Você Está Louco? Quem Está Tentando Matá-lo? (joão 7: 14-21)

Christ in the Temple Jewish Studies for Christians

14 No meio da festa subiu Jesus ao templo e começou a ensinar. 15 Então os judeus se admiravam, dizendo: “Como é que este homem tem conhecimento, se ele nunca estudou?”

A Festa dos Tabernáculos é uma semana de celebração (o historiador judeu Flávio Josefo chamou esta festa especial – a maior e mais importante festa sagrada (Ant.viii 4.1)) e a nós foi contado que Jesus apareceu no Templo e começou a falar publicamente algum tempo após o início da festa. Não parece haver qualquer significado particular para o fato de que Jesus foi no meio da semana ao Templo. Ele provavelmente queria simplesmente que aqueles que estavam procurando por ele baixassem a guarda pois desde então eles já supunham que ele temia por sua vida o suficiente, para não vir.

Quando ele veio para a festa os “hoi Ioudaioi” não o reconheceram. Qualquer que fosse a aparência de Jesus, era tão “média” que as pessoas não podiam reconhecê-lo, ou ninguém dos que podiam prende-lo, o conhecia ou jamais tinham visto ele pessoalmente. Lembre-se que o beijo de Judas serviu para identificar Jesus quando os guardas do templo vieram para prendê-lo. Esta é a razão mais provável que os “hoi Ioudaioi” que ouviram Jesus falar, perguntou: ” Como é que este homem tem tanto conhecimento, se ele nunca estudou? ” Em outras palavras dadas seu sotaque e sua roupa, ele era galileu. Seus argumentos eram não convencionais o suficiente em suas conclusões (não pensados em métodos), no entanto, parecia que ele não tinha sido educado nos círculos dos “hoi Ioudaioi”. Como isso foi possível?”

16 Então, Jesus lhes respondeu: “O meu ensino não é meu, mas daquele que me enviou. 17 Se a vontade de alguém é fazer a vontade de Deus, ele vai saber se o ensino vem de Deus ou se eu falo por mim mesmo. 18 A aquele que fala por si mesmo busca a sua própria glória, mas aquele que busca a glória daquele que o enviou, esse é verdadeiro, e nele não há falsidade.

Jesus respondeu às perguntas que os “hoi Ioudaioi” não pronunciaram, mas foram provavelmente perguntadas em seus corações. Você está certo, eu não recebi “aprovação” escolar, mas eu tenho uma mensagem para trazer a vocês como um representante autorizado do Deus de Israel. Em outras palavras, Jesus desafiou os ouvintes a parar de pensar nele como um jovem sábio de fora da cidade e começar a pensar nele como um jovem profeta de Deus. Um profeta não precisa ser educado por homens, ele tem uma vocação maior, ele deve ser ensinado por Deus.

19 Não vos deu Moisés a lei? No entanto, nenhum de vós cumpre a lei. Por que procurais matar-me?”

Lembre-se que os “ hoi Ioudaioi” que foram ouvir os discursos de Jesus e interpretações da Torá ainda não fizeram a conexão de quem era Jesus. De repente, Jesus começa deixar as coisas claras. Ele primeiro os acusa de não manter a Torah de Moisés (algo que era costume dos profetas de Israel), e depois afirma o fato de que eles (hoi Ioudaioi) estão tentando tirar sua vida.

20 A multidão respondeu: “Você tem um demônio! Quem está a tentar matá-lo?”

A primeira reação foi de choque e descrença. “Você está louco!” (Nas palavras de antigos israelitas: “Você tem um demônio) alguns deles, disse em voz alta. “Ninguém está atrás de você. Não seja paranóico! “Mas, como Jesus continuou a falar, alguns deles começaram a ligar os pontos.

21 Jesus respondeu-lhes: “Eu fiz um trabalho, e todos vocês se maravilharam com isso.

É claro que Jesus estava se referindo a cura de um judeu no tanque de Betesda. A piscina Helenizada de Jerusalém provavelmente funcionava como o santuário de cura de Asclépio, o deus grego da medicina e saúde (leia sobre isso aqui). Isso aconteceu durante a viagem anterior de Jesus a Jerusalém. Você deve se lembrar que o homem curado, depois que ele foi confrontado por Jesus sobre a sua vida de pecado, foi para as autoridades do Templo para identificar Jesus. Isso era algo que estava destinado a ferir Jesus e não ajudá-lo. É claro que é também possível que este evento tenha causado um alvoroço tal que o homem precisava colocar a culpa em alguém. Talvez, ele foi ameaçado quando ele disse que realmente não sabia quem o tinha curado (João 5:10-13) e mais tarde teve a oportunidade de afirmar a sua inocência ante os “hoi Ioudaioi (João 5:14-15).

A cura ocorreu no sábado e ele provavelmente perturbou a ordem pública, caminhando em uma instalação de pagão e curando alguém em nome do Deus de Israel (muito ruim para as antigas relações inter-religiosas e, provavelmente, teria sido para o moderno também).Portanto, para se distanciar de Jesus e para desacreditá-lo, as autoridades do Templo acusaram de profanar o sábado. O compromisso cego dos “Hoi Ioudaioi” para parar Jesus e despojá-lo de sua crescente popularidade fecharam os olhos de serem capazes de ver o óbvio.

