Cura Do Homem Cego De Nascença: Parte Ii (joão 9:8-40)

87517639“8 Seus vizinhos e outras pessoas que o conheceram como um mendigo cego, perguntavam uns aos outros: “Não é este o homem que costumava sentar-se e mendigar?” 9 Alguns diziam que era ele , e outros : “Não, ele apenas se parece com ele! “Mas o mendigo continuava dizendo:” Sim,  sou eu mesmo! ” 10  Eles perguntaram: “Quem te curou? O que aconteceu? ” 11  Ele lhes disse:  “O homem chamado Jesus fez lodo e untou-me os olhos e disse-me: ‘Vai  ao tanque de Siloé e lava-te.’ Então eu fui, lavei e agora vejo!”

É altamente significativo que Jesus, após a cura do cego, mandou-o se lavar no tanque de Siloé. Você deve se lembrar que quando Jesus curou um homem perto do tanque de Betesda ele não lhe ordenou  para se lavar.

“12 Onde ele está agora?” eles perguntaram. “Eu não sei”, respondeu ele. 13  Então eles levaram o homem que tinha sido cego aos fariseus, 14 porque foi no sábado que Jesus tinha feito lodo e curado. 15  Os fariseus perguntaram ao homem tudo que tinha ocorrido. Então ele lhes disse: “Ele pôs lodo nos meus olhos, e quando eu lavei-me, pude ver!” 16  Alguns dos fariseus disseram: “Este homem Jesus não procede de Deus, pois ele está trabalhando no sábado.” Outros diziam: ” Mas como pode um homem pecador fazer tais sinais miraculosos?” Então, houve uma profunda divisão de opiniões entre eles”.

Fariseus eram os favoritos dos habitantes judeus urbanos. É provável que a razão pela qual as pessoas iam para os fariseus era que o movimento farisaico era um movimento religioso de raízes  e estava menos ligado ao estabelecimento do Templo do que os saduceus. Na época de Jesus, o papel de sacerdotes, que eram em grande parte saduceus, era em muitos aspectos assumido pelo muito mais popular e progressista  movimento farisaico.

Os judeus nunca chegaram a um acordo sobre qualquer assunto, uma vez que conectada a qualquer outra coisa. Desta vez não foi exceção. Alguns dos fariseus consultados sobre o feito de lodo de Jesus, e atividade que quebra a guarda do sábado, enquanto outros não. Alguns deles citaram isso como uma prova da inocência de Jesus e do fato de que Deus concedeu-lhe poderes sobrenaturais, portanto, aprovando o seu ministério.

“17  Então os fariseus novamente questionaram o homem que tinha sido cego e perguntaram: “Qual é a sua opinião sobre este homem que te curou?” O homem respondeu: “Eu acho que ele deve ser um profeta”.

Dado o fato de que nem todos os fariseus eram contra Jesus sobre este assunto, não devemos assumir que a investigação sobre a cura do homem só rendeu impressões negativas do primeiro. É possível que dois partidos dentro do campo farisaico estavam debatendo entre si e, neste caso, tiveram pontos de vista muito diferentes sobre a pessoa de Jesus. Ele era um pecador ou ele era um santo? Coube ao ex-cego relatar o que ele pensava e o que ele pensava que lhe tinha acontecido.

Mas não foi tão simples. O lado dos que não aprovaram Jesus era muito mais poderoso do que o grupo entre os fariseus que o amavam. Portanto, a reação predominante e o posterior interrogatório dos hoi Ioudaioi(judeus)  ao homem que tinha sido cego foi esmagadoramente negativa. (Lembre-se, os fariseus faziam parte dos “hoi Ioudaioi”(judeus) e ainda os “hoi Ioudaioi” (judeus) e os fariseus não são equivalentes).

“18 Os judeus ainda se recusavam a acreditar que o homem era cego e agora podia ver, por isso chamaram os pais dele”.

Aqueles que rejeitaram a Jesus e sua chamado divino tiveram que também rejeitar os seus milagres, porque o Deus de Israel (o argumento aceito por todos) não iria dotar alguém de quem ele não aprovava com poder de realizar um milagre.
A coisa mais importante aqui não foi propriamente a cura. Não foi nem mesmo o fato de abrir os olhos do cego. A questão era algo muito mais poderosa:  foi fazer o homem que tinha sido cego desde o nascimento ver!

