A História De Isaque E Ismael: Hagar (peshat)

O plano de Sara

Ora Sarai, mulher de Abrão, não lhe dava filhos, tendo, porém, uma serva Egípcia por nome Hagar.[1]

A partir dessa frase inicial, pode-se supor que, uma vez que Hagar aparece pela primeira vez dentro do contexto da esterilidade de Sara, a moça terá algo a ver com gravidez. Não sabemos nada sobre a vida de Hagar antes da famosa sugestão de Sara ao marido —mas sabemos que essa moça—, serva Egípcia de Sara, não apenas deu à luz o filho primogênito de Abraão, mas foi tão especial aos olhos do Senhor que ela se tornou a única mulher na Torá a quem Ele se dirigiu duas vezes.

Todos nós conhecemos a história.Disse Sarai a Abrão: “Eis que o Senhor me tem impedido de dar à luz filhos, toma, pois, a minha serva e assim me edificarei com filhos por meio dela. E Abrão anuiu ao conselho de Sarai”.[2] Assim, Hagar tornou-se a primeira mulher desta família a conceber um filho. Ela se tornou um recipiente  precioso que carregou o tesouro pelo qual Abraão esteve esperando por tantos anos. Não é de admirar que as posições tenham sido redefinidas nesse ponto; não admira que Sara, sua senhora, embora livre, poderosa e rica, já não parecesse tão elevada, porque nenhum poder, liberdade ou riqueza a tinham ajudado a fazer o que Hagar fez: conceber o filho de Abraão. Não é de admirar que sua patroa tenha ficado “mais leve” a seus olhos (a expressão literal em Hebraico). E à medida que a distância entre os status das mulheres começou a diminuir, a relação entre elas ficou cada vez mais tensa. Hagar decidiu fugir…

O anjo no deserto

Ela fugiu e achou-se no deserto —completamente sozinha no início—e de repente alguém estava andando e conversando com ela. Encontrar alguém no deserto era bastante incomum, mas as primeiras palavras do estranho provaram a ela  que esta não era um encontro ocasional e que ele não era um peregrino qualquer.

“E Ele disse: Hagar, serva de Sarai, donde vens? E para onde vais?[3]

Quando lemos a Bíblia em Inglês, as letras maiúsculas facilitam muito; elas mostram claramente quando e onde o Senhor fala. Mas não há letras maiúsculas em Hebraico, por isso precisamos reconhecer e distinguir a voz de Deus pelo que Ele está dizendo, não por letras maiúsculas. Nossas vidas reais estão muito mais próximas do texto Hebraico: não há letras maiúsculas aqui; precisamos reconhecer a voz de Deus ou as ações de Deus sem sugestões e dicas adicionais. Hagar reconheceu o orador e, portanto, disse a Ele a plena verdade: “Fujo da presença de  Sarai, minha senhora“.[4]

Então o anjo do Senhor disse a ela: “volta para a tua senhora, e humilha-te sob suas mãos”. Por favor, tirem um momento para pensar nesta resposta. Imaginem-se em meio a circunstâncias muito difíceis e, de repente, vocês recebem uma manifestação: Vocês encontram Aquele que realmente pode fazer qualquer coisa, pode mudar tudo. Vocês não esperariam que Ele os ajudasse a mudar suas circunstâncias? Hagar não pediu este encontro e não o procurou, mas desde que aconteceu, não poderia pelo menos tê-la ajudado um pouco? Por que Ele a manda de volta para a mesma aflição da qual ela está fugindo? Ele não prometeu boas mudanças; Ele não disse que Sara mudaria sua atitude e seria mais misericordiosa e compassiva, ou que a vida de Hagar se tornaria muito mais fácil agora. Ele não disse nada disso. Ele apenas disse: “Volta para tua senhora e humilha-te sob suas mãos”.

Além disso, há aqui um incrível jogo de palavras que está completamente perdido na tradução. Em Hebraico, o verbo que é traduzido como “humilhar” vem da mesma raiz que a palavra “aflito” no versículo 6: “Sarai a afligiu”. Em Inglês, é impossível formar essas duas palavras a partir de uma raiz, mas em Hebraico, é a mesma raiz, embora em diferentes formas: ativa e passiva. Isso torna o significado original ainda mais forte, como se o Senhor estivesse dizendo a Hagar: “Retorne a sua senhora e seja afligida”.

