De Jerusalém A Roma: Jerusalém Mais Uma Vez

Meus queridos leitores, continuamos lendo o livro de Atos. Estamos agora no Capítulo 23, novamente em Jerusalém e, portanto, há muitos detalhes neste capítulo que exigem o conhecimento de seu contexto Judaico.

Paulo e o Sinédrio

O Capítulo 23 começa com a convocação do Sinédrio. As palavras de Lucas «Paulo, olhando atentamente para o Concílio», provavelmente refletem o costume de trazer testemunhas no meio dos juízes. Nesta época, apesar da ocupação Romana, o Grande Sinédrio em Jerusalém ainda era a mais alta autoridade judicial, política e administrativa do país. O Apóstolo presumivelmente estava de pé no centro do tribunal, os membros interrogadores do Sinédrio sentados ao seu redor, e Paulo, assim, encarando-os diretamente. Os acusados tinham a oportunidade de falar em seu próprio nome perante o Sinédrio e é exatamente isto que Paulo está fazendo aqui.

Essas palavras iniciais são extremamente notáveis. Olhando atentamente para o Concílio, Paulo provavelmente reconheceu muitos rostos familiares no Sinédrio, já que ele mesmo pode ter sido um membro do Sinédrio. Como sabemos disso? Vocês se lembram da história de Estevão? Quando Estêvão foi apedrejado pelo Sinédrio, Paulo estava presente: «As testemunhas depuseram suas túnicas aos pés de um jovem chamado Saulo».[1] Esta é a primeira menção de Paulo no Novo Testamento. Todos sabemos que em breve Saulo experimentará uma revelação de Jesus e se tornará seu seguidor apaixonado e Apóstolo. Enquanto isso, porém, ele estava lá. Por quê? Ele estava lá por causa de seu zelo ou por causa de seu status formal? Ele queria estar lá ou ele tinha que estar lá?

O Sinédrio era o corpo religioso supremo na terra de Israel durante a época do Segundo Templo. Embora Saulo claramente tivesse alguma autoridade formal, não podemos dizer com certeza se ele era membro do Sinédrio ou apenas contratado pelos sacerdotes para perseguir os crentes. No entanto, aqui está o que o Talmúd diz sobre a sentença de apedrejamento durante o período do Segundo Templo: «um homem ficava postado na porta do pátio com a bandeira de sinalização na mão, e um cavaleiro ficava postado à distância ainda à sua vista, e então, se alguém diz: “Tenho algo a declarar a seu favor”, o sinalizador acena a bandeira e o cavaleiro corre e os impede».[2] Esta bandeira de sinalização era chamada em Hebraico de sudár, a palavra também pode significar «lenço, xale».

David Stern, em seu «Jewish New Testament Commentary», expressa a opinião de que um escritor Grego de Atos (ou um tradutor Grego de Atos de um presumível texto original Hebraico) não entendia o contexto Judaico e, portanto, escreveu sobre colocar capas aos pés de Saulo, enquanto Saulo era de fato um membro do Sinédrio segurando a bandeira de sinalização: sudár. Se esta interpretação estiver correta, então a história de Estêvão pode ser lida como uma evidência de que Paulo era membro do Sinédrio antes de sua conversão. Além disso, a cena de abertura do Capítulo 23, descrevendo Paulo olhando atentamente para os rostos dos membros do Sinédrio, pode ser lida como uma prova adicional desta interpretação: Paulo está realmente falando diante de seus antigos colegas. Talvez, esta seja a razão pela qual ele os chama de «irmãos»?

Os fariseus e os saduceus

No versículo 6, Lucas nos informa que no Sinédrio, «uma parte eram saduceus e a outra fariseus»Mais tarde lemos que «surgiu uma dissensão entre os fariseus e os saduceus; e a assembleia se dividiu». Quem eram os fariseus e os saduceus, e por que estavam divididos?

Vocês provavelmente sabem que os seguidores de Jesus não estavam sozinhos na cena Judaica durante o período do Segundo Templo, e para ler o Novo Testamento corretamente, é preciso entender quem mais estava em cena e o que estava acontecendo lá. Havia muitas diretrizes e ensinamentos diferentes no Judaísmo antes da destruição do Templo e mesmo que a Torá fosse uma base inabalável e inquestionável para todas estas diretrizes e ensinamentos, eles ainda tinham entendimentos e interpretações muito diferentes da Torá, e diferiam significativamente tanto na teologia como na prática. Neste sentido, os dois principais grupos do establishment religioso da época —fariseus e saduceus— apresentam um exemplo maravilhoso.

