Por Que Contamos O Omer: Do Pesaj Ao Shavuot?

«Bem-aventurado és Tu, Senhor nosso Deus, Rei do Universo, que nos santificou com os Seus mandamentos e nos ordenou a contagem do Omer. Hoje são trinta e quatro dias, que são quatro semanas e seis dias do Omer».

A Contagem do Omer (Sfirat Haomer – ספירת העומר) é um dos mais misteriosos e menos compreendidos costumes dos Judeus (os Judeus Messiânicos também). O que exatamente estamos contando? E por que fazemos isso?

Antes de mais nada, é importante lembrar que este é um mandamento bíblico que é mencionado duas vezes na Tora, em Levítico 23: 15-16 e em Deuteronômio 16: 9-10. A primeira vez o encontramos  no famoso capítulo 23 de Levítico, que descreve todas as festas e festivais do ano bíblico. Diretamente depois dos mandamentos referentes à Páscoa e a Festa dos Pães Ázimos, encontramos a cerimônia da apresentação do Omer ou «Molho das Primícias».

«E o Senhor falou a Moisés, dizendo:  10 Fala aos filhos de Israel, e dize-lhes: Quando entrardes na terra que eu te dou, e ceifar a sua sega, trarás um molho do primeiros frutos de sua colheita para o sacerdote. 11 Ele moverá o feixe diante do  Senhor, para ser aceito em seu favor; no dia após o Sábado (sabbat) o sacerdote o agitará…»

Os interessados ​​em ler a descrição no Talmud de como esta cerimônia era observada durante o período do Segundo Templo, podem recorrer ao livro do Dr. Edersheim «The Temple and its Ministry» (O Templo e seu Ministério). Nós não entraremos nestes detalhes, mas o que é importante para nós aqui, é o mandamento que encontramos depois disso em Levítico 23:

«15 E contareis para vós outros desde o dia imediato ao sábado, desde o dia em que trouxerdes o molho da oferta movida; sete semanas inteiras serão. 16 Até ao dia imediato ao sétimo sábado (sabbat), contareis cinquenta dias; então trareis nova oferta de manjares ao Senhor».

É daqui que vem a contagem. Este mandamento de «contar» é repetido em Deuteronômio 16: 9:

«Sete semanas contarás; quando a foice começar na seara, entrarás a contar as sete semanas.  10 E celebrarás  a Festa das Semanas ao Senhor teu Deus, com ofertas voluntárias da tua mão, segundo o Senhor teu Deus te houver abençoado».

É um assunto antigo de controvérsia seo dia depois do Sábado (sabbat) significa Domingo, o primeiro dia da semana e o dia seguinte ao sabbat semanal, ou o segundo dia da Festa dos Pães Ázimos. «Enquanto o livro de Josué (5:11) sugere que a prática mais antiga compreendia mimajarat hashabbat se refere ao “amanhã do primeiro dia de Pesaj”, um uso confirmado pela Septuaginta, Josefo e Filo», os diferentes grupos do período do Segundo Templo compreenderam isso de forma diferente: por exemplo, «a comunidade de Qumran entendeu que a alusão era ao primeiro sabbat depois do Pesaj»[1]. Essa visão também foi aceita pelos Saduceus no tempo de Jesus; a visão anterior é aceita hoje pela maioria dos estudiosos e está baseada no fato de que a palavra sabbat se refere não apenas ao sabbat semanal, mas também ao primeiro e último dia das grandes festas, neste caso ao primeiro dia da Festa dos Pães Ázimos. Portanto, a Contagem do Omer começa no segundo dia da Festa dos Pães Ázimos e termina na Festa das Semanas a Festa de Shavuot. É importante perceber que tanto o começo quanto o final da contagem eram marcados por oferendas: no segundo dia da Festa dos Pães Ázimos, um molho de cevada era trazido (em Hebraico, é um «omer» de cevada, é por isso que nos referimos a este período como Omer); as sete semanas de contagem eram encerradas com o Festival de Shavuot (Pentecostes) no qual outra oferenda era apresentada ao Senhor: dois pães de trigo. Qual é a interpretação e a importância dessa contagem?

