Enoque E Filho Do Homem (1)

AS SIMILITUDES

Agora sabemos que o Livro de Daniel foi um dos primeiros apocalipses já escritos e também um dos mais influentes. “Sempre que nas obras posteriores ‘aquele filho do homem’, ‘este filho do homem’ ou ‘o filho do homem’ é mencionado, é a citação de Daniel”.[1] Os escritos posteriores apocalípticos fizeram uso criativo de Daniel 7 e desenvolveram sua própria nova expressão de fé e esperança para os justos. No início do século 2 aC, essa mudança no pensamento religioso já havia se tornado evidente. Como as circunstâncias nesta terra eram injustas e os injustos estavam ganhando, pela primeira vez o conceito claramente definido de um reino transcendente e uma figura transcendental do último dia entraram no pensamento Judeu.

A mais antiga evidência Judaica para a interpretação e reutilização de Daniel 7: 13-14 é encontrada no segundo sub livro de I de Enoque: As Similitudes.

A data das Similitudes tem sido controversa, uma vez que nenhum fragmento deste texto foi encontrado em Qumran. Alguns estudiosos argumentam, no entanto, que uma ausência de Qumran não implica uma data após 70 a.C. “Uma vez que as Similitudes não fazem alusão à queda de Jerusalém, uma data anterior a esse evento parece mais provável”, escreve John Collins. [2] Se este é o caso, podemos afirmar que é aqui, nas Similitudes, que alguns temas importantes do Novo Testamento são encontrados pela primeira vez. Como veremos mais adiante, “quando usamos Enoque como um contexto para o Novo Testamento, muitas das primeiras idéias Cristãs entram em um foco muito mais claro, e muitas das lacunas no Novo Testamento podem ser eliminadas.”[3] Este texto é de fato um recurso muito valioso para entender a cultura e o histórico do público original dos Evangelhos.

As Similitudes consistem em três parábolas (capítulos 38-44, 45-57 e 58-69) e um epílogo duplo (capítulos 70 e 71). O Capítulo 37 introduz toda a composição como a “visão da sabedoria”. A revelação propriamente dita começa com a ascensão de Enoque até o final do céu. Lá são mostrados a ele todos os segredos celestiais. Logo, no Capítulo 42, a primeira parábola é interrompida por um breve poema da sabedoria. O conteúdo do poema é altamente característico e se encaixa muito bem com o pensamento das Similitudes: “A Sabedoria saiu para fazer sua morada  entre os filhos dos homens, e não encontrou morada”,[4] então ela voltou para o céu e tomou seu assento com os anjos. A terra é entregue à iniquidade; a sabedoria não é encontrada na terra, mas está com os anjos no céu.

UMA NOVA FIGURA

É a segunda parábola das Similitudes que é de grande interesse para nós, porque introduz uma nova figura: “Naquele lugar, vi Aquele a quem pertence o tempo antes do tempo. E sua cabeça era branca como a lã, e havia com ele outro indivíduo, cujo rosto era como o de um ser humano”.[5] Enoque então pergunta a seu guia angélico sobre ele, e o anjo responde: “Este é o Filho de Homem a quem pertence a justiça e com quem habita a justiça”.[6] O Filho do Homem é apresentado aqui como um ser celestial: embora pareça humano, ele é um ser sobrenatural, mantendo um relacionamento muito especial com o próprio Deus.

Não pode haver dúvida de que as Similitudes de Enoque aludem ao Filho do Homem de Daniel 7. Mais adiante neste livro, vemos que as expressões “filho do homem”, “eleito” e “justo” são todas identificadas com a mesma figura dos últimos dias. Assim, “filho do homem” torna-se uma imagem central aqui. Este é o ponto mais importante para nós. Enquanto no Livro dos Vigilantes, que discutimos no início desta série, a ênfase está na realidade da revelação celestial de Enoque a realidade do mundo oculto, invisível e celestenas Similitudes, o foco não é apenas no reino celestial, mas na imagem celestial do Salvador invisível, o “justo”, que foi ocultado e será revelado no final dos dias. Aqui não é apenas o mundo celestial que dá esperança aos escolhidosé o Filho do Homem celestial que lhes assegura o seu destino especial.