As autoridades recusaram a acreditar que o homem, na verdade era cego de nascença. Eles chamaram testemunhas que validaria a suspeita crescente de que esta era,  ou uma farsa, ou um caso de cura parcial, que era comum no mundo antigo. Ninguém conheceria melhor o cego do que seus pais.

“19  Perguntaram-lhes: “É este o seu filho? Que disseste que nasceu cego? Se assim for, como ele pode ver agora? ” 20  Seus pais responderam: “Sabemos que este é nosso filho e que nasceu cego, 21  , mas não sabemos como ele pode ver ou quem o curou. Pergunte a ele. Ele tem idade suficiente para falar por si mesmo. ” 22  disseram seus pais isso porque tinham medo dos líderes judeus, que haviam anunciado que alguém dizendo que Jesus era o Messias seria expulso da sinagoga.23  É por isso que eles disseram: “Ele é idade suficiente. Pergunte a ele”.

A perseguição aos seguidores de Jesus já tinha começado. A principal forma que Jesus e seus seguidores foram rejeitados foi expulsar seus seguidores e simpatizantes de sinagogas.

Uma palavra sobre sinagogas do tempo de Jesus é, provavelmente,  ordem. Em suma, as sinagogas eram diferentes do que são hoje. A sinagoga era algo como um mini-centro comunitário judaico, não organizado em torno do que chamaríamos hoje “atividade religiosa”; como adoração e estudo da Torá (embora sem dúvida incluído), mas em torno de coisas como hospitalidade aos viajantes, cuidar dos pobres e outras atividades que apoiavam a comunidade.

Além disso, é importante perceber que havia sinagogas sob o controle religioso de uma variedade de facções religiosas judaicas. Este é provavelmente o que estava por trás de uso de Mateus de “sinagogas” versus “nossas sinagogas.” Em e ao redor de Jerusalém, no entanto, todas as sinagogas estavam sob o controle formal dos ”hoi Ioudaioi”(judeus) por isso não havia “nossas” sinagogas e sinagogas “deles”.

“24  Então, pela segunda vez, chamaram o homem que tinha sido cego e disseram-lhe: “A Deus deveria ser dada glória por isso, porque sabemos que este homem Jesus é um pecador.” 25  “Eu não sei se ele é um pecador “, respondeu o homem. “Mas o que eu sei é isso: eu era cego, e agora eu posso ver” 26  “Mas o que ele fez” eles perguntaram. “Como é que ele te curou?” 27  “Olhe!” o homem exclamou. “Eu te disse uma vez. Você não ouviu? Por que você quer ouvir de novo? Você quer tornar-se  discípulo dele também? ” 28  Então eles o amaldiçoaram e disseram: “Tu és seu discípulo, mas nós somos discípulos de Moisés! 29  Sabemos que Deus falou a Moisés, mas este homem nem sabemos de onde vem. ” 30  “Ora, isso é muito estranho!”, respondeu o homem. “Ele curou os meus olhos, e mesmo assim você não sabe de onde ele vem? 31  Sabemos que Deus não ouve a pecadores, mas ele está pronto para ouvir aqueles que o adoram e fazem a sua vontade. 32 Desde que o mundo começou, ninguém foi capaz de abrir os olhos de alguém que nasceu cego.33  Se esse homem não fosse de Deus, ele não poderia ter feito isso. ” 34  “Você nasceu cheio de pecados!”, responderam eles. “Você está tentando nos ensinar?” E lançaram-no fora da sinagoga”.

Esta é uma história importante porque prova uma vez por todas que os hoi Ioudiaoi (judeus) são nada menos que as autoridades de Jerusalém. Eles vieram para o homem curado, dizendo-lhe de antemão qual era a resposta a ser  aceita. Ele, no entanto, rejeita a sua resposta, dizendo que ele não era um teólogo treinado e não deveria ser questionado sobre os meandros da teologia e da Halachá (o que é lícito e o que não é). Ele só sabe que ele era cego de nascença e agora ele vê tudo perfeitamente! Eles continuaram com  o questionamento de como exatamente Jesus o curou. Neste ponto, o homem sarcasticamente pergunta se por acaso eles também querem se tornar discípulos de Jesus, uma vez que estão tão interessados nele. Eles, então, pronunciam uma maldição sobre o homem a quem Deus acaba de  abençoar com o milagre da visão. Persistem que eles não sabem onde Jesus vem e com que autoridade ele faz o que ele faz. O sarcasmo do homem curado revelou que tinha encontrado  sua nova confiança .Ele disse-lhes: “Hm …. É estranho que vocês  não sabem ” Então, ele usou seu próprio argumento contra eles.” Sabemos que Deus não ouve a pecadores, mas ele está pronto para ouvir aqueles que o adoram e fazem a sua vontade. Desde que o mundo começou, ninguém foi capaz de abrir os olhos de alguém que nasceu cego. Se este homem não fosse de Deus, ele não poderia ter feito isso. “(Vs.31-33). Eles ficaram furiosos e acusaram o homem de insubordinação e o excomungaram da sinagoga, possivelmente, removendo-o fisicamente.

