Porção Da Torah No Tempo Atual: Noé

Continuamos discutindo a atual porção da Torah. A segunda Parashat Shavua do ano é Noah (Noé)Gênesis 6: 9-11: 32.

O QUE HÁ EM UM NOME?

Noé nasceu e foi batizado antes que nossa Porção de hoje comece —em Gênesis 5— no entanto, como ele é o personagem principal desta Parashah, nós teremos tempo para entender o significado profético de seu nome. Noé é um dos personagens mais significativos da Bíblia —e apesar de todos saberem quem ele era, poucos se lembrariam de Lamech (Lameque), o pai de Noé—. Vale a pena relembrar a Lameque, no entanto, não apenas porque ele gerou seu filho que salvaria o mundo agonizante por meio da fé e da obediência, mas também porque ele reconheceu o chamado e a missão especial desse filho ao lhe dar esse nome especial. Por que Lameque chamou seu filho de Noé? O que ele esperava dele?

Lemos em Gênesis 5:29 que o pai de Noé, Lameque, “pôs-lhe o nome de Noé, dizendo: “Este nos consolará dos nossos trabalhos, e das fadigas de nossas mãos, nesta terra que o SENHOR amaldiçoou”. Gênesis 5:29 O nome Noé em Hebraico significa “descanso”: Seu pai o considerava como aquele que deveria ser o doador do repouso e como alguém que deveria proporcionar libertação e alívio da maldição. Vocês se lembram dos eventos de Gênesis 3? Deus amaldiçoou a terra e baniu Adão e Eva do jardim —mas Ele também lhes deu a promessa, que no Cristianismo é frequentemente chamada de Protoevangelho e é interpretada como a promessa do Salvador vindouro—. É óbvio pelas palavras de Lameque que mesmo essas primeiras gerações já estavam extremamente cansadas dessa maldição e esperaram pelo cumprimento dessa promessa. Evidentemente Lameque sentiu o peso da labuta sobre a terra que Deus havia amaldiçoado e esperava que seu filho fosse esse salvador —e ele olhava para Noé como alguém que deveria trazer libertação e descanso— como o Messias do Novo Testamento, Jesus Cristo, fez: “Vinde a mim todos os que estais cansados e sobrecarregados, e eu vos aliviarei”.[1]

O SEGREDO DE ENCONTRAR A GRAÇA

Quando entramos em Gênesis 6, ficamos chocados com a descrição de todo o mal e da corrupção da humanidade. Então, no meio de toda essa corrupção, encontramos um homem que claramente agradou a Deus: Noé, porém, achou graça aos olhos do SENHOR. Notavelmente, aqui vemos a primeira ocorrência da palavra “graça” na Bíblia. Qual é o segredo de encontrar graça aos olhos do Senhor?

A frase Hebraica מָצָא חֵן בְּעֵינֵי יהוה  (matza chen be-eyney Adonai) significa literalmente: “Ele encontrou graça aos olhos do SENHOR”. Esse termo ainda é usado no Hebraico moderno hoje em dia. Quando perguntamos a alguém: “Você gosta de (tal e tal)?” Muitas vezes usamos essa antiga frase bíblica: “Ele encontrou graça em seus olhos?” Vamos refletir sobre isso juntos. A Torah não diz: “Noé foi escolhido por Deus” —o texto Hebraico deixa bem claro que o primeiro passo foi o de Noé—. Parece que Noé encontrou graça aos olhos de Deus porque ele estava procurando ativamente por ela na maneira como andava com Deus —atendendo às expectativas de Deus—.

