Para Trás E Para Frente: Entrando Em 2019 Desde Jerusalém

Acabamos de terminar o livro de Gênesis, meus queridos leitores, e estamos prestes a entrar no livro do Êxodo juntamente com a entrada em um novo ano de nossas vidas. No entanto, não vou continuar com os comentários das Porções da Torah neste post. Hoje, antes de mergulharmos na nova série seguinte, gostaria de apresentar algumas reflexões de Ano Novo acerca da Torah.

A transição de 2018 para 2019 se torna ainda mais significativa quando percebemos que entramos neste Ano Novo depois de termos terminado o primeiro livro da Torah verdadeiramente abrindo, não apenas uma nova página, mas um novo livro em nossas vidas. Este ponto, entre Gênesis e Êxodo, é altamente significativo tanto na Bíblia quanto em nossas vidas portanto, hoje, deste ponto de vista, olharemos para trás e para frentePara tras para os eventos fascinantes do livro de Gênesis, bem como para os eventos fascinantes deste ano de nossas vidas que termina, incluindo nossos fracassos e errosembrando a frase surpreendente de José na última porção da Torah: Deus o tornou em bem. Para frente com expectativa e esperança, com os grandes milagres e a grande redenção do livro de Êxodo e com os grandes milagres e a grande redenção de 2019seja o que for que isso signifique.

PARA TRÁS

Para vocês, pessoalmente, qual é o evento ou história mais importante no livro de Gênesis? Para mim, vivendo hoje em Israel devastada por conflitos, a história de Isaque e Ismael é provavelmente uma das histórias mais importantes e relevantes, embora essa história ocupe apenas alguns capítulos —Gênesis 16-21—. Sim, eu estou bem ciente do fato de que muitos povos Árabes não se veem como descendentes de Ismael; no entanto, acredito que existe uma base bíblica e uma realidade espiritual além da nossa complicada realidade visível (esse é o assunto do meu livro: Abraham had two sons).

Portanto, não é de surpreender que a primeira coisa de que me lembro em 2018 seja o Presidente Trump transferindo a embaixada dos EUA para Jerusalém. Eu sei que há opiniões controversas sobre isso, e eu não vou entrar no debate político aquí e, acreditem, isso é muito controverso aqui também. Certamente não é fácil para nós morarmos aqui, porque é Israel, em primeiro lugar, quem paga o preço pela ousadia de Trump. Suponho que vocês se lembram de como tudo começou: no final de 2017, em 6 de dezembro, ouvimos a declaração de Trump sobre o reconhecimento de Jerusalém como a capital de Israel. 2017? O primeiro ato oficial de uma nação Gentia que deu aos Judeus direito legal à Terra Santa foi a Declaração Balfour, e aconteceu em dezembro de 1917. Então, 50 anos depois, em 1967, após a Guerra dos Seis Dias, Jerusalém foi reconquistada, reunida e declarada a eterna capital indivisível do Estado de Israel. Cinquenta anos depois de 1967, esperando ouvir a declaração de Trump, um comentarista da FOX disse: “Estamos esperando o Presidente Trump vir e mudar a história”. Essa “mudança de história” aconteceu em 2017 e lançou uma nova luz sobre a declaração do Presidente Trump: se alguém duvidasse que se tratava de um evento profético, eles apenas tinham que perceber que isso acontecia em total correspondência com o relógio profético de Deus: 1917-1967-2017.

A mudança em si aconteceu este ano, em 14 de maio, e marcou o 70º aniversário de Israel. Por acaso eu estava no hospital naquela época e estava assistindo a todo o evento se desenrolar de um quarto de hospital. A transmissão da bela e solene cerimônia de abertura da embaixada alternou com as notícias de agitação na Faixa de Gaza e nos territórios e eu estava assistindo no hospital Hadassah em Jerusalém, onde quase todos no meu departamentode um auxiliar a um médico, eram Árabes. E nenhuma tensão foi sentida ali.

