Meditações Antes Da Páscoa

Meus caros leitores, estou enfrentando um verdadeiro desafio esta semana. A leitura da semana passada consistia de duas porções da Torá, portanto, eu deveria comentar duas Parashót, e não uma. Não tive espaço suficiente para a segunda, porém, e portanto, a última porção do Êxodo ainda está para ser discutida. Enquanto isso, começamos não apenas uma nova porção da Torá, mas um novo livro da Torá; e por cima de tudo isso, a Páscoa —Pésaj— está se aproximando rapidamente (como alguns de vocês provavelmente sabem). Portanto, tenho uma tarefa tripla neste artigo: comentar sobre Pikudéi (a última parte do Êxodo), discutir Vayikrá (a primeira parte do Levítico) e compartilhar alguns pensamentos sobre Pésaj.

Pikudéi

As porções finais do livro de Êxodo, em sua totalidade, descrevem os esforços de Moisés e todo o povo de Israel na construção do tabernáculo —o maravilhoso santuário móvel que acompanharia o povo Judeu em sua longa jornada no deserto— e era para ser estabelecido na terra de Israel quando eles finalmente chegassem lá. Finalmente, no último capítulo, os versículos finais do livro do Êxodo nos informam sobre a conclusão deste santuário: «Assim Moisés acabou a obra».[1] O que acontece depois?

«Então a nuvem cobriu a tenda da congregação… Moisés não podia entrar na tenda da congregação, porque a nuvem permanecia sobre ela».[2] Uma nuvem espessa cobriu o santuário recém-construído. Por causa desta nuvem, o próprio Moisés foi incapaz de entrar no santuário. Vocês podem imaginar? Depois de todo o esforço despendido nesta construção,  ele foi coberto por uma nuvem e parecia totalmente inacessível e totalmente inútil.

Sim, claro, AGORA todos sabem que não era apenas uma nuvem: era a glória de Deus! A presença de Deus cobriu o santuário! No entanto, pensem naquele primeiro momento em que acontecia: como eles poderiam saber exatamente o que era essa nuvem? Tenho certeza de que Moisés teve fé, e não duvidou ou questionou Deus, mas também tenho a certeza de que havia muitos lá que estavam reclamando, se perguntando por que razão no mundo eles haviam passado tanto tempo construindo exatamente o que agora parecia ser tão inútil. A escolha é sempre nossa: louvar a Deus por sua presença cobrindo o tabernáculo ou reclamar da nuvem inoportuna, interferindo em nossos planos.

Vayikrá

De uma forma maravilhosa —como tudo na Torá— esta escolha é refletida pela primeira palavra de nossa porção VaYikrá. Já escrevi sobre isso, mas acho que vale a pena mencionar sempre que vamos ao livro de Levítico —Vayikrá—. No texto original em Hebraico, a primeira palavra desta porção e deste livro —a palavra Vayikra— tem uma característica peculiar: é escrita com um pequeno álef no final. Existem três tamanhos de letras na Torá: intermediário, superdimensionado e em miniatura e cada vez que vemos uma letra de um tamanho diferente, devemos procurar por uma explicação profunda. Então, por que temos esse álef em miniatura aqui?

Nossos sábios ofereceram diferentes explicações, principalmente a respeito da humildade: eles disseram que Moisés havia alcançado o mais alto nível de humildade, e isso foi expresso pelo álef em miniatura de Vayikrá. Há, no entanto, outra explicação, que amo e sempre compartilho. A palavra VaYikrá sem o álef seria VaYikér, que significa «e aconteceu». Então, quando começamos a ler este livro em Hebraico, primeiro lemos: «aconteceu»; mas então vemos este pequeno álef e entendemos que a mensagem aqui é completamente diferente. Há uma diferença enorme e verdadeiramente ontológica entre a visão de mundo baseada em Vayikrá —«e Ele chamou»— e a visão de mundo baseada em VaYikér —«e aconteceu»—. Um comentário Judeu diz que quando o Mar Vermelho se dividiu, todos os mares do mundo se dividiram ao mesmo tempo porque o Senhor sempre nos deixa a escolha de perceber seus milagres como algum evento natural que «acabou de acontecer». Mais uma vez, sempre temos esta escolha: reconhecer a presença de Deus, a mão de Deus, a voz de Deus ou ver uma nuvem que «acabou de acontecer» chegar em um momento ruim e se tornou um obstáculo infeliz em nossa adoração .