Os saduceus (tz’dukím) eram os sacerdotes e seus apoiadores, chamados em homenagem ao Sumo Sacerdote, Tzadók (justo), nomeado pelo Rei Salomão. Eles eram os principais responsáveis pelo sistema sacrificial no Templo. O segundo grupo, que realmente desafiava a autoridade dos sacerdotes, chamava-se Prushím (fariseus). Sua principal preocupação não era os sacrifícios no Templo, mas viver de acordo com a Torá e separação do mundo e dos caminhos mundanos (Prushím significa «separados»).

Durante o período do Segundo Templo, os saduceus tendiam a ser mais ricos, mais dispostos a cooperar com os governantes Romanos e mais mundanos mais ocupados com este mundo e esta vida. Uma das expressões desse mundanismo foi a negação da ressurreição dos mortos. Portanto, quando Paulo disse que «sobre a esperança e ressurreição dos mortos», ele estava sendo julgado o partido dos fariseus se levantou e disse: «Não achamos nenhum mal neste homem!». Lemos que «surgiu uma grande dissensão» e entendemos que Paulo conseguiu desviar a atenção do Sinédrio de si mesmo, para uma longa disputa entre eles. É preciso realmente conhecer as ideias e interpretações das diferentes escolas desta época, para entender este episódio peculiar e não perder o que o público original teria visto, ouvido ou sentido.

 O tio e o sobrinho

Em Atos 23:16, encontramos «o filho da irmã de Paulo», que conta a Lísias sobre a trama e realmente ajuda a salvar a vida de Paulo: «Então, quando o filho da irmã de Paulo soube da emboscada, foi e entrou no quartel e contou a Paulo…».

Embora Lucas escreva sobre isso de maneira tão casual, como se seus leitores conhecessem bem a família de Paulo, na verdade nos perguntamos: quem era este sobrinho? A família de Paulo morava em Tarso; mas não sabemos nada sobre a irmã de Paulo e seu sobrinho que estava visitando ou morando em Jerusalém. Por que ele estava em Jerusalém? Como ele soube da trama? E como ele entrou no quartel Romano?

Em primeiro lugar, quantos anos tinha este «filho da irmã de Paulo?». A palavra Grega usada no versículo 17 geralmente se refere a um jovem. No entanto, visto que «o comandante o tomou pela mão» (Atos 23:19), é provável que ele fosse bem jovem uma criança, não um adulto. De acordo com Atos 22:3, Paulo cresceu em Jerusalém «aos pés de Gamaliel»; o sobrinho de Paulo pode ter seguido seu exemplo. O tio e o sobrinho podem ter sido muito próximos, e isso explicaria a ousada expedição do menino para salvar a vida de Paulo. Desde que ele era uma criança, sua presença não teria alarmado os conspiradores, talvez por isso ele soubesse da trama. Desde criança, podia entrar facilmente no quartel Romano; naquela época, era comum os presos serem alimentados pela família, e uma criança seria considerada um membro da família. Seu fácil acesso ao Antonia era provavelmente uma consequência de sua juventude.

No entanto, o ponto mais importante é este: por ser menor de idade, estava totalmente isento de qualquer responsabilidade criminal e, portanto, não seria legalmente responsável perante o Sinédrio. De acordo com a lei Judaica, menores (קטינים) são incompetentes como testemunhas até atingirem a idade de treze anos. Mais uma vez, conhecer os detalhes da vida Judaica nos ajuda a obter uma nova compreensão destas histórias familiares.

 

 

[1] Atos 7:58.

[2] Sinédrio 42b.

 

Trechos dos meus livros estão incluídos em muitos posts aqui, então se vocês gostam dos artigos deste blog, vocês também podem gostar dos meus livros,  vocês podem obtê-los aqui. Além disso, gostaria de lembrá-los, queridos amigos, que oferecemos um curso maravilhoso «Antecedentes Judaicos do Novo Testamento». Como sempre, vocês podem entrar em contato comigo (juliab@eteachergroup.com ) para obter mais informações e descontos para os novos alunos. 

About the author

Julia BlumJulia is a teacher and an author of several books on biblical topics. She teaches two biblical courses at the Israel Institute of Biblical Studies, “Discovering the Hebrew Bible” and “Jewish Background of the New Testament”, and writes Hebrew insights for these courses.

You might also be interested in:

Três Mais Quatro

Por Julia Blum

Join the conversation (No comments yet)

Deixe uma resposta