] memorial [do] toque [das trombetas]). Um memorial? O que Rósh HaShaná comemora?

A palavra «memorial» —Zikhrón— parece ser especialmente importante aqui. Sem dúvida, havia um certo significado retrospectivo e comemorativo neste toque do shofár, lembrando Israel da relação de aliança que Deus havia feito com eles no Sinai: talvez, nem todos os meus leitores estejam cientes do fato, que a primeira menção da trombeta na Torá está ligada aos eventos no Sinai: «E o clangor da trombeta ia aumentando cada vez mais: Moisés  falava, e Deus lhe respondia no trovão».[1] No entanto, o ponto importante que não pode ser perdido  é que este termo, «memorial» (Zikhrón), não se refere apenas ao passado. Em Levítico, o termo «memorial»… deve ser traduzido como «uma lembrança» de algo presente, ou de algo próximo, em vez de «memorial», que sugere o passado… A palavra pode, em outras conexões, chamar a atenção para o passado, mas… seu sentido mais comum é chamar a atenção para coisas que estão vindo e de fato ainda não chegaram.[2] Assim, a Festa das Trombetas não é apenas uma comemoração, mas também uma festa profética, chamando a atenção para o que está por vir, mas ainda não está aqui.

Por que este ano é diferente?

Embora não seja época da Páscoa, gostaria de citar a Hagadá da Páscoa: «porque esta noite é diferente de todas as outras noites?». Deus quer que estejamos atentos e vigilantes. Não há dúvida de que as festas bíblicas são mensagens de Deus ao seu povo e à humanidade como um todo, e há uma bênção surpreendente na continuidade dessas mensagens. Porém, quando a mensagem é interrompida por algo —quando é diferente dos anos anteriores— essa diferença também é muito significativa, e certamente não queremos perder o significado dela.

Existem dois fatores muito significativos que tornam este Rósh HaShaná diferente dos anos anteriores. O primeiro e mais óbvio é, claro, COVID-19: mais uma vez (como foi a Páscoa), será uma celebração muito incomum aqui em Israel. Mais uma vez, devido ao confinamento do Coronavírus, não vamos comemorar com parentes e amigos; além disso, mais uma vez, não podemos deixar nossas casas por vários dias. Trancados em nossas casas, estamos terminando este ano incrivelmente difícil —e, no entanto, também estamos começando um novo ano—, na esperança de um novo começo, para a renovação de toda a criação, para um reinício, usando a terminologia de hoje (como reiniciamos o computador, quando algo dá errado). Todos os dias, Deus está renovando Sua obra de criação —mas em Rósh HaShaná essa renovação é especialmente poderosa e significativa—. Não queremos todos esta reinicialização, esta renovação? Todos nós não queremos Sua intervenção soberana?

Rósh HaShaná também é o Dia do Julgamento: Yóm HaDín —e inicia os dez Dias de Temor terminando com Yóm Kipúr—. Embora Deus sempre queira que nos viremos e voltemos para Ele, acredito que Ele espera com especial atenção e expectativa durante este período. A realeza de Deus e nosso arrependimento são os temas principais de Rósh HaShaná e os dez dias de julgamento que se seguem. Amanhã, Israel entrará nestes dias especiais —com apreensão em termos de COVID-19, e com quarentena total— mas talvez, confinados por estes Dias de Temor em nossas casas, seremos levados a nos arrepender, orar, implorar ao nosso Rei? Como nosso Primeiro Ministro disse em seu discurso anunciando o confinamento: «este é realmente um momento para orações».

Então Deus criou o homem

Há outra coisa muito especial sobre Rósh HaShaná este ano. Vocês provavelmente sabem que no Judaísmo, Rósh HaShaná comemora a criação do mundo. No entanto, o dia que celebramos como Rósh HaShaná —o primeiro de Tishréi— não é realmente considerado o aniversário da criação; é considerado o aniversário do sexto dia da criação, quando Adám e Eva foram criados. O aniversário do primeiro dia da criação seria cinco dias antes, no vigésimo quinto dia de Elúl. Por que então, celebramos Rósh HaShaná no primeiro dia de Tishréi?

De acordo com o entendimento Judaico, é somente quando o homem foi criado que toda a criação se tornou significativa. Vemos isso claramente no primeiro capítulo da Torá, onde a lenta ascensão do drama cósmico culmina na criação do homem. À medida que lemos a descrição de cada dia da criação, sentimos a construção da história, então em Gênesis 1:26-27 chegamos ao crescendo: «Então Deus criou o homem à sua própria imagem…». Na tradição rabínica, foi somente o nascimento de humanidade que tornou possível que Deus fosse proclamado Rei. Portanto, Rósh HaShaná não é apenas uma festa Judaica —é o aniversário da humanidade!—.

E aqui está uma coisa maravilhosa sobre Rósh HaShaná este ano, que eu gostaria de compartilhar com vocês: este ano, realmente ele acontece em uma Sexta-feira —no Yóm Shishí, Sexto Dia—. Como se iniciando esta semana, nós realmente entramos no primeiro capítulo de Gênesis e assistimos com temor à sua obra de criação. Nosso Primeiro Ministro anunciou este novo confinamento no Yóm Rishón (Primeiro Dia); estou escrevendo estas linhas na segunda-feira, Yóm Shení (Segundo Dia); provavelmente vocês as lerão na Quinta-feira, Yóm Hamishí (Quinto Dia); mas mesmo assim, vocês podem olhar para trás e contemplar o ritmo incrível desta semana: semelhante a Gênesis 1, a semana inteira foi se construindo e eu sinto como se estivesse subindo as escadas, dando um novo passo a cada dia, chegando finalmente ao maravilhoso apogeu de Rósh HaShaná —no Yóm Hashishí, o Sexto Dia, quando Deus criou o homem!—.

Quero que todos saibam que amanhã é o aniversário da humanidade!

SHANÁ TOVÁ! FELIZ ANIVERSÁRIO A TODOS!

[1] Êxodo 19:19.

[2] Dr. Andrew Bonar, Comentario de Levítico.

 

Os conhecimentos que vocês leem nestas páginas são típicos do que compartilhamos com nossos alunos durante as aulas DHB (Discovering the Hebrew Bible/Descobrindo a Bíblia Hebraica) ou WTP (Weekly Torah Portion/Porção Semanal da Torá). Se esses artigos despertam o seu interesse por descobrir os tesouros escondidos da Bíblia Hebraica ou por estudar em profundidade a Parashát Shavúa, juntamente com os conhecimentos do Novo Testamento,  ficaria feliz em fornecer mais informações (e também descontos de professor para os novos alunos) em relação aos cursos da eTeacher[1] (juliab@eteachergroup.com) .

Se vocês gostam dos artigos deste blog, também podem gostar dos meus livros, podem obtê-los na minha página.

[1] No momento, oferecemos o curso WTP somente em Inglês, enquanto o curso DHB existe tanto em Espanhol quanto em Português.

About the author

Julia BlumJulia is a teacher and an author of several books on biblical topics. She teaches two biblical courses at the Israel Institute of Biblical Studies, “Discovering the Hebrew Bible” and “Jewish Background of the New Testament”, and writes Hebrew insights for these courses.

You might also be interested in:

A Reversão Sagrada

Por Julia Blum

Simját Torá: Olhando Para Trás...

Por Julia Blum

Join the conversation (No comments yet)

Deixe uma resposta