Preparando-se para a Páscoa

Ultimamente, ouvi uma história interessante. Algum grande rabino em Israel (não vou mencionar o nome dele), enquanto falava sobre limpar sua casa para a Páscoa (Nikayón Pésaj) disse: «No entanto, a limpeza mais importante é, naturalmente, a limpeza do coração». Quando questionado sobre se ele sabe quem disse isso antes dele, ele respondeu:«Claro! Foi Paulo!».  Assim, o rabino Judeu conhece sobre Paulo e a exortação de Paulo para limpar os corações do fermento; os leitores Cristãos sabem sobre o Nikayón Pésaj e Bedikát Jamétz Judaico? Quando vocês leem as palavras de Paulo que falam dos pães ázimos: «Lançai fora o velho fermento, para que sejais nova massa, como sois de fato sem fermento».[3] Vocês sabem qual foi o  fundo original deste versículo famoso?

Um leitor Cristão moderno provavelmente veria nessas palavras apenas a realidade espiritual: os crentes, sendo salvos e purificados do pecado (fermento), tornam-se pães asmos. No entanto, não há dúvida de que, enquanto escrevia, Paulo tinha em mente a Páscoa Judaica e que suas palavras se referem a um bedikát jamétz muito prático —a cerimônia da «busca do fermento». Essa cerimônia existia na época de Jesus, e ainda existe nos lares Judeus hoje, tanto em Israel quanto na dispersão: após semanas de limpeza completa (Nikayón Pésaj), na noite antes da Páscoa, toda a casa seria solenemente inspecionada para quaisquer migalhas ocasionais de fermento. Aqui está o que David Baron escreve: «Lembro-me bem do interesse com que, quando menino, costumava seguir por meu pai na noite antes do dia 14 de Nisán… depois de proferir a oração: “Bendito és tu o Senhor nosso Deus, que nos santificou pelos seus mandamentos e nos ordenou que removêssemos o fermento”, ele passou a vasculhar todos os lugares prováveis e improváveis em toda a casa em busca de fermento».  Esta cerimónia, que completa a limpeza da casa, sempre foi considerada necessária e uma preparação final para a festa. Sem dúvida, as palavras de Paulo se referem a esse costume, no entanto, como acontece com frequência no Novo Testamento, Paulo revela uma nova camada espiritual além do costume tradicional.

[1] Êxodo 40:33.

[2] Êxodo 40:34-35.

[3] 1 Corintios 5:7.

Oferecemos um curso maravilhoso para estudar as porções da Torá Hebraica, junto com suas alusões e interpretações do Novo Testamento. Como sempre, sintam-se à vontade para entrar em contato comigo para obter mais informações. Além disso, trechos dos meus livros estão incluídos em muitos posts aqui, então se vocês gostam dos artigos neste blog, vocês podem gostar também dos meus livros, vocês podem obtê-los aqui

About the author

Julia BlumJulia is a teacher and an author of several books on biblical topics. She teaches two biblical courses at the Israel Institute of Biblical Studies, “Discovering the Hebrew Bible” and “Jewish Background of the New Testament”, and writes Hebrew insights for these courses.

You might also be interested in:

Dia Da Independência: Para Um...

Por Julia Blum

A Última Semana De Jesus No...

Por Julia Blum

Join the conversation (No comments yet)

Deixe uma resposta