Quando estudamos o uso dessa raiz (‘anah – ענה ) nas Escrituras, a primeira impressão é que a palavra é sempre usada em um sentido negativo, designando apenas ações ruins:

“E quando Siquém, filho de Hamor. . . a viu, e tomando-a, a possuiu, e assim a humilhou.[5]

“Portanto, eles colocaram sobre eles os feitores de obras, para os afligirem.[6]

“A nenhuma viúva nem órfão afligireis.[7]

E, no entanto, não é preciso dizer que, se o Anjo do Senhor usou essa mesma palavra em Sua ordem para Hagar, isso não pode ser completamente negativo. De fato, encontramos ocorrências muito diferentes da mesma palavra referindo-se aos feitos de Deus:

“Recordar-te-ás de todo o caminho pelo qual o Senhor teu Deus te guiou no deserto estes 40 anos, para te humilhar, para te provar, para saber o que estava no teu coração, se guardarias ou não os seus mandamentos. Ele te humilhou… para te dar a entender que não só de pão viverá o homem, mas de tudo o que procede da boca do Senhor, disso viverá o homem”.[8]

A partir dessa Escritura, vemos que, se e quando Deus é Aquele que está causando a aflição, o propósito de Sua ação é “humilhar e testar ” Assim, não era sobre Hagar e Sara, ou o que Sara estava fazendo com Hagar —era sobre Deus e Hagar e o que Deus estava fazendo com Hagar através de Sara—. Deus ordenou que Hagar retornasse para sua ama e se submetesse sob sua mão porque Ele queria humilhá-la e testá-la. Juntamente com Hagar, agora estamos começando a entender: não é sob a mão de Sara que ela deve se submeter; é sob a mão do Senhor.

A moça dá um nome ao Señor

No entanto, antes de Hagar voltar, ela faz algo absolutamente único, algo que ninguém mais na Bíblia faz: ela dá um nome ao Senhor. Nós temos vários exemplos nas Escrituras onde um lugar foi designado de acordo com o que Deus fez lá:

“Tomou Abraão o cordeiro e o ofereceu em holocausto, em lugar de seu filho. E pôs Abrão por nome àquele lugarO Senhor Proverá.[9]

“E Moisés edificou um altar e lhechamou:  O Senhor é Minha Bandeira.[10]

Hagar, no entanto, não menciona apenas um lugar. Ela faz algo completamente diferente do que Abraão ou Moisés fizeram: ela dá o nome, não apenas ao lugar (o lugar também recebe o nome: Portanto, o poço foi chamado Beer Lahai Roi), mas ao próprio Senhor, e isto é algo muito incomum. De fato, é absolutamente único em toda a Escritura

Então ela invocou o nome do Senhor, que lhe falava: Tu és Deus Que Vê, pois disse-lhe: Não olhei eu neste lugar para aquEle que me vê?[11]

Naturalmente, ninguém pode descrever adequadamente o que está acontecendo em um coração durante um encontro com Deus. É diferente para cada pessoa, porque só Deus sabe o que está no coração —só Deus conhece os mais profundos segredos e feridas daquele coração, e Ele é o único que pode tocá-lo e curá-lo—. Embora nós, os leitores, também possamos ouvir a mensagem que o anjo entregou a Hagar, a presença absolutamente irresistível de Deus que a abraçou no deserto —o calor da proximidade de Deus que derreteu completamente seu coração, Seu amor, Sua compaixão, Sua ternura—. Tudo isso permanece escondido para nós entre as linhas. No entanto, era tão real para ela que a única coisa que podia dizer era: El RoiO Deus Que Me Vê —um dos mais profundos nomes de Deus em toda a Bíblia—.

 

Muito, muito mais pode ser dito sobre Hagar, bem como sobre Abraão e Sara nesta complexa história, mas devido às limitações do formato atual (post no blog), tenho que omitir aqui muitos detalhes fascinantes e abordagens em Hebraico. Se vocês estiverem interessados em aprender mais, eu os convido a ler o meu livro “Abraham had two sons”. Cliquem aqui para obter o livro:  https://blog.israelbiblicalstudies.com/julia-blum/   

[1] Gênesis 16:1

[2] Gênesis 16:2

[3] Gênesis 16:8

[4] Gênesis 16:8

[5] Gênesis 34:2

[6] Êxodo 1:11

[7] Êxodo 22:22

[8] Deuteronômio 8:2,3

[9] Gênesis 22:14

[10] Êxodo 17:15

[11] Gênesis 16:13

About the author

Julia BlumJulia is a teacher and an author of several books on biblical topics. She teaches two biblical courses at the Israel Institute of Biblical Studies, “Discovering the Hebrew Bible” and “Jewish Background of the New Testament”, and writes Hebrew insights for these courses.

You might also be interested in:

Decifrando Os Evangelhos Com O...

By Julia Blum

Decifrando Os Evangelhos Com O...

By Julia Blum

Join the conversation (No comments yet)

Deixe uma resposta