22 Moisés vos deu a circuncisão (não que fosse de Moisés, mas dos patriarcas), e  vocês circuncidam  um homem no sábado. 23  Se no sábado um menino recebe a circuncisão, para que a lei de Moisés não seja violada,  estão com raiva de mim, porque no sábado curei completamente um homem? 24  Não julguem pela aparência, mas julgai com julgamento justo”.

Acreditava-se que através do sinal e selo da circuncisão uma pessoa era colocada em relação de aliança com o Deus de Israel e, e como resultado tinha-se  um feito inteiramente  espiritual. Observe que Jesus concorda com os “hoi Ioudaioi “ que apesar de ter sido um dia de sábado, o ritual da circuncisão ainda precisava ocorrer porque o sinal da circuncisão tem precedência sobre normas comuns de sábado.

Como era costume para Jesus, ele não discutiu com os “hoi Ioidaioi “ sobre a legitimidade da Lei Mosaica. Afinal Lei Mosaica é a lei de Jesus, tanto porque Jesus era o Logos eterno de Deus e, portanto, foi o seu doador  original. Além disso, porque em sua humanidade era judeu, como tal, ele estava totalmente e firmemente sob a autoridade da lei de Moisés. Em vez de discutir sobre a legitimidade da Lei, Jesus apenas discutiu com os “hoi Ioudaioi “ sobre a interpretação da Lei de Moisés e ele próprio acusou os “hoi Ioudaioi”  do pecado de inconsistência (João 5:23). Havia pelo menos um outro momento em que Jesus criticara seus opositores do pecado de inconsistência quando ele trouxe à sua mente uma referência de um Documento de Damasco qumrânicos, dizendo que, enquanto os fariseus estavam certos sobre como salvar a vida no sábado, eles estavam errados sobre o fato que eles achavam que a cura não deveria  ser permitida neste dia sagrado (Mat.12.9-13 e CD XI 11b-14a). Judeus de Qumran não foram autorizados a assistir os seus animais de parto no sábado. Isso foi feito não por falta de preocupação com o bem-estar (crueldade para os animais), mas com a preocupação de trabalhar para aumentar a própria riqueza no dia de sábado. Um exemplo do que fez este movimento judaico diferente dos bem mais liberais fariseus foi a seguinte proibição: “Se ele cai num buraco ou vala, ele não deve ser levantado no  sábado.” Ao contrário da opinião popular o ponto de Jesus na argumentação com os fariseus sobre a cura no sábado não era para chamá-los ao arrependimento do legalismo e maus métodos hermenêuticos, mas sim de aplicar seus métodos hermenêuticos já desenvolvidos por todo o caminho. O pecado dos fariseus muitas vezes parece ser o pecado da incoerência teológica e halakhic.

Em certo sentido, Jesus está dizendo: “Vocês podem ver a importância  do que faz todo o povo espiritualmente e cerimonialmente no dia de sábado, mas vocês me recusam o direito de deixar as pessoas fisicamente inteiras no sábado. [1] Temos, no entanto que perceber que as questões que os “ hoi Ioudaoi”  tiveram com Jesus não tinham nada a ver com a cura no sábado. Esta foi apenas uma desculpa para fazê-lo parecer mau. Seu verdadeiro problema foi que ele se estabeleceu como uma verdadeira autoridade, portanto, nas mentes de muitas pessoas, deslocando-os de seu assento de poder.

25 Algumas das pessoas de Jerusalém, portanto, disseram: “Não é este o homem que eles procuram matar? 26 E aqui está ele, falando abertamente, e eles nada dizem para ele! Será que as autoridades realmente sabem que este é o Cristo?

Observe como cuidadosamente o autor do Evangelho distingue entre as vozes dos ouvintes (o povo de Jerusalém) e as autoridades (hoi Ioidaioi). De repente todo mundo percebe que “dois mais dois são quatro” e  que este deve ser Jesus, a quem as autoridades do Templo estão determinadas  a prender. Eles tinham ouvido falar sobre seus ensinamentos e milagres na Galiléia, mas vir para Jerusalém, e não buscar  a sua aprovação era nada menos do que um desafio à sua liderança. Não havia lugar para eles e Jesus juntos. Ou eles permaneceriam no poder, ou ele iria tomar o seu lugar.

© By Eli Lizorkin-Eyzenberg, Ph.D.


[1] É importante notar que o judaísmo (judaísmo rabínico) como o conhecemos agora aceita a cura como uma atividade legítima, que é permitido no dia sábado. Tudo isso significa que o judaísmo de hoje segue os ensinamentos de Jesus sobre a observância do sábado em relação à saúde e não os ensinamentos de hoi Ioudaioi que contradizia apesar mito popular.

About the author

Dr. Eli Lizorkin-EyzenbergTo secure your spot in our new course “The Jewish Background of New Testament” - CLICK HERE NOW

You might also be interested in:

Quem Foi Melquisedeque? (3)

By Julia Blum

Quem Foi Melquisedeque? (2)

By Julia Blum

Join the conversation (No comments yet)

Deixe uma resposta