A Batalha Dos Pastores De Israel (parte 2) (joão 10:22-41)

86525584 (Para ler A Batalha dos pastores de Israel – Parte 1 clique AQUI).

“22  Naquela época, a Festa da Dedicação ocorreu em Jerusalém. Era inverno, 23  e Jesus estava andando no templo, no alpendre de Salomão”.

Fica claro que a festa de Hanukkah está sendo considerada aqui. Hanukkah significa dedicação, remetendo a história da purificação do Templo e sua conseqüente reinauguração após o levante dos Macabeus. Hannukah também era conhecido como o festival das luzes e no inverno, quando a noite começa muito cedo, o Templo brilhava com brilho e beleza inimaginável. Herodes o Grande projetou o Templo para aumentar seu próprio status, tornando o Templo de Jerusalém, o edifício religioso mais impressionante do Império Romano. Por isso, é nesta estrutura impressionante do mundo Romano que essa conversa ocorre.

“24 Então os Judeus se reuniram em torno dele e disseram-lhe: “Quanto tempo você vai nos manter em suspense? Se tu és o Cristo, dize-nos claramente”.

Este texto é um dos mais frequentemente citados e mal interpretados no Evangelho de João. Aqui vemos as autoridades hierosolimitanas  abordando Jesus e formulando  diretamente  sua pergunta. A maneira como estamos acostumados a ler e interpretar este encontro é a seguinte. Preste atenção especial ao ponto de ênfase: “Quanto tempo você vai nos manter em suspense? Se você é o Messias (Cristo), diga-nos CLARAMENTE.” No entanto, acho que esta leitura está incorreta e a ênfase deve ser colocada em outra parte da frase. Antes deve ser lida assim: “Quanto tempo vai nos manter em suspense? Se você é o Messias (Cristo), diga-NOS claramente”.

Ve-se que não havia nada vago sobre o ministério e os ensinamentos de Jesus quando ele viajou pela  Galiléia Judaica e Samaria Israelita  realizando sinais e fazendo afirmações incríveis. Ele não veio através dos canais oficiais aprovados. Portanto, os Hoi Ioudaioi disseram a ele. “Faça a coisa certa. Não seja independente. Apresente-nos sua candidatura a Messias. Nós, então, decidiremos o que fazer a respeito. Não o faça por si só”.

“25 Jesus respondeu-lhes: “Eu disse a vocês, e vocês não acreditam. As obras que eu faço pelo poder do nome do meu Pai testemunham de mim, 26  mas vocês não acreditam, porque vocês não são minhas ovelhas. 27  As minhas ovelhas ouvem a minha voz, e eu as conheço, e elas me seguem. 28  Dou-lhes a vida eterna, e nunca hão de perecer, e ninguém as arrebatará da minha mão. 29  O poder que o Pai me deu, é maior do que tudo, e ninguém pode arrebatá-las da mão do Pai”.

Jesus, como fez anteriormente, recusou-se a submeter-se à autoridade dos Hoi Ioudaioi. Jesus afirmou que a autoridade deles era inferior a de seu Pai. Seu Pai já havia aprovado a missão de Jesus em Israel, portanto, a  aprovação deles era totalmente desnecessária. A razão pela qual eles não acreditavam em suas palavras é simplesmente porque sua voz era estranha para eles. Porque eles não conhecem realmente o Pai, eles não conheciam o filho. Provavelmente, nos vss 27-29 temos novamente uma indicação de que os Hoi Ioudaioi estavam divididos entre si. É possível que Jesus estivesse novamente falando em uma reunião mista de Hoi Ioudaioi opositores e seguidores.

“30 Eu e o Pai somos um. ” 31  Os Judeus pegaram outra vez pedras para apedreja-lo. 32  Jesus respondeu-lhes: “Tenho-vos mostrado muitas obras boas da parte do Pai; por qual delas vocês vão me apedrejar” 33  Os Judeus responderam-lhe: “Não é por nenhuma obra boa que vamos  te apedrejar, mas por blasfêmia, porque, sendo tu homem, te fazes Deus”.