O FILHO DO HOMEM E O MESSIAS

Mesmo que seja uma surpresa para um estudante atual do Novo Testamento que “outros Judeus imaginavam várias figuras humanas como alcançando o status de divindade e sentando-se ao lado de Deus ou até mesmo no lugar de Deus no trono divino[7] as Similitudes nos fornecem evidências claras de que as expectativas do Filho do Homem como um Redentor divino-humano existiam no tempo de Jesus. “Nas Similitudes de Enoque, um escritor Judeu de algum tempo do primeiro século d.C. faz uso extensivo do termo “filho do homem” para se referir a uma figura particular do Redentor divino-humano …, exibindo assim muitos dos elementos que compõem o História de Cristo… As Similitudes parecem não ter sido o produto de uma seita isolada, mas parte de um mundo Judaico mais geral de pensamento e escrita”.[8]  Podemos concluir, portanto, que as especulações e expectativas do “filho do homem” foram difundidas no final do período do Segundo Templo.

Aqueles leitores que se lembram da minha série o Messias Oculto (ou que leram meu livro, As Though Hiding His Face), lembram-se de que, enquanto os leitores Cristãos dos Evangelhos chamam Jesus de Messias de Israel, Ele mesmo desencorajou qualquer uso do título ‘Messias’ ao longo de todo o seu ministério público. Ele não chamou a si mesmo Messias, ao invés disso, Ele chamou a si mesmo de Filho do Homem e vocês perceberam que em todos os Evangelhos, “ninguém perguntou: ‘O que é um Filho do Homem, afinal?’— Eles sabiam sobre  o que Ele estava falando se acreditavam em sua reivindicação ou não”.[9] Isso significa que, se realmente quisermos entender o ministério e a mensagem de Jesus Cristo nos Evangelhos, precisamos ter uma compreensão completa do conceito de “filho do homem”. Na próxima vez, vamos analisar as principais características do Filho do Homem em I de Enoque e compará-las com o que encontramos nos Evangelhos. Mais uma vez, vocês ficarão surpresos ao ouvir um som muito “Cristão” em algumas das citações de I de Enoque:

“E daqui em diante não haverá nada corruptível; Porque o Filho do Homem apareceu, E se assentou no trono da sua glória, E todo o mal passará adiante da sua face, E a palavra daquele Filho do Homem sairá. E seja forte diante do Senhor dos Espíritos”.[10]

Continua…


Trechos de meus livros estão incluídos neste artigo (e muitos outros posts), então se vocês gostam dos artigos deste blog, vocês podem gostar também dos meus livros, vocês podem obtê-los através da minha página:  https://blog.israelbiblicalstudies.com/julia-blum/   

 

 

[1] Leo Baeck, Judaism and Christianity: Essays, Philadelphia, Jewish Publication Society of America, 1958 , 28-29

[2] John J. Collins, The Scepter and the Star, p.177

[3] Margaret Barker, The Lost Prophet, Abingdon Press, 1988, p.3

[4] I de Enoque 42:2

[5] I de Enoque 46:1

[6] I de Enoque 46:3

[7] Ibid

[8] Boyarin, Daniel. The Jewish Gospels (Kindle Locations 1178-1185). The New Press. Kindle Edition.

[9] Ibid.

[10] Enoque 69:29

About the author

Julia BlumJulia is a teacher and an author of several books on biblical topics. She teaches two biblical courses at the Israel Institute of Biblical Studies, “Discovering the Hebrew Bible” and “Jewish Background of the New Testament”, and writes Hebrew insights for these courses.

You might also be interested in:

O Livro E A Festa (1)

By Julia Blum

Join the conversation (No comments yet)

Deixe uma resposta