O primeiro e mais óbvio é o significado agrícola do omer. A cevada era o primeiro grão a amadurecer e não há dúvida de que, por meio dessa apresentação dos primeiros produtos naturais, Israel consagrava a Deus toda a colheita. O povo de Israel teve que aprender a reconhecer o poder de Deus e confiar completamente nele. Nesse sentido, contar o Omer é uma forma de oração diária para a colheita; somos gratos por cada novo dia e esperamos uma colheita saudável e abundante.

A contagem do Omer também tem grande significado histórico. Todos nós sabemos que a Páscoa celebra o Êxodo do Egito; e a maioria dos meus leitores também sabe que a Festa das Semanas –Shavuot– (Pentecostes) marca o recebimento da Tora no Monte Sinai. «Assim como o grão da colheita, o povo Judeu amadureceu primeiro como nação quando saiu do Egito, mas seu florescimento  em uma verdadeira nação não estava completo até que eles receberam a Tora»[2]. Contando os dias entre os dois feriados, reconhecemos o enorme significado deste período na história de nosso povo: como uma criança pode contar os dias que faltam até seu aniversário e os  presentes de aniversário, o povo Judeu conta os dias que antecedem o seu aniversário como nação e ao recebimento, mais uma vez, da  preciosa dádiva da Tora.

Finalmente, há um grande significado espiritual na contagem do Omer para os crentes em Jesus. Como David Baron escreve: «aqui, como tantas vezes acontece nas Escrituras, o terreno e o visível são o símbolo de realidades espirituais maiores e mais profundas». O Omer apresentado no início da Festa dos Pães Ázimos era uma garantia do Bikkurim –Primeiros Frutos– apresentado no Pentecostes, e ambas as oferendas podiam ser vistas como sombras e tipos «das coisas por vir». Em nosso artigo de Pentecostes/Shavuot, discutiremos o simbolismo espiritual dessas duas ofertas, marcando o início e o fim de Sfirat Haomer.

 

 

[1] Hillary Le Cornu, Joseph Shulam, The Jewish Roots of Acts, Netivyah Bible Instructions Ministry, 2003, p.55-56.

[2] https://www.alephbeta.org/counting-the-omer?gclid=Cj0KCQjwn8_mBRCLARIsAKxi0GIYcQaohZbOtUgaqs15KQs4-ajIXJOpAhOKJ8u4GtzM1hH3NMtXgEoaAkNlEALw_wcB

 

Trechos de meus  livros estão incluídos em muitos posts deste blog. Eu queria que vocês soubessem que o livro «Unlocking the Scriptures» já está publicado e está disponível na Amazon. [Por o momento somente esta em inglês]: https://www.amazon.com/s?k=unlocking+the+scriptures+by+julia+blum&crid=2IHYED6W7ZVYI&sprefix=julia+blum+%2Caps%2C689&ref=nb_sb_ss_i_4_11

 

Vocês podem gostar também dos meus outros livros, vocês podem obtê-los da minha página:  https://blog.israelbiblicalstudies.com/julia-blum/    Se esses artigos despertarem o seu interesse por descobrir os tesouros ocultos da Bíblia Hebraica, estudar em profundidade a Parashat Shavua, juntamente com as abordagens do Novo Testamento, ou aprender mais sobre o contexto Judaico do ensino de Jesuseu ficaria feliz em fornecer mais informações (e também um desconto para os novos alunos) em relação aos nossos maravilhosos cursos  ( juliab@eteachergroup.com).

 

About the author

Julia BlumJulia is a teacher and an author of several books on biblical topics. She teaches two biblical courses at the Israel Institute of Biblical Studies, “Discovering the Hebrew Bible” and “Jewish Background of the New Testament”, and writes Hebrew insights for these courses.

You might also be interested in:

Retratos BÍblicos: Sara – O...

By Julia Blum

Retratos Bíblicos: Sara –...

By Julia Blum

Join the conversation (No comments yet)

Deixe uma resposta