O Livro Do Apocalipse No Contexto Judaico (ap. 1:7-8)

"De Grebber-God Inviting Christ to Sit on the Throne at His Right Hand" by Pieter de Grebber

“Deus convidando Cristo para se sentar no trono à sua direita” por Pieter de Grebber.

Eis que ele vem com as nuvens, e todo olho o verá, até mesmo aqueles que o traspassaram…

Quando  João declara que os principais grupos celestiais  o comissionaram a escrever e entregar a carta do Apocalipse, ele é interrompido por duas bênçãos aparentemente inesperadas. Uma delas está  no vs. 5b-6 e a seguinte no vs 7, onde vemos duas  profecias Bíblicas invocadas – Dn 7:13-14 e Zc. 12:10:

“Na mesma visão que tive naquela noite, vi um ser parecido com um homem, que vinha entre as nuvens do céu. Ele foi até o lugar onde estava aquele que sempre existiu e foi apresentado a Ele. Deram-lhe o poder, a honra e a autoridade de rei, a fim de que os povos de todas as nações, línguas e raças o servissem. O seu poder é eterno, e seu reino não terá fim”.

“Naquele dia derramarei o espírito de bondade e de oração sobre os descendentes de Davi e sobre os outros moradores de Jerusalém. Eles olharão para aquele a quem atravessaram com a lança e chorarão a sua morte como quem chora a morte do filho único. Chorarão amargamente, como quem chora a morte do filho mais velho”.

Embora as várias crenças sobre o Filho do Homem, baseadas em Daniel 7 já fizessem parte da crença apocalíptica Judaica na época da composição do Apocalipse, a fusão destes dois conceitos (triunfante e trágico) não era. Além disso, enquanto documentos do Novo Testamento como o livro do Apocalipse, principalmente funcionem dentro de um conjunto de conceitos Judaicos já pré-existentes, sua genialidade e singularidade muitas vezes podem ser vistas na união de conceitos Judeus anteriormente não combinados tais como o Logos de Deus (Memra de Deus) e a Encarnação em João 1:14 e o Filho de Deus (Ben Elohim) e o Filho do Homem (Ben Adam/Bar Enosh) em João 5:25-28. Mesmo os sábios talmúdicos de um período posterior compreenderam as profecias triunfantes e trágicas sobre o Messias para predizer dois Messias, o Filho de Davi e o Filho de José.

“Os nossos rabinos nos ensinaram, Santíssimo, abençoado seja Ele, dirá  ao Messias, o filho de Davi (possa ele  se revelar rapidamente durante os nossos dias!) peça-me qualquer coisa e eu a darei a você, como foi dito, proclamarei o decreto etc  eu hoje  te gerei, peça-me e eu te darei as nações por tua herança (Salmos 2:7-8). Mas quando ele ver que o Messias, o filho de Jose está morto, ele vai dizer para Ele, Senhor do Universo,  peço-Te apenas o dom da vida. Quanto à vida, Ele iria responder-lhe, Seu pai, Davi já profetizou isso sobre você, como foi dito,  vida te pediu, e lha deste, [mesmo longura de dias para todo o sempre – Salmos 21:4]”. (Talmude Babilônico, Sukkah 52a). (1)

Outra passagem do Talmude, que revela o entendimento rabínico da recompensa baseada no mérito do Messias vindo para redimir Israel, mostra uma tentativa alternativa  de harmonizar o  Messias triunfante,  vindo sobre as nuvens,   com o servo trágico, dócil e sofredor, montando em um jumento. Propõe-se que as profecias descrevam duas trajetórias potenciais do Messias as quais dependerão da condição do povo da aliança.

“… está escrito, a seu tempo [virá o Messias], enquanto também está escrito, eu, [o Senhor]  apressarei isso! (Is 60:22) se eles forem dignos, eu o apressarei: se não, [ele virá] no tempo devido… está escrito e eis que um como o filho do homem veio com as nuvens do céu (Dn 7:13) enquanto [em outro lugar] está escrito, [eis que teu rei vem a ti…] humilde e montado em um jumento! (Zc 9:7). Se eles forem meritórios, [ele virá] com as nuvens do céu se não, humilde e montado em um jumento. O rei Shapur [I] disse a Samuel:  Vós dizeis que o  Messias virá em cima de um jumento: prefiro  mandar-lhe  um cavalo branco meu. 37 Respondeu ele: você tem um corcel de cem cores(2)?” (Talmude Babilônico, Sinédrio 98a).