Enquanto observava, um sentimento vago crescia dentro de mim: que, embora esses passos sejam importantes e até mesmo proféticos, não é na arena política que nossos problemas serão resolvidos precisamos de um raio X espiritual aqui. Um dos principais temas do meu livro é o de restaurar o que foi quebrado e torná-lo inteiro novamente. Sim, é claro, a vida real é muito mais complexa e multifacetada do que uma história bíblica mas não é o caso de um raio X também? Uma pessoa é muito mais complexa e única do que a sua radiografia: não vemos características pessoais em um raio X; não podemos reconhecer o indivíduo por meio de sua radiografia, e ainda assim é necessário um raio X para ver o que deve ser curado para ver onde está a fratura e o que deve ser feito para curá-la. Nós precisamos deste raio-X; precisamos reconhecer esta realidade espiritual, biblicamente baseada na vida cotidiana desses dois povos diferentes que são, ao mesmo tempo, incrivelmente próximos e incrivelmente inimigos. Abraão teve dois filhos e a foto da família não estará completa até que ambos estejam nesta foto.

PARA FRENTE

E quanto a 2019? 2017 foi um ano de Jubileu para Jerusalém, por isso foi fácil escrever sobre isso; 2018 foi o 70º aniversário de Israel, por isso foi fácil de escrever sobre isso também. Não há grandes datas ligadas a 2019 mas isso não significa que, quando nos aproximamos do Ano Novo, temos mais motivos para ouvir o que Deus está dizendo para nós? Estamos entrando em um Novo Ano logo depois de termos lido a primeira porção de Êxodo ShemotSim, o ano inteiro e todo o livro dos grandes milagres de Deus estão diante de nós mas ao ler sobre Moisés e seu chamado nesses primeiros capítulos, vamos refletir sobre um detalhe que poucas pessoas prestam atenção: Quando o Senhor Se revelou a Moisés na sarça ardente, ao ver esta sarça, Moisés disse: “Irei para lá, e verei essa grande maravilha“.[1] E está escrito: “Vendo o SENHOR que ele se voltava para ver, Deus, do meio da sarça, o chamou”.[2] Vocês podem imaginar? Se Moisés não tivesse se virado para ver essa grande visão, ele não teria se tornado aquele que tirou Israel do Egito —porque somente quando Moisés começou a andar na direção de Deus, e Deus viu aquilo, só então Ele falou com ele—. E talvez isso seja algo que Deus quer que ouçamos quando entramos no novo ano: Ele mesmo escolhe quando Se revela a nós; Ele mesmo intervém e faz nossos corações queimarem dentro de nós; Ele mesmo nos chama. Mas se Ele permanece conosco depende da nossa resposta: estamos prontos para literalmente sair do nosso camino —como Moisés fez— para ouvir e obedecer?

 

 

Trechos de meus livros estão incluídos neste artigo (e muitos outros posts aqui), então se vocês gostam dos artigos neste blog, vocês podem gostar também dos meus livros, vocês podem obtê-los da minha página:  https: //blog.israelbiblicalstudies. com / julia-blum /       Além disso, gostaria de lembrar, que oferecemos um curso sobre a Porção Semanal da Torá, e os interessados ​​em estudar em profundidade a Parashat Shavua, juntamente com os conhecimentos  do Novo Testamento, são bem-vindos para se inscrever neste curso ou entrar em contato comigo ( juliab@eteachergroup.com ) para mais informações e para o desconto.

 

FELIZ ANO NOVO, MEUS LEITORES QUERIDOS!

TENHAM UM MARAVILHOSO 2019!

[1] Êxodo 3:3

[2] Êxodo 3:4

About the author

Julia BlumJulia is a teacher and an author of several books on biblical topics. She teaches two biblical courses at the Israel Institute of Biblical Studies, “Discovering the Hebrew Bible” and “Jewish Background of the New Testament”, and writes Hebrew insights for these courses.

You might also be interested in:

Retratos Bíblicos: Abraão (1)

By Julia Blum

Join the conversation (No comments yet)

Deixe uma resposta