“35  Quando Jesus ouviu o que tinha acontecido, ele encontrou o homem e perguntou: “Você crê no Filho do Homem?” 36  O homem respondeu: “Quem é ele, senhor? Eu quero crer nele. “37  “Você já o viu”, disse Jesus, “e ele está falando com você!” 38  Sim, Senhor, eu creio! “, disse” o homem. E ele adorou Jesus”.

Quando Jesus curou o cego, devemos ter em mente que o homem não vê Jesus naquele momento.Quando a luz irrompeu através de sua cegueira, foi muito emocionante e muito confuso. É duvidoso que o homem sequer reconhecesse Jesus se ele fosse vê-lo novamente. Além disso, a ele provavelmente foi dito sobre o cuspir e o lodo que Jesus fez antes de sua cura por aqueles que testemunharam o milagre,um vez que ele não saberia que este fato sobre o que Jesus tinha feito era verdade.

Jesus perguntou ao homem curado que tinha sido cego, se ele acreditava no Filho do Homem. Filho da teologia judaica o homem já estava muito desenvolvido no judaísmo, tanto no texto canônico (para os padrões mais recentes) ( Dan.7: 14 ), bem como em textos não-canônicos, como material de Enoque. Dada a acusação do pecado de Jesus, é intrigante que o Filho do Homem, em alguns escritos teológicos judeus foi caracterizado pela justiça absoluta:

“Este é o Filho do homem que nasce para a justiça, e justiça permanece sobre ele, e a justiça do Chefe dos Dias não o abandona. E disse-me: ‘Ele proclama a ti paz em nome do mundo vindouro, pois a partir daí procedeu paz desde a criação do mundo, e assim será a ti para sempre e para todo o sempre”(Enoque 71:14-17).

Quando o homem reconheceu que ele estava pronto para aceitar o Filho do Homem e acreditar nEle, Jesus revelou sua identidade que ele era o Filho do Homem da expectativa judaica apocalíptica. O homem que Jesus curou respondeu com uma afirmação de fé e adoração diante do Logos de Deus, que lhe deu luz. Isso remonta a João 1:9 : “A luz verdadeira, que ilumina a todos, estava chegando ao mundo”.

“39  Então Jesus lhe disse: “eu vim para este mundo para  juízo para dar vista aos cegos e para mostrar aqueles que pensam que vêem que são cegos”.

Jesus revelou muito mais para o cego curado. Jesus disse a ele (e a nós por extensão) que a própria razão pela qual ele tinha vindo era para julgar. Isso significa, em alguns casos, que ele daria a vista aos cegos fisicamente e, em alguns casos, isso significaria tirar a visão espiritual daqueles que achavam que podiam ver.

“40  Alguns fariseus que estavam nas proximidades, ouviram-no e perguntaram: “Você está dizendo que nós somos cegos?” 41  “Se fôsseis cegos, não teriam pecado”, respondeu Jesus. “Mas o pecado permanece porque você diz que você pode ver”.

O confronto continua. Os fariseus, que ouviram essa conversa desafiaram Jesus sobre sua afirmação de que eles eram cegos. O ponto o qual ponto Jesus respondeu que teria sido um benefício para eles terem sido cegos, porque que eles não poderiam ser acusados de nada. Mas no seu caso, eles devem ser processados em toda a extensão da lei, porque pela sua própria confissão, eles podiam ver muito bem.

About the author

Dr. Eli Lizorkin-EyzenbergTo secure your spot in our new course “The Jewish Background of New Testament” - CLICK HERE NOW

You might also be interested in:

Ainda Sobre O Sukkot

By Julia Blum

“sua Alegria Será...

By Julia Blum

Join the conversation (One comment)

Deixe uma resposta

  1. Abner

    Excelente explicação!