Vimos nas seções anteriores deste comentário que em várias tradições Judaicas da época de Jesus havia um entendimento de que Deus poderia aparecer na forma de um homem e que o Logos de Deus poderia de fato ser manifestado. Havia muitas tradições Judaicas que esperavam esse tipo de manifestação. A resposta dos Hoi Ioudaioi é, no entanto, simplesmente uma rejeição que Jesus era o cumprimento de tais tradições e expectativas. Assim, é lógico que se alguém pensa que Jesus é meramente humano, sua afirmação  de divindade (neste caso a unidade com seu Pai) poderia ser considerada extrema, perigosa e, nesse contexto, digna de uma ação disciplinar (até a morte).

“34 Jesus respondeu-lhes: “Não está escrito na vossa lei: ‘Eu disse: Vós sois deuses ‘? 35  Se a lei chamou deuses a quem a palavra de Deus veio e a Escritura não pode ser destruida – 36  dizeis daquele a quem o Pai consagrou e enviou ao mundo, ‘Você está blasfemando’, porque eu disse: ‘Eu sou o Filho de Deus’? 37  Se eu não faço as obras de meu Pai, então não creiam em mim; 38 mas se eu faço e vocês não acreditam em mim, então crede nas obras, para que possais saber e compreender que o Pai está em mim e eu estou no Pai”.

Este foi um dos textos  que ninguém foi capaz de explicar adequadamente. A meu ver, a melhor explicação é a seguinte. Os Hoi Ioudaoi disseram basicamente a Jesus: “Você não pode chamar a Deus seu Pai como faz, afirmando que de uma forma muito especial você é Seu Divino Filho. Somos todos seus filhos. A filiação única de Deus existe, mas apenas para o rei coroado de Israel. Você não é ele. Assim, você não só diz que é um filho especial de Deus, mesmo não sendo um rei, mas de tudo o que você já disse, nós chegamos à conclusão inevitável de que você também está afirmando ser divino. Esse tipo de coisa não pode ser tolerado. Tem de ser limpo da culpa a todo  custo”.

O argumento de Jesus, no meu  melhor entendimento, é o seguinte: “Em um dos Salmos (Sl.82), há uma frase que descreve o magistrado civil (pessoas dotadas por Deus com autoridade limitada para desempenhar as suas funções civis) como Deus (Elohim) que em vez disso também pode ser traduzido como deuses no plural. Então Deus achou por bem usar a palavra que descreve a si mesmo (Elohim) para descrever também uma autoridade limitada, dada a meras pessoas que dirigiam em posições governamentais. A grande diferença entre eles e Jesus é esta – eles  tinham a palavra de Deus que veio a eles e Ele era a palavra de Deus. Assim, a lógica é a seguinte. Se as pessoas no governo podem ser chamadas de Deus ou deuses, então alguém com autoridade muito maior / ilimitada (Jesus) pode certamente ser chamado de Filho de Deus. Se a primeira é verdadeira, este deve ser, certamente, o caso da última.

M“39 Mais uma vez eles tentaram prendê-lo, mas ele escapou de suas mãos. 40  Ele saiu novamente do outro lado do Jordão, para o lugar onde João batizava no princípio, e ali permaneceu. 41  E muitos vieram a ele. E eles disseram: “João não fez sinal algum, mas tudo o que ele disse a respeito deste homem era verdade.” 42  E muitos creram nele lá”.

Então muitos da Galiléia Judaica foram ter com Jesus. Eles disseram que quando João ministrou, seu ministério não foi acompanhado por declarações de sua nomeação divina (milagres), mas suas palavras eram absolutamente verdadeiras. Lemos sobre isso em João 1:32-34 : “E João testemunhou:” Eu vi o Espírito descer do céu como uma pomba e repousar sobre ele. Eu mesmo não o conhecia, mas aquele que me enviou a batizar com água me disse: ‘Aquele sobre quem vires o Espírito descer e permanecer, esse é o que batiza com o Espírito Santo.’ E eu já vi e já vos dei testemunho de que este é o Filho de Deus”.

A Galiléia Judaica recebeu Jesus mais uma vez. Por seu testemunho eles confirmaram o testemunho de João Batista, que estava totalmente convencido de que Jesus era de fato o Filho de Deus.

 

About the author

Dr. Eli Lizorkin-EyzenbergTo secure your spot in our new course “The Jewish Background of New Testament” - CLICK HERE NOW

You might also be interested in:

Ainda Sobre O Sukkot

By Julia Blum

“sua Alegria Será...

By Julia Blum

Join the conversation (No comments yet)

Deixe uma resposta