O que podemos aprender com essa história? Creio que a lição para nós é a seguinte: Deus não quer que simplesmente permaneçamos esperando a punição de nossa geração pecadora —mesmo que nos sintamos cercados pelo pecado e pela corrupção—. De acordo com o Novo Testamento, Noé estava pregando de maneira muito ativa a fé e a salvação. Os escritores do Novo Testamento acreditavam que durante os anos de preparação, Noé pregou a justiça aos seus contemporâneos, advertindo sobre o julgamento que viria e continuando a construir uma arca em completa obediência a Deus. Talvez seja por isso que ele encontrou graça aos olhos do Senhor e Deus que não poupou o mundo antigo, mas preservou a  Noé, pregador da justiça, e mais sete pessoas…”[2]

CALAFETAR OU EXPIAR?

Quando Deus instruiu Noé como construir a arca, Ele ordenou que ele a calafetasse com betume por dentro e por fora. Em Inglês, parece uma descrição técnica simples. No entanto, em Hebraico, encontramos a raiz כפר (kafar: kaf- pei-reish) duas vezes neste versículo. Vocês provavelmente sabem que Yom Kippur significa Dia da Expiação, portanto vocês conhecem o significado desta raiz: “expiar” —mas por que é usada aqui?—

Este é um belo exemplo de quão profunda e multifacetada é a língua Hebraica. Como é uma linguagem baseada em raiz, a maioria das palavras é formada a partir de uma raiz de três consoantes, alterando-se as vogais e adicionando-se diferentes prefixos e sufixos. A raiz “kaf- pei-reish”, dependendo de seu radical, pode significar “cobrir com piche” (Qal) ou “cobrir, expiar pelo pecado, fazer expiação”. (Piel)

Assim, este simples comando prático soa quase como uma declaração teológica em Hebraico. Sabemos, é claro, que o dilúvio e a Arca são grandes símbolos de punição dos pecadores e salvação daqueles que depositam sua confiança em Deus. No entanto, sem o conhecimento do Hebraico, perdemos completamente o que é tão óbvio no texto original: A história de Noé é a história da redenção e expiação, porque a raiz da palavra “expiar ” está lá desde o início desta história.

AS ÁGUAS DA INUNDAÇÃO COMO SÍMBOLO DO BATISMO

Há um aspecto adicional do dilúvio que não deve ser menosprezado. Infelizmente, a maioria dos Cristãos não tem conhecimento das raízes Judaicas do batismo no Novo Testamento. O batismo na água tem uma longa história e não começou com João Batista: tem seu início no antigo processo de purificação espiritual e purificação dos Judeus —Mikveh—. Essa limpeza de Mikveh, a lavagem de purificação, tem sido tão essencial e importante para os Judeus quanto o batismo é essencial e importante para os Cristãos.

Nesse sentido, a conexão que encontramos no Novo Testamento entre as águas do dilúvio e do batismo é muito interessante e muito profunda. Também temos algo semelhante na tradição Judaica: os escritores Chassídicos descrevem o dilúvio como um processo de limpeza e as águas do dilúvio como as águas de um mikveh. Através do dilúvio, o mundo recebeu uma limpeza espiritual —e da mesma forma os crentes do Novo Testamento recebem purificação espiritual através do batismo—.

 

 

 

Eu gostaria de lembrar a vocês, meus queridos leitores, que oferecemos um curso sobre a Porção Semanal da Torah, e aqueles interessados ​​em estudar em profundidade a Parashat Shavua, juntamente com as abordagens do Novo Testamento, são bem-vindos para se inscrever neste curso ou entrar em contato comigo para mais informações e para o desconto. Além disso, para aqueles interessados ​​em meu livro sobre o Hidden Messiah, As Though Hiding His Face, ou em meus outros livros (todos têm  perspectivas Hebraicas), aqui está o link para a minha página: https://blog.israelbiblicalstudies.com/julia-blum/.

 

[1] Mateus 11:28

 

[2] 2 Pedro 2:5

About the author

Julia BlumJulia is a teacher and an author of several books on biblical topics. She teaches two biblical courses at the Israel Institute of Biblical Studies, “Discovering the Hebrew Bible” and “Jewish Background of the New Testament”, and writes Hebrew insights for these courses.

You might also be interested in:

Join the conversation (No comments yet)

Deixe uma resposta