O Apocalipse apresenta como um estes dois conceitos do Messias, aparentemente independentes e difíceis de conciliar, um vencedor triunfante; e outro, um servo sofredor de Deus; e combina-os em uma pessoa, o Messias que veio, sofreu, e ainda está para reivindicar sua glória completa.

… e todas as tribos da Terra chorarão por causa dele. Certamente será assim. Amém.

O interessante é que na imaginação religiosa Cristã, todos os povos do mundo aqui estão pranteando o traspassamento do Cristo de Deus; mas dado o fato de que se trata de uma alusão a Zacharias (veja acima), sem dúvida são as tribos de Israel que estão em questão. Terra/País (Arets) é a designação Hebraica comum, não de toda a terra, mas da Terra de Israel, em particular.

8 “Eu sou o Alfa e o Ômega,” diz o Senhor Deus, “aquele que é aquele que era e que há de vir, o Todo-Poderoso”.

Mesmo que seja comum falar de Jesus como o Alfa e o Ômega, o melhor que podemos dizer é que há uma distinção entre o Jesus glorificado e o Próprio Alfa e Ômega no texto em si, especialmente em Ap. 1:4 (ver a discussão acima).

O termo técnico o Alfa e o Ômega aparece três vezes no Apocalipse (Ap. 1:8, Ap. 21:1-8, Ap. 22:6-15). Em todos os três casos não pode ser interpretado imediatamente como Jesus (embora os autores deste livro não tenham nenhum problema em afirmar a divindade de Jesus, como ele foi retratado em outras partes do Novo Testamento). O único caso onde Jesus está mais explicitamente ligado a este título é o último exemplo do Ap. 22:6-15, onde imediatamente após declarações sobre o Alfa e o Ômega (na primeira pessoa), há uma declaração de Jesus (também na primeira pessoa): “Eu, Jesus, enviei meu anjo para anunciar essas coisas a vocês nas igrejas. Eu sou a raiz e o descendente de Davi, a brilhante estrela da manhã” (Ap.22:16), embora tenhamos que ter  em mente que no livro do Apocalipse há uma polifonia de vozes que no desenrolar da história se alternam como o  centro das atenções.

Embora seja possível harmonizar o Alfa e o Ômega do Ap.22:13 com Jesus do Ap.22:16 pensamos que dada a identidade do Alfa e do Ômega, com “aquele que é aquele que era e que há de vir” em Ap. 1:8 e distinção clara de Jesus da mesma pessoa em Ap. 1:4, a posição que equipara Jesus ao Alfa e o Ômega de maneira linear direta é simplesmente inviável. O livro do Apocalipse propositadamente descreve um quadro diferente, mais complicado.

A maravilhosa grandeza de Jesus Cristo como descrita no Apocalipse, e ainda sua distinção do Senhor Deus Todo-Poderoso no livro, pode ser melhor vista no contexto de outras crenças Apocalípticas Judaicas do Filho do Homem, onde a divindade de ambos o Filho do Homem e o Ancião dos Dias /Inicio dos Dias é explícita e ainda não harmonizada (1 Enoque 48 e 69).

[divider]

(1) Tradução do Talmude de Soncino.
(2) Avalo de muitas cores.

About the author

Dr. Eli Lizorkin-EyzenbergTo secure your spot in our new course “The Jewish Background of New Testament” - CLICK HERE NOW

You might also be interested in:

Abraão No Egito (lech Lecha -2)

By Julia Blum

Lech Lecha – O Chamado De...

By Julia Blum

Join the conversation (3 comments)

Deixe uma resposta

  1. Jose Carlos

    Shalon! Que a bondade do Deus altíssimo vos continue iluminando, sinto-me gratificado pelos ensinamentos enriquecedores sobre os mistérios contido na palavra de Deus de maneira correta, obrigado mestre.

  2. Marinalva Brasiliana de Arruda Santana

    Gloria a Deus por este estudo é muito bom consegui em poucas palavras ver algo tão precioso
    gloria a Deus pela vida do Dr. Eli e o seu grupo.

  3. Andréa

    Shalon! Glória a Deus, como é bom aprender, corretamente a palavra de Deus, é muito edificante, e enriquecedor pra minha vida, muito Obrigado!